Paladar

Bebida

Bebida

Escolha a sua degustação on-line

Degustações virtuais aparecem como uma forma prazerosa de aproveitar a quarentena para aprender um pouco (ou muito) mais sobre brancos e tintos

22 de abril de 2020 | 05:00 por Suzana Barelli, O Estado de S.Paulo

Em um destes sábados de quarentena, recebi em casa quatro garrafinhas, numeradas de 1 a 4, cada uma com 60 ml de vinho branco, e uma outra garrafa de 750 ml encoberta em um charmoso saco de tecido. No horário combinado, a especialista Analu Torres, da importadora De La Croix, chamou os participantes por Skype e começou a degustação virtual

O convite, primeiro, era cheirar os quatro brancos e tentar identificar seus aromas, comparando as diferenças entre as taças. Depois, provar seus sabores e as percepções que despertavam no paladar, sua intensidade. E assim foi seguindo a degustação, com novos amigos se formando on-line. No final, a degustação durou quase a tarde toda. E ninguém conseguiu perceber que três dos quatro brancos era da mesma variedade, a muscadet, porém elaboradas de maneiras diferentes. Na hora da garrafa grande, que era de um tinto, ainda foi preciso decantar o vinho, sem revelar o seu rótulo, o que tornou a degustação ainda mais interessante.

Em tempo de isolamento social, a saída é se jogar nas degustações virtuais 

Em tempo de isolamento social, a saída é se jogar nas degustações virtuais  Foto: Tony Cenicola/NYT

Em outra ocasião, desta vez à noite, a sommelière Gabriela Monteleone, do grupo DOM, convidou dois produtores de vinhos de variedades criollas – aquelas trazidas pelos espanhóis no início da colonização sul-americana –, para participar de uma degustação dirigida de seus vinhos. Eram os argentinos Alberto Cecchin, que elabora vinhos biodinâmicos na região de Maípu, e Norberto Páez, agrônomo da Don Graciano, que faz pesquisa com variedades criollas nas regiões de San Martin e do Vale de Uco.

Também em uma plataforma virtual, os participantes estavam provando o mesmo vinho que a sommelière e aproveitavam para conversar com os dois produtores, em uma mistura de português com espanhol. Tinham a chance de, frente a frente na tela do computador, fazer suas próprias perguntas para aqueles que elaboraram o vinho, saber das dificuldades de recuperar vinhas antigas, dos seus estilos.

Foram duas degustações bem diferentes, a primeira mais descontraída, a segunda, um pouco mais técnica, mas rica pela conversa sobre o resgate das variedades pioneiras da América Latina. Poderia aqui citar vários outros exemplos destas degustações on-line, das aulas da Alexandra Corvo, da escola Ciclo das Vinhas, ou das conversas virtuais de Fernanda Fonseca, em sua Caixa de Pandora, na qual ela seleciona vinhos que gosta e aqueles que compraram o seu kit participam de um misto de conversa e degustação virtual. 

São todas propostas de lidar com o vinho de uma nova maneira, mostrando que este setor está aproveitando a quarentena para criar “novas experiências de consumo”, usando um termo que está tão na moda. Se não é possível mais fazer degustações presenciais, o caminho é pensar em temas que possam interessar as pessoas em suas casas.

É uma dinâmica diferente de uma prova presencial. Estas degustações aparecem como uma forma prazerosa de aproveitar a quarentena para aprender um pouco (ou muito) mais sobre brancos e tintos. E degustar em casa, com novos amigos virtuais, se torna uma opção de programa caseiro e com as vantagens de beber em casa, sem, por exemplo, precisar dirigir depois. 

Só vale lembrar que estes eventos exigem certo planejamento. É preciso comprar os vinhos selecionados antes (valem os aplicativos de entrega do vinho), deixá-los na temperatura correta  (em geral, indicada por quem organiza o evento) e providenciar as taças – que não precisam ser requintadas, como as badaladas Riedel –, mas é sempre bom que sejam de cristal, para a melhor apreciação do vinho. E não esquecer de baixar previamente o aplicativo de conversa virtual definido para a transmissão.

Informações

De la Croix – analu@delacroix.com.br

Gabriela Monteleone – notawinejournal@gmail.com

Ciclo das Vinhas – contato@alexandracorvo.com.br

Caixa de Pandora - pandoraexpvinho@gmail.com

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?