Bebida

Bebida

Le Vin Filosofia

Suzana Barelli

O vinho para o panetone

Confira as melhores harmonizações para acompanhar o panetone e o chocotone

11 de dezembro de 2021 | 03:00 por Suzana Barelli, O Estado de S.Paulo

Qual é o vinho do panetone? O frisante moscato d’asti é a principal recomendação, segundo os guias de harmonização. Elaborado com a uva moscatel, na região de Asti, no Piemonte, este vinho italiano de pouco teor alcóolico, aromático e com uma doçura, digamos, refrescante acompanha a clássica sobremesa de Natal. Mas seria o único casamento gastronômico, ainda mais quando lembramos que, heresia ou não, o chocotone também pode ter um vinho para chamar de seu?

Qual é o melhor vinho do panetone?

Qual é o melhor vinho do panetone? Foto: Suzana Barelli

A melhor resposta vem com a prova prática. Lado a lado estavam dois panetones, o de frutas, da Padaria Tujuína, que venceu a a grande degustação de 2021 do Paladar, e o chocotone campeão, elaborado pela Iza e que tem toques cítricos em sua receita, degustados na companhia de seis vinhos.

Os escolhidos foram um espumante moscatel, um moscato d’asti, um espumante rosé demi-sec; um vinho de colheita tardia e dos vinhos do Porto, um da categoria Ruby, de notas de frutas vermelhas mais marcados, e o Tawny 10 anos, que remete às frutas secas.

Os seis vinhos foram escolhidos a partir do princípio básico da harmonização gastronômica na qual a doçura da bebida deve ser sempre igual ou maior a do doce. Ao contrário, quando a doçura da bebida é menor do que a da comida, o doce passa por cima do vinho, que fica aguado e quase desaparece no paladar. Para testar, basta servir um espumante brut, mais seco, com os bolos de casamento – aqui a sensação é que a bebida vira quase uma água levemente gasosa, pode apostar.

 “Com o panetone, normalmente macio e não muito doce, a melhor harmonização é por semelhança, de aromas e texturas”, afirma o especialista José Maria Santana, co-autor do livro Comida e vinho: harmonização essencial. Confira o resultado.

Espumante Casa Pedrucci Moscatel 

R$ 54, na Connect Vinhos

Com poucas borbulhas e as notas típicas de moscatel, dos aromas florais e da própria fruta, é um moscatel bem gostoso, leve, com pequena sensação de doçura no paladar. Mas para harmonizar com o panetone precisaria de um vinho com um pouco mais de corpo; já que o doce passa por cima do vinho. Com o chocotone, os dois vão em direções contrárias.

Espumante Casa Pedrucci Moscatel 

Espumante Casa Pedrucci Moscatel  Foto: Suzana Barelli

 

Moscato d’Asti Moncalvina 2018

R$ 273,46, na Mistral

O frisante do italiano Paolo Coppo, elaborado com a moscato bianco di Canelli, traz agradáveis notas de damasco e pêssegos e de frutas frescas, corpo leve e acidez e álcool baixos e certo dulçor. Foi uma grata surpresa com o panetone, com os dois combinando no paladar. Com o chocotone, o vinho perde a sua delicadeza, mas o toque cítrico faz uma leve ligação entre os dois.

Moscato d’Asti Moncalvina 2018

Moscato d’Asti Moncalvina 2018 Foto: Suzana Barelli

 

Espumante Victoria Geisse Moscato Rosé Demi-sec

R$ 115,90, na Grand Cru

De cor salmão, traz notas de frutas vermelhas, tem corpo leve, boa cremosidade e certo amargor final. Mas  faltou estrutura para o espumante frente aos dois panetones, e as suas notas de frutas vermelhas deixaram um sabor cansado no paladar.

Espumante Victoria Geisse Moscato Rosé Demi-sec

Espumante Victoria Geisse Moscato Rosé Demi-sec Foto: Suzana Barelli

 

Terrazas Petit Manseng Single Vineyard 2016

R$ 220, na LVMH

A variedade francesa dá origem a este vinho argentino de colheita tardia, com notas de frutas em compota (lembra doce de abobora com coco), boa cremosidade e frescor. O panetone destacou o frescor do vinho e as duas texturas, da comida e da bebida, combinaram. Com o chocotone, o chocolate da receita encobre o vinho.

Terrazas Petit Manseng Single Vineyard 2016

Terrazas Petit Manseng Single Vineyard 2016 Foto: Suzana Barelli

 

Porto Cerimony Ruby

R$ 81 , na Adega Alentejana

Típico Porto da linha de entrada da categoria ruby, com notas intensas de frutas vermelhas, e toque floral, boa acidez e doçura, equilibrado com o seu teor alcoólico mais alto. O vinho se sobrepõe ao panetone. Com o chocotone, os dois ensaiam um encontro, que quase acontece, mas não compromete. Iria melhor se a receita tivesse recheio de frutas vermelhas para fazer a ligação.

Porto Cerimony Ruby

Porto Cerimony Ruby Foto: Suzana Barelli

 

Porto Tawny Martha’s 10 anos

R$ 312, na Lusitano

Com aromas de amêndoas, frutas secas e caramelos, este Porto traz o estilo de um Tawny 10 anos, com boa cremosidade e álcool presente. Combina com o panetone, mas sem o encantamento do moscato d’asti. E casa com o chocotone, lembrando aqui que esta receita tem menos chocolate; deixando um textura gostosa no paladar.

Porto Tawny Martha’s 10 anos

Porto Tawny Martha’s 10 anos Foto: Suzana Barelli

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?