Paladar

Bebida

Bebida

Bolívia faz vinhos complexos e sofisticados - quase todos em regiões altíssimas

Com apenas três mil hectares de vinhedos plantados, o país sul-americano faz bons rótulos com a uva tinta Tannat e a branca Torrontés

22 agosto 2018 | 07:00 por Dave McIntyre

The Washington Post

De Maryland, EUA

Fanáticos do vinho, que não só gostam de beber, mas de falar, debater, ler, blogar e postar sobre ele, queixam-se do que chamam de "globalização" ou "homogenização". Segundo eles, um Cabernet Sauvignon, por exemplo, mesmo feito nos mais diferentes lugares, acaba tendo o mesmo sabor. 

Mas a globalização também tem seu lado positivo. Na famosa degustação às cegas de 1976 em Paris, juízes consideraram alguns vinhos da Califórnia melhores que os franceses, o que golpeou de morte o monopólio do vinho do Velho Mundo. A modernização da viticultura e da enologia que se seguiu, embalada pelo aumento do número de democracias e pelo crescimento do livre comércio, resultou em novos e deliciosos vinhos feitos fora da Europa. Hoje, podemos saborear rótulos excelentes de regiões que talvez só venhamos a conhecer pelo portal virtual de uma rolha. 

Vinhedos da Uvairenda plantados a 1.750 metros de altitude, na cidade de Samaipata, na Bolívia.

Vinhedos da Uvairenda plantados a 1.750 metros de altitude, na cidade de Samaipata, na Bolívia. Foto: Vinícola Uvairenda

Minha mais recente descoberta na rota do vinho é a Bolívia. Olhando no mapa, o país dá continuidade ao arco norte dos Andes e às terras vinícolas das regiões argentinas de Mendoza, La Rioja e Salta. Além disso, como a Argentina e o Chile, a Bolívia tem pé histórico na Espanha. Quando os conquistadores espanhóis chegaram ao que é hoje a Bolívia, no século 16, plantaram videiras – uva Mission para vinhos tintos e Moscatel de Alexandria para brancos. 

A Moscatel de Alexandria, variação da Moscatel, é também a base da aguardente nacional boliviana, o singani. Semelhante à grappa italiana, o singani é um digestivo aromático e delicioso. 

Foi o singani que pôs o americano Ramon Escobar no rumo do vinho boliviano. Funcionário do departamento de Serviços Estrangeiros dos EUA e filho de imigrantes bolivianos, Escobar começou importando singani para os EUA quatro anos atrás, em parte para manter os laços da família com a pátria após a morte da avó. No ano passado, a empresa de Escobar, Chufly Imports, baseada em Arlington, na Virgínia, incorporou duas vinícolas bolivianas a seu portfólio. Outras duas deverão ser acrescentadas ainda neste ano. 

Tannat é a uva tinta mais produzida no país. Na foto, trabalhadores da vinícola Aranjuez separam uvas depois da colheita.

Tannat é a uva tinta mais produzida no país. Na foto, trabalhadores da vinícola Aranjuez separam uvas depois da colheita. Foto: Vinícola Aranjuez

Estive recentemente com Escobar para um café da manhã à base de salteñas, empanadas de carne avantajadas e suculentas, típicas da Bolívia. "Para cada dez hectares de videiras, dez famílias saem da pobreza extrema", conta ele. "Podemos ajudar uma região inteira do país mais pobre da América do Sul a mudar de vida." 

E como são os vinhos bolivianos? A Bolívia tem apenas três mil hectares de vinhedos, quase todos em altitudes quase extremas. A altitude proporciona um clima semiárido, com forte insolação e noites frias que mantêm os vinhos frescos. 

A Tannat é a uva que domina entre os tintos bolivianos e produz rótulos vibrantes e sofisticados, de uma complexidade admirável.

"Já que você vai beber, por que não beber algo que ajude o desenvolvimento?", diz o importador americano Ramon Escobar sobre vinhos bolivianos.

"Já que você vai beber, por que não beber algo que ajude o desenvolvimento?", diz o importador americano Ramon Escobar sobre vinhos bolivianos. Foto: Vinícola Uvairenda

A Aranjuez é uma das maiores vinícolas do país. Seu Tannat tem grande estilo, no sentido clássico, e se beneficia de passar seis meses em tonéis de carvalho. Outra vinícola que merece ser conhecida é a Uvairenda, que tem uma linha chamada 1750 por causa da altitude de 1.750 metros em que as videiras estão plantadas. Seu Tannat, que não passa por carvalho, expressa melhor o terroir e é ágil e vibrante. São dois vinhos deliciosos e de sabor semelhante, mas dramaticamente diferentes em estilo. As duas vinícolas produzem também brancos frescos e aromáticos, com base na uva Torrontés. 

/ TRADUÇÃO DE ROBERTO MUNIZ

Ficou com água na boca?