Paladar

Bebida

Bebida

Saca essa rolha

Isabelle Moreira Lima

Importadoras com aroma e sabor de pequeno produtor

Conheça duas importadoras de vinho que trabalham com rótulos até então inéditos por aqui, de pequenos e pouco conhecidos produtores

23 novembro 2016 | 19:30 por Isabelle Moreira Lima

Dois amantes do vinho que caíram nos encantos dos pequenos produtores resolveram hastear sua bandeira em São Paulo, trazendo rótulos antes impossíveis de garimpar no mercado, a partir de R$ 80. Coincidentemente, os dois têm ligações com a França e trazem do país seus ícones: o brasileiro Ulisses Kameyama, da Belle Cave, que vive há dez anos na França; e a francesa Stephanie Duchene, da Wine Exclusive, há quatro anos no Brasil. 

Da Belle Cave (bellecave. com.br), de Kameyama, pode-se esperar menos exuberância e mais elegância. Destacam-se o Champagne Louise Brison 2008 (R$ 325), que ataca com uma brisa de brioche graças aos seis anos que passa em contato com as leveduras, e tem perlage fino, fino, fino; e o Riesling Domaine Rominger Grand Cru Saering 2013 (R$ 285), que tem acidez redonda e aromas cítricos delicados com um toque mineral. Se você googlar, verá pouco sobre ele além de boas pontuações – nem site o produtor tem.

Da França. Stephanie Duchene, que trazia vinhos na mala, e seu Moulin Gimié Les Fossiles

Da França. Stephanie Duchene, que trazia vinhos na mala, e seu Moulin Gimié Les Fossiles Foto: Divulgação

Com 50 rótulos, a importadora, que traz ainda de Portugal e Itália, funciona em esquema caseiro – vende no site e por telefone e faz degustações no escritório de Kameyama. 

Já a Wine Exclusive (wine-exclusive.com.br) foca em rótulos e regiões pouco exploradas. “Comecei compartilhando o que trazia na mala com os amigos e despertando sua curiosidade”, conta Stephanie. 

Além das vendas avulsas, há duas opções de clube de vinhos, o taste-vin, por R$ 170 por mês, com dois rótulos de produtores de bom custo-benefício; e o amor pelo vinho, por R$ 250, com marcas mais conhecidas. A cada mês, o clube explora duas vertentes de uma denominação de origem francesa, com uma ficha técnica do local, além da dos vinhos. 

Riesling. O delicado alsaciano Domaine Rominger Grand Cru Saering 2013, da Belle Cave

Riesling. O delicado alsaciano Domaine Rominger Grand Cru Saering 2013, da Belle Cave Foto: Divulgação

A deste mês, por exemplo, é o Pays d’Oc, IGP francesa localizada no Languedoc-Rousillon. O destaque é o Moulin Gimié Les Fossiles (R$ 80 para os assinantes; R$ 100 para clientes avulsos), um corte de Syrah, Merlot e Mourvèdre, ultrapotente, cheio de sabor e taninos. 

 

Ficou com água na boca?