Paladar

Bebida

Bebida

O veterano da jovem enologia brasileira é português

Miguel Ângelo Vicente Almeida deixou as vinhas de seu portuguesas ainda jovem para vir trabalhar nas vinícolas brasileiras

15 junho 2016 | 17:16 por Isabelle Moreira Lima

Aos 37 anos, o português Miguel Ângelo Vicente Almeida é o veterano da turma jovem da enologia brasileira. E como um estrangeiro entrou na seleção? Almeida defende o vinho feito no País com mais paixão do que muitos brasileiros e ainda fazia parte da equipe “sub-30” quando assumiu um dos projetos mais ambiciosos da Miolo, a Quinta do Seival, há quase uma década. Lá é responsável por 18 rótulos feitos com 16 castas (14 francesas, 2 portuguesas e 1 espanhola), um terço da produção do grupo Miolo.

O português Miguel já está quase a 10 anos na brasileira Miolo

O português Miguel já está quase a 10 anos na brasileira Miolo Foto: Divulgação

O engraçado é que, até 2003, não sabia que o Brasil produzia vinhos. Seu orientador da graduação veio ao País dar uma palestra e, ao voltar, sugeriu que ele tentasse um estágio no Rio Grande do Sul. Meses depois, Almeida desembarcava na Miolo.

Seu amor pelo Brasil é claro, e fica evidente que não suporta certo complexo de vira-lata nacional. “Brasileiro não gostar do que é brasileiro é algo que não entendo.” É também um defensor do vinho sem pompa, descomplicado, e discorda da terminologia natural. “O vinho é um ato humano. Natural é água. Sem o homem não tem vinho.”

Na Quinta do Seival, onde passa três meses do ano desde 2007, espera poder voltar a produzir o Sesmarias, editado nas vindimas excepcionais de 2008 e 2011. “Em 2011, eu ainda era muito temerário. Anseio por um grande ano”, diz ele, 17 vindimas no currículo.

Leia mais:

- Conheça a nova safra de enólogos brasileiros, na casa dos 20 e 30 anos, que querem trazer o vinho para o dia a dia sem frescuras

- A nova geração de enólogos do Velho Mundo também enfrenta desafios na hora de renovar

Ficou com água na boca?