Paladar

Bebida

Bebida

Le Vin Filosofia

Suzana Barelli

Os vinhos brasileiros na edição 2021 do guia 'Descorchados'

Idealizada pelo crítico chileno Patricio Tapia, a publicação reúne e avalia vinhos da Argentina, do Brasil, do Chile e do Uruguai

29 de junho de 2021 | 03:00 por Suzana Barelli, O Estado de S.Paulo

O crítico chileno Patrício Tapia despertou a ira dos defensores do vinho brasileiro cerca de dois meses atrás. Autor do Descorchados, o mais importante guia de vinhos da América Latina, Tapia teceu duras críticas aos nossos brancos e tintos na edição 2021 da publicação. Não gostou do que provou, apontou defeitos, como a dificuldade de obter frutos saudáveis, a falta de caráter varietal nos vinhos; problemas na maturação da uva (ou colhidas verdes ou maduras demais) e o uso de madeira exagerados em alguns tintos. 

Resultado: o crítico desclassificou mais de 80% dos rótulos degustados. Dos 397 brancos e tintos provados, Tapia selecionou apenas 46 para o guia. Lembrando que a maioria das amostras degustadas foram da safra de 2020, que foi bastante valorizada por aqui pelo seu clima.

Brancos e tintos brasileiros receberam duras críticas na edição 2021 do guia Descorchados 

Brancos e tintos brasileiros receberam duras críticas na edição 2021 do guia Descorchados  Foto: Fernando Sciarra/Estadão

Por outro lado, o crítico elogiou muito os espumantes brasileiros, que ele avalia desde 2014. O Descorchados nasceu como um guia chileno pouco mais de duas décadas atrás. Ao longo dos anos, incorporou os vinhos argentinos e, depois, os uruguaios. O Brasil entrou no guia com os espumantes; e três anos depois, em 2017, o crítico começou a avaliar nossos brancos e tintos.

A aposta nos espumantes brasileiros ficou clara no evento de lançamento do guia no Brasil, realizado na semana passada em São Paulo. Por três dias, o chileno conduziu 12 degustações temáticas, com poucos convidados provando os vinhos presencialmente, e transmissão pelos canais do YouTube. 

Na maioria dos painéis, o vinho tranquilo (ou seja, sem borbulhas) brasileiro apareceu de maneira tímida. Foram degustados dois brancos da vinícola Guaspari, da Serra da Mantiqueira (SP), o Vale da Pedra Branco (R$ 98) e o Vista do Bosque (R$ 162), os dois no site da vinícola, ou o Clarete 2020, da Era dos Ventos, que foi eleito o melhor tinto brasileiro do guia (R$ 199, na Familia Kogan Wines). Outro exemplo foi o recém-lançado Veste Amarela (R$ 95), um vinho laranja (quando a casca e o engaço de uvas brancas são fermentados junto com o mosto), elaborado pela vinícola Guatambu.

O vinho entrou no painel “Chardonnay, o novo super herói sul-americano”, que contou com o também brasileiro Cuvee Giuseppe (R$ 97,34, na Miolo). Mas os maiores elogios aos Chardonnays ficaram com exemplares argentinos, como o Otronia (R$ 602, na World Wine), projeto na Patagonia argentina, do dono da vinícola uruguaia Garzon, e o Edad Média, do Altar Uco (R$ 521, na Familia Kogan Wine); ou chilenos, como o Pizzaras, da Errazuriz (R$ 1.321, na Grand Cru), e o Tara, que a Ventisquero, elabora no deserto do Atacama (R$ 399,90, na Cantu).

Os espumantes primeiro ganharam um painel próprio, com a degustação de nove rótulos, de estilos diversos. Começou com o Ponto Nero Cult, elaborado pelo método charmat, aquele em que a segunda fermentação, que forma as borbulhas, acontece em grandes tanques fechados (R$ 59, na Casa Valduga). E foi ganhando complexidade, como a cuvée especial da Chandon (R$ 550, a garrafa magnum, na Chandon).

Os destaques foram os espumantes sur lie, como chama a técnica de deixar a levedura na garrafa, sem filtrar. Quatro dos vinhos do painel seguiam esta técnica, como o Pizzato Vertigo (R$ 119, na Vineria9.com.br), e o Gioia Nature Sur Lie (R$ 149,90, na Uvasevinhos.com.br), lançamento da Aurora. “É muito boa a diversidade do espumante brasileiro”, escreveu o crítico no guia. 

O espumante brasileiro entrou também na degustação de Pinot Noir, em que os grandes rótulos chilenos estavam presentes. Foi o Nature Rosé, que Estrelas do Brasil elabora apenas com a uva e que fica 40 meses em contato com as leveduras (R$ 125, na Estrelas do Brasil). Na edição impressa do guia, Tapia também destaca a qualidade dos nossos Moscatéis, apesar de não ter tido nenhuma prova com estes vinhos no lançamento do guia.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?