Paladar

Bebida

Bebida

Só de birra

Heloisa Lupinacci

Mergulhe neste frutageist

Confira essa lista de cervejas feitas com frutas

25 fevereiro 2015 | 17:50 por Heloisa Lupinacci

A coisa veio numa sequência. Todas as cervejas desta página – exceto a Amazon Açaí Stout e a 2Cabeças Caramba!– foram lançadas do fim do ano para cá. E todas têm fruta. Coisa de zeitgeist. Ou frutageist.

A mais recente ainda nem chegou ao mercado. Feita com umbu da Caatinga, protegido pelo projeto Arca do Gosto, do Slow Food, ela será lançada no mês que vem. E ainda vem mais cerveja com fruta neste primeiro semestre. A Burgman lança, em abril, duas indias pale ale, uma com uvaia e uma com pitanga, e uma red ale com mangaba.

O perfil dessas cervejas é parecido. Elas são refrescantes e leves. A maior parte não tem nem 5% de teor alcoólico. E prevalece a base de saison, estilo belga marcado por uma leve acidez, por ser refrescante e ter notas frutadas e fenólicas – que são aquelas ligadas a especiarias. É para ressaltar o buquê frutado que entram as frutas.

Nesta rodada de cervejas com frutas só não são saison a Wensky Malina, que é uma witiber, e a Amazon Açaí, que é uma stout. Elas foram provadas por mim na companhia de Rene Aduan Jr., beer sommelier e professor da Academia Barbante.

FOTO: Fernando Sciarra/Estadão

COLORADO YBÁ-IA

Origem: Ribeirão Preto (SP)

Preço: R$ 27 (600 ml)

A receita colaborativa, desenvolvida pela Colorado, a gaúcha Tupiniquim e a norueguesa Nøgne, tem perfil mais belga e é a mais doce desta rodada. No nariz e na boca, é o malte que abre-alas, todo orgulhoso, amparado pela uvaia. O álcool é mais evidente (ela tem 6% de teor alcoólico). Um pouco mais de acidez e gás na cerveja convidariam a mais goles e ressaltariam o nome dela: ybá-ia quer dizer fruta ácida em tupi. Combina com chuleta de porco.

SAISON DE UMBU

Origem: Uauá (BA)

Preço: R$ 27 (600 ml)

A cerveja feita pela Experimento Beer será lançada na semana que vem, no 7º Festival do Umbu, em Uauá. Para comprá-la em São Paulo é preciso esperar o Eataly abrir – só vai vender lá. No nariz, ela não entrega muita coisa, aparecem só notas de malte bem discretas. Na boca, a acidez é o que mais se destaca, e faz pensar no umbu, principalmente no azedinho e no resinoso da casca. O final do gole é seco e deixa a boca salivando. Fácil de beber, combina com queijo coalho tostado.

WENSKY MALINA

Origem: Curitiba (PR)

Preço: R$ 13 (355 ml)

“Queria fazer uma cerveja bonita”, disse Luciano Wengrzinski, pelo telefone. Bingo! Liguei para ele logo depois de provar a Malina, que deixou exatamente essa impressão. Que cerveja bonita! E que equilibrada! Wengrzinski usa polpa de framboesa chilena na maturação. Nas próximas, vai usar framboesas de um produtor da região. A inspiração foram as fruit biers belgas, mas não muito. “Não queria que fosse doce daquele jeito que parece que você tomou guaraná light. Nem que tivesse aquele cheiro de fruta estragada”, diz o direto Wengrzinski. Nela, não falta elegância. A fruta está muito integrada ao malte e ao lúpulo. Dá para perceber sua presença, mas ela não grita. Combina com batata gratinada.

TUPINIQUIM FARMHOUSE ALE FRAMBOESA E AMORA

Origem: Porto Alegre (RS)

Preço: R$ 21 (355 ml)

Se a Wensky Malina é uma cerveja que faz exclamar sobre equilíbrio, essas Tupiniquins fazem exclamar: quanto estilo! São igualmente bonitas de olhar. A de amora tem um tom de amarelo levemente rosado, que lembra pêssego, e a espuma, densa, bem formada, tem um reflexo cor-de-cosa. No nariz, a fruta aparece com um toque de acidez e esquisitice que vem do uso de brett na fermentação. Na de framboesa, o tom ganha um brilho azulado, cor de violeta e, o nariz, a fruta aparece mais evidente. Na boca, elas são secas, ácidas e amargas e entre a acidez e o amargor ainda aparece uma nota salgada. São cervejas refrescantes, leves (têm 4,5% de álcool), mas são papo-cabeça. Combinam com um caldeirão de mariscos cozidos.

EISENBAHN SAISON

Origem: Blumenau (SC)

Preço: R$ 27 (500 ml)

Ela tem frutas vermelhas (morango, amora e framboesa) e pimenta rosa. Mas frutas não aparecem, nem na cor, nem no aroma, nem na boca. Quem brilha é a pimenta rosa, que está em evidencia já no nariz. Na boca, é ela também que dá o tom, principalmente no final do gole, que tem um toque adstringente, amadeirado, terroso, deixando a boca fresca e convidando a combinar a cerveja com comida. . O corpo é leve e faz falta um peso a mais. Combina com pirarucu com tucupi.

2CABEÇAS CARAMBA!

Origem: Serra Negra (SP)

Preço: R$ 21 (300 ml)

É uma saison clássica feita por dois craques no estilo, a norte-americana Stillwater e a cigana carioca 2Cabeças. A carambola dá um toque de acidez e alegria, um tempero solar. A acidez dá uma boa sensação de preenchimento na boca. Sazonal, ela está nas últimas garrafas – assim como a My Name is Zé, da 2Cabeças com a Brewdog. Ou seja, se quiser provar, é a hora. Combina com galetinho clássico.

AMAZON AÇAÍ STOUT

Origem: Belém (PA)

Preço: R$ 13 (355 ml)

Está aqui pelo pioneirismo e por ser “a melhor cerveja do Brasil” – ganhou o título no Festival Brasileiro da Cerveja, que acontece de novo agora a partir de 11/3, quando será a anunciada a nova melhor cerveja do País. O açaí parece estar na receita pelo que traz à estrutura da cerveja: neste caso, corpo e cremosidade. Não aparece no sabor, onde prevalecem as notas tostadas. Combina com picolé de leite condensado.

Ficou com água na boca?