Paladar

Bebida

Bebida

Saúde! Ou, za zdorov!

Não precisa ser no 'vira'. Melhor é beber aos goles, deixando que ela vá penetrando nas células. Ou, como James Bond, na forma de martíni

12 agosto 2010 | 09:16 por Helena Mattar

Especial para o Estado

Bebida tão alcoólica desce melhor gelada. E aos poucos. Não tente tomar tudo num gole só - a menos que seu nome seja Yuri ou que por suas veias corra sangue russo ou polonês, para quem brindar sem virar o copinho de uma vez só é falta de educação.

Bebendo com calma, a baixa temperatura da bebida contrasta com o calor da garganta e do estômago. A boa vodca esquenta, porém de uma maneira agradável. Se queimar, fuja. Você deve sentir suas papilas gustativas revigoradas, e não ardidas.

Antes de começar a provar vodcas, esqueça tudo que aprendeu sobre vinhos. O elevado teor de álcool torna a análise mais difícil: os aromas são muito sutis e, às vezes, até inexistentes. Tradicionalmente, as mais neutras são as russas. As polonesas e as escandinavas remetem a erva-doce, cominho ou cítricos. Mas isso está mudando. Para liberar os aromas, é preciso agitar levemente o copo, sem chacoalhar.

Se tiver dificuldade de sentir o aroma, coloque um pouco de vodca no pulso, como se fosse um perfume. A sugestão é da professora da Anhembi Morumbi Ana Paula Montesso, dona da Zimmbro, empresa que dá consultoria a bares. "O álcool evapora e deixa apenas os aromas", diz.

Já Márcio Silva, engenheiro químico e consultor da Cia. Tradicional do Comércio, aconselha cheirar as costas da mão para "limpar o olfato" antes de cheirar a bebida. Tanto no copo quanto no pulso, o odor do álcool deve ser forte, mas se irritar o nariz e os olhos, é de má qualidade.

Segundo o jornalista britânico Stuart Walton, autor do livro Vodka Classified - A Vodka Lover’s Companion, o ideal édar pequenos goles e não deixar a bebida por muito tempo na boca. "Vodcas de qualidade têm uma textura macia, são suaves e com o álcool integrado à sensação residual na boca, sem ser grosseiro."

Aguinha que pássaro russo não bebe

Harmonizando. Se você entrar em um bar russo e não souber o que pedir, diga zakuski. Assim que pronunciar essa palavra, prepare-se para receber pequenas porções de carnes, peixes ou legumes. Serão bem salgados, em conserva ou defumados. Nada mais adequado para combinar com eles que um copo de vodca. "Os excessos de sal e de acidez que matariam qualquer outra bebida, encontram suporte na força da vodca", diz Stuart Walton.

À mesa, vodca e pratos pesados e gordurosos são o par perfeito. A bebida quebra a gordura que, por sua vez, suaviza os efeitos do álcool. Sobremesas vão bem com vodcas com sabor de frutas ou baunilha. Os russos aromatizam suas vodcas guardando-as com limão e açúcar ou ameixa.

 

DE SHOT EM SHOT

Smirnoff Black

Lote artesanal da marca. Feito com um blend de trigo e cevada maltada. Na boca, especiarias (R$ 50)

Ketel One

Holandesa, criada em 1691. Feita de trigo, Tem aroma sutil de erva-doce e, na boca, é sedosa (R$ 135)

Cîroc

Francesa, feita com uvas. É destilada cinco vezes. Aroma de limão siciliano. Na boca, frutas cítricas (R$ 145)

Absolut

Sueca, feita de trigo. Aroma doce, sabor herbáceo. Leve, mas com um final forte e adocicado (R$ 55)

Belvedere

Polonesa, de centeio, destilada quatro vezes. Tem aromas de caramelo e nozes. Corpo médio (R$ 150)

Grey Goose

Francesa, de trigo. Tem aromas de especiarias, maçã, baunilha e anis. Final curto (R$ 145)

 

Caviar com champanhe é chique, com vodca é bom

Se tiver a sorte de conseguir um pote de caviar de verdade – beluga, sevruga ou osetra –, não vá estragá-lo harmonizando com a bebida errada. Caviar com champanhe é imbatível no quesito luxo. Mas na boca, a parceria preferida pelos franceses é prejudicial à bebida: sal e vinho são velhos inimigos. Já o impacto forte, puro e macio da vodca sobre o sabor intenso e salgado das ovas é uma das melhores combinações gastronômicas possíveis. É como se a pureza da vodca limpasse o palato para o caviar.

Ficou com água na boca?