Paladar

Bebida

Bebida

Só de birra

Heloisa Lupinacci

Barleywine, a cerveja com nome de vinho, para a quarentena

Barleywine, que quer dizer vinho de cevada, é das mais introspectivas entre todas as cervejas

15 de maio de 2020 | 04:59 por Heloisa Lupinacci, O Estado de S.Paulo

A cada semana que passa e que o cenário de crise se estende, aumenta minha vontade de tomar barleywine. A cerveja com nome de vinho (barleywine quer dizer vinho de cevada) é das mais introspectivas entre todas as cervejas.

Uma das primeiras coisas que ficam clara quando se mergulha no universo cervejeiro é que existe uma cerveja perfeita para cada ocasião, não importa qual seja a ocasião.

Na barleywine quem brilha é o malte, é bem alcoólica (entre 8% e 12%) e complexa

Na barleywine quem brilha é o malte, é bem alcoólica (entre 8% e 12%) e complexa Foto: Fernando Sciarra/Estadão

A esta altura da quarentena começo  a achar que é a cerveja perfeita para isolamento social é barleywine. Sem poder encontrar amigo, dá menos vontade de cerveja fácil e leve: elas chamam conversa animada. E está difícil ter conversa animada. 

Como o nome indica, na barleywine quem brilha é o malte. O estilo de origem inglesa é bem alcoólico (entre 8% e 12%) e complexo, as notas aromáticas estão no mundo das frutas secas, do bolo inglês, das geleias, dos vinhos de sobremesa. Não espere uma carbonatação vibrante, essa é uma cerveja que está mais para o aveludado e licoroso. 

Na minha quarentena, ela vai bem para encerrar o dia, para tomar um copo enquanto a tarde vira noite. Outra característica desse período estranho: apesar de dar vontade de encher a cara, prefiro tomar uma única e introspectiva cerveja. Assim a moderação prevalece. 

Se quiser embarcar nessa ideia e testar se a barleywine harmoniza um pouco esses tempos tão desequilibrados, sugiro a Augustinus Hordeum (R$ 34, 355 ml, no Empório Alto dos Pinheiros). A barleywine da cervejaria paulistana passa por estágio em barril de carvalho americano embebido com bourbon (outra bebida que combina com esses tempos).

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?