Paladar

Bebida

Bebida

Bebendo Paris taça a taça

É fácil se perder em meio à oferta de vinhos da capital francesa ou se intimidar com rótulos caros e sommeliers empertigados. Mas, felizmente, ganhou espaço na cidade uma leva de bares em que se bebe bem e à vontade

03 dezembro 2014 | 19:10 por redacaopaladar

Por Ana Carolina Dani

De Paris, especial para o Estado

Nem sempre é fácil encontrar o endereço certo para provar vinhos em Paris. Os restaurantes gastronômicos são geralmente muito caros, o ambiente, rebuscado, e o sommelier, muitas vezes, presunçoso. Já os bares nem sempre primam pela qualidade da bebida.

Nos últimos anos, porém, um novo estilo de  bar à vin  começou a atrair a atenção. Mais despojados, aliam descontração, qualidade e variedade. Melhor ainda, para quem não quer torrar milhares de euros em vinho, na maioria dos bares é boa a oferta de rótulos, que na garrafa sairiam caríssimos, em taça. E, claro, é Paris: a comida não é desprezada – sempre há boas sugestões do que comer enquanto se beberica.

Ficou com água na boca?

Abaixo, o Paladar traz uma seleção dos  bars à vin  de Paris que valem a visita, divididos por estilo. Com certeza, você vai encontrar o seu.

O gourmet

FOTOS: Divulgação

Situado na charmosa rue du Nil, na região do Forum Les Halles, o bar à vin Frenchie é o terceiro endereço do chef francês Gregory Marchand. A casa tem decoração com toques de loft nova-iorquino e bistrô parisiense, num ambiente descontraído. A cozinha é a versão tapas do restaurante Frenchie, que fica na mesma rua, em frente ao bar. As opções no cardápio incluem antipasti, carnes, peixes, frios e queijos, com algumas misturas inusitadas como a burrata com pêssego, basílico violeta e vinagre balsâmico ou o vinagrete de alho-poró, zabaione de vinho amarelo e trufa de verão.

Como bem explica o aviso no próprio cardápio da casa, “os pratos são feitos para serem compartilhados e a ordem de chegada dos pedidos pode variar.”

A carta de vinhos, completa e eficaz, inclui alguns do melhores produtores franceses, como Emilie Geantet ou Anne-Claude Leflaive, da Borgonha; Domaine Leccia, da Córsega; ou ainda Michel Chapoutier et Henri Bonneau, da região do Rhône. Os preços variam entre € 25 e € 680 a garrafa e de € 6 a € 12 a taça. O bar funciona de segunda a sexta, sem reservas, a partir das 19 h.

SERVIÇO | Frenchie bar à vin

Onde: 6, Rue du Nil, 2º arr.

Tel.: 33 (0) 1 40 39 96 19

O sóbrio

Ô Château é um dos mais elegantes e espaçosos bars à vin da capital francesa. À primeira vista pode parecer austero, mas o atendimento é despojado e a jovem equipe de sommeliers, bem formada. O bar, de estilo inglês, com mesas altas e poltronas confortáveis, fica próximo ao Louvre. A carta tem mais de 700 rótulos, incluindo os mais célebres vinhos de Bordeaux e Bourgogne. Um dos pontos fortes é a ótima oferta de vinhos em taça, que inclui grands crus, algo raro em Paris. Ao todo, são mais de 40 rótulos servidos em doses de 30 ml e 120 ml e conservados a vácuo. A dose de degustação tem preços que variam entre A 2 e A 14, podendo chegar a A 150 para uma taça do grandíssimo Château Petrus 1983. “A ideia é que todo mundo possa, uma vez na vida, provar um grande vinho”, diz Nicolas Paradis, um dos proprietários. O bar oferece degustações diárias. As sessões, em inglês, duram 2 horas e custam entre € 30 e € 150.

SERVIÇO | Ô Chateau

Onde: 68, Rue Jean-Jacques Rousseau, 1º arr.

Tel.: 33 (0) 1 44 73 97 80

O tradicional

Inaugurada em 1880, Legrand é uma das mais bonitas, prestigiosas e completas caves de Paris. Tem mais de 5 mil rótulos, de 360 produtores. Todos os grand crus e os maiores vinhos da França estão lá. Mas há também excelentes vinhos de produtores menos conhecidos, como o ótimo Savigny-lès-Beaune 2013, do Domaine Maréchal na Borgonha (A 26), o surpreendente branco Les Rosiers 2011, do Domaine Bellivière (€ 26), ou ainda o Sauvignon 2013 de Gérard Boulay (€ 18,50), ambos da região do Loire.

Legrand é também o local ideal para encontrar rótulos raros, cuja produção é limitada e reservada a alguns poucos iniciados, como os vinhos do Domaine du Comte Liger-Belair, na Borgonha, da Grange des Pères, na região do Languedoc, ou o mítico Yves Gangloff, em Côte Rotie, Condrieu e Saint-Joseph.

As garrafas compradas na cave podem ser degustadas sem nenhum acréscimo no Comptoir, o balcão, que abre de segunda a sábado, das 12h às 19h30. Funcionando dentro de uma antiga galeria tombada, a Vivienne, de 1823, a arquitetura do local vale a visita. Há degustações semanais na cave – a programação está no site. Em 2000, a loja foi comprada por Gérard Sibourd-Baudry.

