Paladar

Bebida

Bebida

Le Vin Filosofia

Suzana Barelli

Independência e vinho: o que você sabe sobre a vitivinicultura brasileira

Na semana do 7 de setembro e em tempos de aumento do consumo do vinho brasileiro, saber mais sobre os nossos vinhos deve ser uma tendência

09 de setembro de 2020 | 03:00 por Suzana Barelli, O Estado de S.Paulo

Você saberia responder quem foi o responsável por plantar os primeiros hectares de vinhedos no Brasil? Ou em que ano foram trazidas as primeiras uvas para cá e onde elas foram cultivadas? Ou ainda qual variedade ganhou evidência após a chegada dos imigrantes italianos?

Na semana em que se comemora a independência do nosso País e em tempos de aumento do consumo do vinho brasileiro, estas perguntas ganham relevância. Saber mais sobre os nossos vinhos deve ser uma tendência com o crescimento da participação de mercado dos rótulos brasileiros.

Várias empresas estão se preparando para disponibilizar mais informações sobre o vinho brasileiro, assim como o acesso a seus rótulos. Um exemplo são as três perguntas acima. Elas estão no jogo de cartas da edição de setembro do On & Off Wine (enocultura.com.br), um kit temático da escola Eno-cultura. O pacote deste mês traz também um vinho brasileiro (que deve ser degustado às cegas), um curso (online, claro) e uma camiseta, por R$ 255.

Empresas se preparam para disponibilizar mais informações sobre o vinho brasileiro, assim como o acesso a seus rótulos.

Empresas se preparam para disponibilizar mais informações sobre o vinho brasileiro, assim como o acesso a seus rótulos. Foto: Fernando Sciarra/Estadão

É no curso online onde está a resposta de que as primeiras mudas foram trazidas no ano de 1532 por Martim Afonso de Souza e plantadas na capitania de São Vicente; que Brás Cubas foi o primeiro viticultor brasileiro, ao plantar oito hectares de vinhas onde hoje é o bairro do Tatuapé, em São Paulo. E que a uva isabel teve o seu cultivo incentivado pelos italianos. Há cartas com perguntas mais atuais, porque a história da nossa viticultura não parou no tempo. O Vale dos Vinhedos, por exemplo, foi a primeira denominação de origem brasileira. A pergunta do jogo é em que ano esta denominação foi aprovada.

Na mesma linha de aproveitar o interesse dos brasileiros pelos seus vinhos, o e-commerce Wine colocou rótulos nacionais em três dos seus clubes de vinho deste mês. O WineBox Surpreendentes, por exemplo, traz dois rótulos da vinícola gaúcha Lídio Carraro, o Puro’s Merlot Cabernet Franc 2019 e o Puro’s Cabernet Sauvignon Marselan 2019. Na promoção, a assinatura mensal deste clube é de R$ 112,42.

Conforme a aceitação dos clientes, o e-commerce estuda lançar um clube focado em brancos, tintos e espumantes brasileiros. O plano se baseia na procura crescente por estes vinhos. Segundo dados da consultoria Ideal, dos 63 milhões de litros de vinho comercializados em julho, 75% foram de rótulos brasileiros, incluindo os vinhos finos, os de mesa e os espumantes. A Wine, ainda, aproveita a empolgação para trazer mais uma vinícola nacional, das 11 que já estão no seu portfólio. É a Luiz Argenta, de Flores da Cunha.

Outro exemplo é o projeto da sommelière Gabriela Monteleone para os clientes de uma rede de cartão de crédito, a Mastercard. Na escolha do tema para os vídeos didáticos e as lives, ela escolheu os rótulos brasileiros, chamando atenção para o seu ganho de qualidade. O foco da sommelière são os pequenos produtores, principalmente os que seguem o cultivo de menor intervenção. Vinícolas como a Era dos Ventos, que tem como destaque o resgate da variedade Peverella, trazida pelos italianos e quase desaparecida por aqui; ou Marina Santos, um dos vinhos biodinâmicos da Vinha Unna, são alguns dos destaques da profissional.

E, a propósito, o Vale dos Vinhedos é uma DO desde 2012, e outras seis estão a caminho. São cinco regiões no Rio Grande do Sul e uma em Santa Catarina que já são classificadas como uma indicação de procedência (IP), um passo importante em direção às DOs.  

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?

Tendências