Paladar

Bebida

Bebida

Só de birra

Heloisa Lupinacci

Cervejas gringas para acompanhar as eleições

Confira sugestões de rótulos americanos que são fáceis de encontrar no supermercado e não custam um fígado

09 de outubro de 2020 | 05:00 por Heloisa Lupinaci, O Estado de S.Paulo

Estamos vetados de ir aos Estados Unidos, mas as cervejas americanas não estão impedidas de virem para cá. Algumas até fixam residência por aqui, caso da Lagunitas, da Pabst Blue Ribbon e, claro, da Goose Island, cujas receitas passaram a ser produzidas (e até criadas, no caso da Goose Midway) no Brasil.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o candidato democrata à presidência do país, Joe Biden, durante primeiro debate para as eleições de 2020

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o candidato democrata à presidência do país, Joe Biden, durante primeiro debate para as eleições de 2020 Foto: Jim Watson/AFP

Nesse clima tão longe, tão perto, não podemos ir para lá, mas não tiramos os olhos de lá: a eleição americana é o assunto do momento (vote e vote no Biden, vai que tem algum leitor eleitor nos EUA por aqui, né?). E pelo visto para acompanhar os debates e o resultado vai ser preciso beber. Então let's drink a beer – ou muitas. Como minha aposta é que a coisa vai se alongar, escolhi as cervejas que dá para achar no supermercado e não custam um fígado (porque, pelo visto, vamos precisar dos nossos nesse processo).

Pabst Blue Ribbon

R$ 3,27 (269 ml, no santaluzia.com.br)

A cerveja dos hipsters e dos trabalhadores está fácil de achar nos supermercados. É uma american light lager normal, uma cerveja convencional, mas tem a graça de ter chegado há pouco tempo. Está sendo produzida no Brasil, no interior de São Paulo (cervejaria NewAge). Para os íntimos, é a PBR (diga pi-bi-ár) e se a eleição ficar dura demais, faça como um típico trabalhador no balcão de um ve bar (boteco sujo) depois de um dia intenso e beba um The Special, uma lata de PBR e uma dose de uísque (a ideia é virar o uísque e depois tomar a cerveja e é tão popular que a PBR lançou seu próprio uísque um ano atrás).  

Cerveja Pabst Blue Ribbon

Cerveja Pabst Blue Ribbon Foto: Blue Ribbon

 

Blue Moon 

R$ 7,50 (355 ml, no paodeacucar.com.br)

A witbier comercial da MillerCoors é uma cerveja querida por muitos bebedores e tem mesmo um clima alto astral, especialmente se for servida da maneira sugerida, com uma fatia de laranja ou toranja para deixar o sabor ainda mais cítrico e refrescante. É boa para aplacar esse calorão que tem feito ou para molhar a boca quando ela secar de nervoso diante das interrupções do Trump se houver um novo debate. Aliás, se quiser acompanhar o debate como um americano crie um "drinking game". Por exemplo: todo mundo tem que dar um gole a cada vez que Trump interrompe Biden.

Cerveja Blue Moon 

Cerveja Blue Moon  Foto: Blue Moon 

 

Lagunitas IPA

R$ 7,99 (355 ml, no mambo.com.br)

Para quem gosta de IPA e não é rico, a Lagunitas é uma excelente opção para ter na geladeira. Fabricada no Brasil, tem preço possível. É bem expressiva, tem uma carga de lúpulo razoável e aquele teor alcoólico a mais (6,9%) que os hop heads curtem (agora se você, como eu, prefere as lupuladas com teor alcoólico mais baixo, procure a Tupiniquim Session IPA, leve, refrescante e na mesma faixa de preço). É uma boa cerveja, parruda, boa companhia em momentos duros.

Cerveja Lagunitas IPA

Cerveja Lagunitas IPA Foto: Lagunitas

 

Goose Island Sofie

R$ 14,90 (355 ml, no marche.com.br)

A saison da Goose é envelhecida em barril de vinho com casca de laranja, é uma cerveja festiva, para tomar a cada pesquisa em que Biden aparece na frente. E é complexa: refrescante, cítrica, frutada, picante, ácida, parece um desfile de tudo que uma cerveja pode ser. Combina com muitos climas  – com sol escaldante, chuva de verão e garoa fina – e com muitas receitas, especialmente as que levam frutos do mar. Quero a minha com ostras frescas na beira da praia quando tudo isso passar.

Cerveja Goose Island Sofie

Cerveja Goose Island Sofie Foto: Goose Island

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?

Tendências