Paladar

Bebida

Bebida

Só de birra

Heloisa Lupinacci

Colorado muda de lado

Marcelo Carneiro, dono e fundador da cervejaria que tem como símbolo um urso, é personagem central do meio cervejeiro brasileiro

08 julho 2015 | 20:53 por Heloisa Lupinacci

É simbólico e histórico: a mais importante microcervejaria do Brasil foi comprada pelo maior grupo cervejeiro do mundo. Sim, a Ambev comprou a Colorado. A maior pequena agora é da gigante.

Criada vinte anos atrás, em 1996, a Colorado começou a revolução cervejeira no Brasil e engarrafou o espírito do momento: cerveja artesanal com ingredientes brasileiros. Está no DNA da Colorado uma proposta ousada, a da criação de uma escola cervejeira brasileira. Há três escolas tradicionais no mundo: alemã, inglesa e belga. E uma nova, a americana.

A Cauim não é uma pilsen, é uma pilsen com mandioca. A Indica não é uma IPA, é uma IPA com rapadura. A fórmula foi usada por muitos ao longo desses 20 anos, inclusive pela Ambev, com a Bohemia, que, em seu primeiro movimento em direção ao mercado de especiais, no ano passado, lançou IPA com jabuticaba, wit com aroeira e blond ale com mate. Depois da cópia, agora comprou a original.

FOTO: Fernando Sciarra/Estadão

Marcelo Carneiro, dono e fundador da cervejaria que tem como símbolo um urso, é personagem central do meio cervejeiro brasileiro – na fundação da Associação Brasileira da Cerveja Artesanal foi escolhido presidente, aclamado como o único que consegue dar união e voz ao segmento (leia entrevista aqui).

Os boatos sobre a negociação estão no ar desde o anúncio da compra da Wäls – e de fato a negociação começou logo depois –, mas ganharam força nos últimos meses, quando passou a circular entre distribuidores, motivado por uma mudança nos contratos de distribuição da cervejaria. No início de junho, o jornal A Cidade, de Ribeirão Preto, publicou a notícia da negociação com afirmações de Marcelo Carneiro. Ninguém confirmava, ninguém desmentia, até anteontem.

A data do anúncio foi escolhida para casar com a chegada dos rótulos da Goose Island, de Chicago, no Brasil. O que ganso tem a ver com o urso? A Goose Island também é um símbolo. Foi a primeira artesanal comprada pela AB-Inbev nos EUA, em 2011, e sua fórmula foi mantida. Ou seja, foi a primeira vez que uma artesanal foi comprada pela gigante e se manteve boa – para defensores, até melhor, agora que há rios de dinheiro para fazer investimentos, como comprar barris de carvalho francês a US$ 12 mil a unidade.

Ao fazer os dois anúncios num dia só, a Ambev reafirma que entrou pra valer no mercado de cervejas especiais – prova disso é o novo núcleo inteiramente dedicado ao setor – e mostra o exemplo bem-sucedido da Goose Island como uma espécie de promessa.

 

Ficou com água na boca?