Paladar

Bebida

Bebida

Nota de sabor, nota musical

Eles trouxeram o saci para confundir as sensações e colocar a plateia para testar a delicadeza dos vinhos e de sua própria sensibilidade. O que pode influenciar o sabor de um vinho e nossa percepção da bebida? Horta, saci e Heloisa. FOTO: Filipe Araújo/AE

01 julho 2012 | 11:02 por carlaperalva

Luiz Horta e Heloisa Lupinacci (foto), editores-assistentes do Paladar, propuseram sete brincadeiras e convidaram os participantes do 6º Paladar – Cozinha do Brasil a testar a sua sensibilidade e se deixar levar pelas sensações.

A brincadeira começa com duas taças pretas e a pergunta: qual é tinto, qual é branco? E um truque para confundir: o tinto foi servido gelado e o branco, a temperatura ambiente. Nosso hábito costuma indicar que o branco é gelado e a mudança de temperatura pode confundir o paladar e o olfato.

Depois, três taças do mesmo vinho tinto, ele morno, ele gelado, ele com a temperatura ideal. As conclusões: vinho quente tem o álcool ressaltado e é mais pesado; gelado, ele esconde suas características – boas e ruins.

Seguem-se as pegadinhas: o mesmo vinho em duas taças, uma servida da garrafa, outra do decantador. “O segundo está mais evoluído”, disse um dos participantes. Houve quem jurasse que eram vinhos completamente diferentes.

Temperatura, decantação, aeração. O que mais influencia o sabor do vinho? Pequenas variações de altitude, temperatura, solo e luz na vinícola, talvez. Junto com a dupla e o saci, os participantes degustadores foram testando sua percepção às alterações de cada vinho.

E o último desafio: associar bebidas a obras de arte. O espumante, “Samba de uma nota só″ e um quadro de Juarez Machado. O vinho Jerez, Dorival Caminho e quadros de Pancetti. Ou sensação estrategista e linhas expressionistas? E para você? A qual música e a qual imagem seu vinho preferido o remete?

Ficou com água na boca?