Bebida

Bebida

Le Vin Filosofia

Suzana Barelli

O serviço de vinhos no Natal, em cinco dicas

Sempre valem dicas para ajudar no serviço do vinho durante a ceia

22 de dezembro de 2021 | 03:00 por Suzana Barelli, O Estado de S.Paulo

Se o vinho ganhou protagonismo entre os brasileiros nestes dois últimos anos, não seria diferente no Natal. A ceia convida aos espumantes, aos brancos e aos tintos – alias, já convidava quando a bebida ainda tinha poucos consumidores por aqui, e ganha mais espaço agora que as pesquisas mostram o interesse crescente pela bebida do deus pagão Bacco.

+ Tintos, brancos e rosés: trinta vinhos para o Natal por até R$ 150

Com os novos consumidores chegando ao vinho, sempre valem dicas para ajudar no serviço do vinho durante a ceia. E, assim, tornar este jantar especial mais prazeroso. Confira: 

Vinhos para o Natal.

Vinhos para o Natal. Foto: Fernando Sciarra/Estadão

1. Não se prenda muito às regras clássicas de harmonização. Elas são importantes, é claro, mas as festas permitem certas exceções. Foque nas regras principais, de combinar pratos mais leves, como saladas e demais entradas, com vinhos também mais leves; e os pratos com mais estrutura, se a ceia tiver carne vermelha, por exemplo, com vinhos tintos. Mas não perca o humor se um dos convidados preferir combinar a sua salada de entrada com o tinto mais encorpado da sua seleção.

2. Mas se quiser acertar nas harmonizações, um bom conselho é prestar atenção também nos acompanhamentos. Uma receita com um molho agridoce vai pedir um branco aromático e quase doce; assim se o prato principal tem tem vinho tinto entre os ingredientes, é este mesmo vinho que deve combinar com o prato. Muitas vezes é um ingrediente, um sabor do acompanhamento que vai garantir a boa harmonização entre comida e bebida.

3.espumante é um bom parceiro para os jantares de Natal. Primeiro, com suas borbulhas, eles são a bebida das festas e das celebrações (por mais que possam, e devem, ser apreciados também em outras ocasiões de consumo) e convidam aos brindes. O segundo ponto é que a bebida combina com pratos mais gordurosos, devido a sua capacidade de, digamos, diluir esta gordura extra. Assim, eles são o par perfeito para pratos mais gordurosos, como as várias receitas com carne de porco da ceia. Além disso, combinam como poucos com as frituras.

 

4. Atenção à temperatura da bebida, ainda mais nas noites quentes de dezembro. Vale ter baldes com gelo para manter as garrafas resfriadas e até servi-las mais geladas e esperar que o vinho atinja a sua temperatura de consumo na taça. Ao contrário, se servir a bebida mais quente, não há o que fazer. As temperaturas mais altas tendem a destacar o teor alcoólico dos vinhos, escondendo os seus encantos. O exemplo mais fácil de perceber é com o vinho do Porto, por definição uma bebida com pelo menos 19% de teor alcoólico. Melhor servi-lo a 10 graus e ir percebendo a bebida abrir, do que servi-lo quente e ter a sensação de um vinho muito alcoólico.

5. Tente respeitar a ordem de serviço das bebidas. O ideal é que a ordem siga o crescimento da complexidade dos vinhos, começando com o espumante e os brancos leves, depois com brancos mais complexos, depois os tintos e, por último os vinhos de sobremesa.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?