Paladar

Bebida

Bebida

Desatando nós

Por Cynthia Almeida Rosa

06 junho 2009 | 18:05 por lucineianunes

Ensei Neto não fez ioga em sua segunda degustação de cafés. Na nova aula, sobre as diferenças entre as regiões Mogiana (São Paulo) e sul de Minas, o consultor trouxe novamente grãos de microprodutores, desta vez da variedade Mundo Novo, também torrados por ele.

O primeiro café escolhido foi da região de Franca (SP), segundo ele um “típico mogiana”. Em seguida, Carmo de Minas (MG), representando as características mais marcantes de sua região, mais uma prova cega com doses de Três Pontas (MG) e Bragança Paulista (SP).

Para surpresa da plateia, os grãos de Bragança tinham características marcantes do terroir mineiro. “Quis mesmo confundir, dar um nó na cabeça das pessoas. Ficou provado que a mesma variedade, com a mesma altitude e método de secagem pode se comportar de modos diferentes, segundo a latitude”, ensina.

Ele explica ainda o motivo de ter escolhido o coador como método de extração. “Assim podemos ter toda a gama de sabores com mais nitidez. O expresso perde algumas notas pela alta pressão.”

Ficou com água na boca?