SERVIÇO | Caves Legrand 1

Onde: Rue de la Banque, 2º arr.

Tel.: 33 (0) 1 42 60 07 12

O ecológico

A Grande Crèmerie, em Saint-Germain de Prés, é dos únicos bares de Paris especializados unicamente nos chamados vinhos naturais, ou seja, produzidos sem herbicidas, pesticidas e com o mínimo possível de intervenção na fase de vinificação. Para quem não conhece, os vinhos naturais podem parecer bastante esquisitos. Não é difícil encontrar bebidas turvas, com coloração estranha e aromas pouco agradáveis, como notas de “suor de cavalo”. Mas a ideia do proprietário da casa, Serge Mathieu, é desmistificar a bebida e reunir, no copo e no prato, o que a França faz de mais autêntico e mais próximo do terroir. “Nossos vinhos são provenientes de produtores que trabalham de maneira sustentável. Eles são elaborados sem adição de dióxido de enxofre, sem filtragem” diz Serge. Ao todo, a casa oferece cem rótulos, como os Borgonhas de Fanny Sabre. Os preços variam de € 24 a € 194 para as garrafas. As taças custam € 7. As opções para comer incluem frios, queijos, peixes defumados.

SERVIÇO | La Grande Crèmerie

Onde: 8, rue Grégoire de Tours, 6º arr.

Tel.: 33 (0) 1 43 26 09 09

O parisiense

Localizada no coração do bairro Saint-Germain de Près, a Compagnie des Vins Surnaturels (Companhia dos Vinhos Sobrenaturais) recria um ambiente intimista, aconchegante e requintado, no estilo club privé. A carta de vinhos traz 400 rótulos, com preços que variam de 31 à 3.900 euros. Entre os mais caros estão os “premiers crus” de Bordeaux, como os châteaux Latour, Margaux, Lafite Rothschild et Mouton Rothschild, e grandes crus da Borgonha, como o Chambertin Clos de Bèze, do conceituado Armand Rousseau. A casa também conta com rótulos nada ostentatórios, quase secretos, como os excelentes vinhos de Jean François Ganevat, da região do Loire, ou ainda os champanhes de Jacques Selosse e Agrapart. Para os enófilos mais ousados, uma opção é o chamado vinho mistério, servido às cegas. O cliente que descobrir o rótulo, leva a garrafa de graça. O bar não tem restaurante, mas propõe petiscos gostosos para enrolar a fome, como canapés de carpaccio, burrata italiana, presunto cru ou, ainda, terrine de fois gras.

SERVIÇO | La Compagnie des Vins Surnaturels

Onde: 7, Rue Lobineau, 6º arr.

Tel.: 33 (0) 9 54 90 20 20

O agitado

Certo, o lugar é pequeno, não tem mesas nem cadeiras, os clientes se amontoam no balcão… Mas as tapas são excelentes, e os vinhos, surpreendentes. O bar é o caçula do chef Yves Camdeborde, ícone da gastronomia francesa e dono do Le Comptoir du Relais, ao lado. Inaugurado em 2007, era para ser um “prefácio” do restaurante, para aguardar uma mesa tomando vinho no balcão. Mas o sucesso foi grande e, hoje, o Avant-Comptoir é frequentado por quem quer um lugar despojado para provar bons vinhos com ótimos tira-gostos. São mais de 80 tapas e 40 rótulos em taças, com algumas pérolas como a cuvée Silex de Didier Dagueneau, produtor do Loire, ou os champanhes de Jacques Lassaigne. Quem quiser mais explicações ou pedir um vinho em particular, pode conversar com o simpático Eric, gerente e sommelier da casa.

SERVIÇO | L’Avant-Comptoir

Onde: 3, carrefour de l’Odéon, 6º arr.

Tel.: 33 (0) 1 44 27 07 50

O popular

FOTO: Renato Sarieddine Araújo/Arquivo Pessoal

O Baron Rouge é uma instituição parisiense. É um bar à vin despretensioso, com vinhos e produtos do terroir em ambiente autêntico e popular. Nas horas mais animadas, tudo vira apoio para copos, garrafas e pratos na calçada em frente ao bar – do parapeito da janela do vizinho até as latas de lixo na rua. As ostras, vendidas diretamente pelo produtor entre setembro e abril, são uma das atrações da casa (vendidas aos sábados depois das 16h e aos domingos a partir do meio-dia). A carta de vinhos reflete o espírito do bar: nada de grand cru ou rótulos muito caros. Pelo contrário, oferece uma seleção de rótulos simples e de qualidade – cerca de 60 no total, com preços que variam entre A 1,50 e A 4 a taça, e entre A 11 e A 30 a garrafa. Pode-se levar o vinho para casa – os preços caem pela metade. Os pichets vendidos por litro e tirados diretamente de tonéis expostos no bar são também boa pedida: custam entre A 2,80 e A 5,50.

SERVIÇO | Le Baron Rouge

Onde: 1, rue Théophile Roussel, 12º arr.

Tel.: 33 (0) 1 43 43 14 32

>>Veja a íntegra da edição do Paladar de 04/12/2014

Ficou com água na boca?