Paladar

Bebida

Bebida

Prepare a pipoca e leve o vinho para o cinema em casa

Seleção de filmes sobre o universo do vinho para se distrair, com uma taça na mão, durante a quarentena

01 de abril de 2020 | 03:00 por Suzana Barelli, O Estado de S.Paulo

Em um filme de 1962, o Muralhas do Pavor, os atores Vicent Price e Peter Lorre se enfrentam em um hilário duelo de degustação. Price segue todos os rituais para provar a bebida e identificar seu produtor e sua safra. Seu personagem, com todos os seus trejeitos, é a caricatura de um degustador.

 

  Foto: Divulgação

Lorre é um bêbado, que verte os vinhos sem pensar e, sem pompa alguma, também identifica produtor e safra, pede sempre mais um gole e comenta que o vinho é muito bom. Rever esta cena, uma das poucas divertidas neste filme de terror, baseado em contos de Edgar Allan Poe, é uma das pedidas deste período de quarentena.

Outra pedida é o filme Uncorked, que estreou recentemente na Netflix, com o nome de “Notas de Rebeldia”. O filme conta a história de um jovem negro (o ator Mamaoudou Athie), que sonha em estudar para ser master sommelier, mas é pressionado pelo pai para assumir o restaurante da família. Aqui, o vinho é o coadjuvante para uma complicada relação de pai e filho, e o roteiro dá boas pistas sobre a rotina intensa de estudos para obter um dos títulos mais cobiçados entre os profissionais do serviço do vinho.

Como personagem principal, mas na maioria das vezes, coadjuvante, o vinho tem espaço no cinema para os mais diferentes gostos. Nos filmes antigos, uma pedida é O ano do cometa, de 1992. Na comédia romântica do diretor Peter Yates, a heroína tem de escapar de um grupo de mercenários interessados em uma garrafa de 1811, o ano da passagem do cometa Halley.

Também antigo e difícil de ser encontrado é O segredo de Santa Vitória, de 1969, e que tem o ator Anthony Quinn como personagem principal. Ele é o bêbado da cidade, que acaba nomeado prefeito de uma cidade italiana que tem o desafio de salvar o vinho local dos nazistas.

Mais fácil encontrar em plataformas virtuais, como a Netflix, YouTube e GooglePlay ou mesmo em um DVD esquecido em casa, são os filmes a partir dos anos 2000. Sempre vale rever Sideways, entre umas e outras, de Alexander Payne que, em 2004, popularizou a Pinot Noir, com bons efeitos até hoje (na época, com o sucesso do filme, explodiu a venda de tintos elaborados com esta uva). Na comédia romântica, Milles leva o amigo Jack para conhecer os vinhedos da Califórnia, em uma viagem de despedida de solteiro.

Outra divertida comédia romântica é Um bom ano, de 2006. Nele, o ocupado investidor Max Skinner, vivido pelo ator Russel Crowe, recebe um vinhedo de herança, com a morte de seu tio, e acaba relembrando boas histórias de sua infância.

Nos documentários, um divisor de águas é o filme Mondovino, de 2005, do polêmico Jonathan Nossiter. Produzido entre Argentina, França, Itália e Estados Unidos, o filme levanta a bandeira dos pequenos produtores e dos vinhos elaborados sem os produtos de síntese, como os agrotóxicos.

Fez muito mais sucesso do que o segundo filme sobre vinhos do diretor, o Natural Resistance, que eu pessoalmente gosto mais. Filmado em 2014, conta a história de pequenos produtores de vinho que seguem a filosofia da elaboração natural.

Há duas histórias importantes no mundo do vinho, que ganharam seu próprio filme. A primeira é Bottle Shock, de 2008, que romantiza sobre a história do Julgamento de Paris. O evento é um marco real na história do vinho e tem o mérito de reconhecer a qualidade do vinho norte-americano. Na história real, o inglês Steven Spurrier, então dono de uma loja de vinhos em Paris, organiza uma prova às cegas (sem saber o que está provando) com brancos e tintos franceses e norte-americanos. E os vinhos da terra do tio Sam são os mais bem avaliados.

Sour Grapes, de 2016, conta a história do indonésio Rudy Kurniawan, que falsificava garrafas de vinho e acabou condenado por isso.

Imperdível é a série Somm, abreviatura de sommelier, que já conta com três filmes. O primeiro, de 2013, traz o dia a dia dos candidatos ao título de Master Sommelier. O documentário deixa claro a dificuldade para conseguir o título e como é o dia a dia da competição. O Somm 2 foca mais na produção de vinho e o Somm 3, no mercado.

Outro bom filme é Red obsession, de 2012. Narrado por Russell Crowe, conta como os chineses começaram a gostar de vinhos.

 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?

Tendências