Bebida

Bebida

Le Vin Filosofia

Suzana Barelli

Os muitos casamentos de vinho e chocolate na Páscoa

Depende do chocolate e do tipo de vinho escolhido; veja como harmonizar um e outro com dicas certeiras de rótulos

09 de abril de 2022 | 03:00 por Suzana Barelli, O Estado de S.Paulo

O casamento clássico de chocolate – nesta semana, leia-se ovos de Páscoa – com vinho é o Banyuls. O vinho fortificado do sul da França tem toda a potência e teor alcoólico para combinar com este doce bastante gorduroso. E a uva grenache, base de muitos Banyuls, tende a ter notas aromáticas que lembram o chocolate. Mas esse vinho não é (ainda bem) a única opção para harmonizar com os ovos de chocolate, além de ser difícil encontrá-lo no Brasil. Se a procura por vinhos fortificados já é pequena por aqui, é menor ainda para estilos menos conhecidos como o Banyuls.

Assim como o chocolate, que aparece em diferentes intesidades, existem diferentes estilos de vinho do Porto.

Assim como o chocolate, que aparece em diferentes intesidades, existem diferentes estilos de vinho do Porto. Foto: Stacy Zarin Goldberg/The Washington Post

Isso abre espaço para propor outras combinações enogastronômicas e mostrar que a boa harmonização não se resume a uma única opção.

Por aqui, o clássico casamento é com vinho do Porto, a bebida fortificada (tem ao redor de 20% de teor alcoólico) do norte de Portugal. Há dois estilos principais de Porto, o ruby, com destaque para as notas de frutas vermelhas, e o tawny, que lembra frutas secas e um toque mais oxidado.

As melhores harmonizações com o chocolate vão com o tawny, principalmente quando o doce tem castanhas, amêndoas, avelãs  e outras frutas secas – e muitos dos ovos de Páscoa são assim. Na categoria tawny, os vinhos vão ganhando complexidade com a idade. Um de 10 anos, como o Quinta do Noval (R$ 364, na Adega Alentejana), e até um de 20, como o Taylor’s (R$ 660, na Qualimpor), são boas sugestões.

 

Outra pedida são os LBVs, aqui um ruby com mais tempo em barricas e que costuma apresentar taninos mais macios pelo tempo de guarda. A força do vinho permite combiná-lo com chocolates amargos, nos ovos mais gourmets.

“Um bom LBV com um chocolate amargo 70% cria aquele terceiro sabor, que lembra os bombons de cereja”, destaca o especialista Eduardo Sartori, presidente da ABS Campinas e diretor da ABS-SP.

Nas melhores harmonizações, o que se objetiva é exatamente isso: o gosto da comida com o do vinho se unem e criam uma terceira e também muito prazerosa sabor no paladar. Aqui, gosto do LBV do Niepoort (R$ 170, na Vinci). 

Explorando as opções, nesta semana eu testei um chocolate amargo com laranja com um Moscatel de Setúbal, um vinho licoroso com 17,5% de teor alcoólico. Deu match! Primeiro pelos aromas cítricos do doce e do vinho, depois porque a acidez do vinho equilibra a doçura do fruto do cacau. Outro fortificado que combina com o chocolate é o vinho da Madeira, em harmonizações semelhantes ao do Porto tawny, como o Justino’s 10 anos (R$ 489, na Casa Flora). 

Sartori sugere um chocolate com caramelo e flor de sal com o Pedro Ximenez, um Jerez (o fortificado do sul da Espanha) conhecido por sua doçura. “É um bom casamento. O sal do chocolate atenua a doçura do PX”, afirma ele. No meu caso, por achar o PX muito doce e untuoso, eu prefiro degustá-lo sozinho. Aqui, a Belle Cave tem o Duquesa Pedro Ximénez, da vinícola Sánchez Romate, mas que o próximo lote só chega depois da Páscoa, infelizmente.

A combinação de chocolate com vinho tinto é outra combinação que ameaça ganhar espaço, sem que seja pela experiência. Aqui, o vinho tinto deve ser bem alcoólico, ter aquelas notas de frutas bem maduras, confitadas, e amadurecer em barricas de carvalho de primeiro uso, de preferência de madeira americana, que tendem a passar as notas de baunilha e até de chocolate para o vinho. Shiraz australianos potentes, com mais de 14,5% de álcool, e alguns malbecs argentinos têm esta característica.

É uma harmonização que a regra básica de que a doçura do vinho deve ser igual ou maior que a do doce. Mas que em um descontraído domingo de Páscoa pode ser esquecida, em nome da alegria do momento. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?