Paladar

Bebida

Bebida

A invasão das cápsulas alternativas

Com embalagens de alumínio, plástico e até milho, as novas forças da monodose vêm dando um calor na Nespresso, que, no entanto, ainda se sai melhor na xícara

07 fevereiro 2013 | 00:24 por lucineianunes

Com Cynthia Almeida Rosa

Especial para o Estado

O alvoroço das cápsulas alternativas ganhou força no Brasil no dia 1º de fevereiro, quando chegaram às lojas os cartuchos Café do Ponto L’OR Espresso, da D.E Master Blenders 1753 – que briga mundialmente com Nespresso. São seis blends: supremo, decaffeinnato, splendente, sontuoso, forza e fortissimo.

Mas essa história começou com Luiz Otávio Franco de Souza, sócio da Lucca Cafés Especiais, em Curitiba, que lançou seu cardápio de grãos em cápsula em 2012. “Não somos concorrentes, somos parceiros (da Nespresso). Para nós, é só mais uma opção de embalagem para o café do Lucca”, diz Franco de Souza. A Lucca vende sete opções de cápsulas, em que constam cafés cultivados na Bahia, em Minas e no Paraná, além de blends.

Hoje, cinco funcionários preenchem à mão as cápsulas vindas da França. Cada uma custa R$ 1,40. Mas a partir de março, uma minifábrica com dez funcionários e produção automatizada passará a confeccionar as cápsulas – inclusive a embalagem plástica. “Além da internet, passaremos a vender, a partir de abril, em supermercados de todo o País.” O preço não foi definido, mas deve ser 30% mais baixo que o original. Os pacotes têm dez cápsulas e trazem dados de processamento, variedades de grão, altitude e regiões produtoras.

Microlote. O barista Leo Moço também está prestes a lançar sua coleção de grãos arábica encapsulados. Ele deve começar a vender para pessoas físicas em seu site a partir da segunda quinzena deste mês. Moço fez testes com diferentes perfis de torra e tipos de granulometria. Já concluiu que o mecanismo se adapta a cafés especiais. “A extração consegue bons resultados. Mas ainda assim é diferente, não há tanta crema”, explica o dono da marca Café do Moço. Suas cápsulas, de alumínio, também vêm da França. Para preenchê-las, ele diz que põe a mão na massa e está ficando craque: produz cinco unidades por minuto. Cada cápsula deve custar entre R$ 1,80 e R$ 2, em sete versões, incluindo microlotes vencedores de concursos.

Veja também:

E agora, para onde vai o café?

Na hora do cafezinho, sou pelo politeísmo

Questão de pressão

Café de uma xícara só

Patente encapsulada

Vídeo – Capsulas sem Nespresso

O barista também dá detalhes sobre secagem, variedades de grãos, safra, produtor e altitude. Ainda no primeiro semestre ele abre em São Paulo um misto de loja e cafeteria, onde vai vender o produto.

Outra iniciativa vem da Bahia. O empresário Moacir Tavares, da Cafezinho do Brasil, vai usar os festejados cafés de Piatã para preencher artesanalmente a embalagem plástica que traz da China. Segundo ele, algumas fazendas do sul de Minas e do Espírito Santo estão em negociação para entrar em seu portfólio. As vendas serão feitas pelo site da marca, que começa a funcionar ainda neste mês. A unidade deve custar R$ 1,40.

Vinícius Ferrero, presidente no Brasil da companhia Espressione, que vende máquinas de café expresso, importa cápsulas da portuguesa Bicafé, compatíveis com as máquinas da Nespresso. O primeiro lote chegou em setembro e está à venda no site Café Fácil. “Estamos coletando a opinião dos clientes, que às vezes ficam frustrados porque querem um café igual ao da Nespresso”, diz Ferrero.

Até junho a marca deve inaugurar no Brasil uma fábrica própria para a produção de cápsulas, não apenas de café, mas também de leite, chás, chocolate. Segundo ele, as cápsulas que sua empresa usa são legais. “Para elas, a patente está caduca. Não é absolutamente igual. Nosso modelo é feito de plástico derivado de milho, biodegradável”, comenta. “O Brasil está no mercado de doses há muito tempo. E a Nespresso é apenas um dos métodos. Acreditamos na praticidade do café dosado, sem sujeira. É uma tendência mundial. E estamos atrasados. O consumidor quer cada vez mais isso”, conclui Ferrero, prevendo que o alvoroço está só no começo.

LINHAS GERAIS

Na prova das cápsulas ganhou a Nespresso (Livanto). Moço ficou em segundo, Lucca em terceiro.

1 - Rasgos, vazamento e falhas de encaixe afetaram todas cápsulas alternativas, menos a do Café do Ponto.

2 - Atenção à validade após abrir os pacotes. Lucca e Moço, por usarem processo manual, duram apenas 10 dias.

3 – Outros métodos, em alguns casos, podem ser mais adequados para notar nuances.

VEREDICTO DA XÍCARA

A prova das cápsulas alternativas foi feita pela especialista em cafés Cecília Sanada e pela equipe Paladar

FOTOS: Felipe Rau/Estadão

CAFÉ DO MOÇO | Cápsula: Frutado de Verdade. Notas de morango, frescor, muita doçura e corpo médio. No líquido, percebiam-se os óleos do grão. Ao esfriar, notas de caramelo e acidez pronunciada. A crema se dissipou rapidamente. Foram duas tentativas até o encaixe adequado da cápsula. Ao limpar a máquina, havia muito resíduo de pó de café e até de alumínio. Aspecto do pó: torra média, moagem média.

NESPRESSO | Cápsula: Livanto. Muito agradável, dá vontade de repetir a dose. Traz doçura e uma leve acidez cítrica, com notas de frutas amarelas. Mesmo que não tenha atingido a melhor extração da cápsula, é uma bebida que chega à xícara em sua plenitude. Ao esfriar, no entanto, o café perde em potência e aromas. Aspecto do pó: torra média escura e moagem fina.

CAFÉ DO PONTO | Cápsula: L’Or – Sontuoso. Bebida de crema clarinha. Apresentou aroma químico e um toque oxidado. Melhor tomar com açúcar. A crema resistiu na xícara por 6 minutos e 54 segundos. A cápsula transparente é perfurada nas duas extremidades e foi, além das cápsulas Nespresso, a única que se manteve intacta após o fim da extração. Aspecto do pó: torra escura, moagem fina e irregular.

LUCCA CAFÉS | Cápsula: Blend Espresso. Café subextraído, com pouca doçura, corpo e acidez. Foram cinco tentativas até que o encaixe da cápsula fosse adequado. Ao fim, o cartucho estava amassado, deixando resíduos de pó de café e alumínio. Obteve-se crema espessa, que persistiu por 6 minutos e 40 segundos. Aspecto do pó: torra média, moagem fina para média, com aroma de café fresco.

ESPRESSIONE | Cápsula: Intenso ou suave. Foram quatro tentativas até extrair a bebida, pois a cápsula caía no reservatório. Para completar a extração, foi preciso forçar a alavanca. O líquido caiu continuamente, ralo: aroma de queimado, adstringente, sem corpo. Gosto final desagradável – também pede açúcar. A crema era ralinha, dissipou-se em dois minutos. Aspecto do pó: torra clara e moagem média.

ONDE COMPRAR

Café do Moço | cafedomoco.tanlup.com

Café do Ponto | R. Olimpíadas, 360 (Shopping Vila Olímpia), 0800-707-7442

Espressione | cafefacil.com.br

Lucca Cafés Especiais | lojadecafes.com.br/lucca

Nespresso | R. Oscar Freire, 893, Jd. Paulista, 0800-777-7737

FOTO: Keiny Andrede/Estadão

“Meu foco é o café fresco. Mas se alguém quiser usar nosso café em cápsula, vamos fazer. Ou se houver um prestador de serviço, como temos para os sachês, o Suplicy fará cápsula. É um mercado crescente” – Marco Suplicy, dono da rede Suplicy Cafés Especiais

FOTO: Alex Silva/Estadão

“Muita gente quer praticidade com as cápsulas. Também acho bom para o consumidor ter outras opções de grãos encapsulados. Mas não tenho interesse. Minha maior restrição é o acúmulo de lixo” – Isabela Raposeiras, barista, mestre de torras e dona do Coffee Lab

FOTO: Divulgação

“Faço sachês há mais de dez anos e se dependesse de meus clientes já faria cápsulas. Mas é muito caro. Estou comedido em investir. Vou acompanhar esse mercado. E quando for comprovada a quebra da patente, aí sim terei interesse” – Alexx Noga, diretor comercial da Modelli, que faz sachês

>> Veja todos os textos publicados na edição de 7/2/13 do ‘Paladar’

Ficou com água na boca?