Paladar

Bebida

Bebida

Le Vin Filosofia

Suzana Barelli

Um vinho para cada perfil de pai

Dia dos Pais é uma data clássica para presentear com vinhos. Dois especialistas indicam sugestões de rótulos para diferentes estilos de pai, om preços de R$ 55 até 160

05 de agosto de 2020 | 05:00 por Suzana Barelli, O Estado de S.Paulo

Dia dos Pais é uma data clássica para presentear com vinhos. Seja uma garrafa para acompanhar o almoço, agora virtual, em família; seja como um presente, o vinho é uma boa escolha para a data.

Mais: na diversidade de estilos, aromas e sabores do mundo do vinho, sempre há uma garrafa que combina com o estilo de cada pai. Daquele Cabernet Sauvignon perfeito para acompanhar um churrasco a um espumante mais envelhecido, para pais que gostam de conversar com os filhos enquanto apreciam um bom vinho. E até o Porto para um charuto. 

Para ajudar nesta escolha, definimos quatro estilos de pais: o tradicional, o companheiro, o descolado e o sofisticado. E pediu para dois especialistas indicarem vinhos para cada um destes pais. Ao todo, são 16 opções de rótulos como sugestão de presente, com preços de R$ 55,90 (o brasileiro Fausto, da Pizzato) até 164.

Um vinho para cada perfil de pai

Um vinho para cada perfil de pai Foto: Fernando Sciarra/Estadão

Pai tradicional

“Penso em pais que gostam das uvas mais clássicas, de vinhos com mais taninos e de um bom churrasco”, afirma Keli Bergamo, coordenadora da escola de vinhos The Wine School. Suas sugestões são o rótulo uruguaio Puerto Carmelo Tannat/Cabernet Franc, da vinícola Narbona (R$ 92,40, na Inovini) e o brasileiro Fausto Cabernet Sauvignon, da vinícola Pizzato (R$ 55,99, no Pão de Açúcar)

André Monteiro, dono do Clube Maluco por Vinhos, que seleciona rótulos apenas das pequenas importadoras, sugere o argentino Crios Malbec (R$ 75, na Cantu) e o Tobelo Rioja Crianza (R$ 164, na Winelovers). “Qualquer paizão tradicional sabe da história e da qualidade de um Rioja”, afirma ele. 

Pai companheiro 

Aquele pai que é o “amigão” aceita provar rótulos diferentes, porque confia nas indicações do filho e até bebe um vinho, sem prestar muita atenção ao rótulo porque o que vale é a companhia. Para estes pais, Keli aposta no Jerez Sánchez Romate Fino Perdido (R$ 149, na Belle Cave) e no chileno Las Veletas Estate País 2018 (R$ 80, na Edega), elaborado com a pouco valorizada uva País.

“Acredito que os melhores vinhos devem ser abertos com os melhores amigos”, afirma Monteiro. Assim, suas indicações são o espumante Blanc de Blanc da Cave Geisse, um dos bons exemplares brasileiros, com 36 meses de contato com as leveduras (R$ 134, na Cave Geisse) e o descompromissado branco sul-africano Klein Kloof Chenin Blanc (R$ 69, no Portodivino

Pai moderno 

Descolado, este pai gosta de descobrir novidades e tendências. “Os chamados vinhos laranja e os espumantes com muito tempo de autólise, que é o contato com as leveduras, são atraí-lo”, acredita Keli. Ela sugere o espumante brasileiro Estrelas do Brasil Extra Brut Trebbiano, que passa 48 meses em contato com as leveduras (R$ 95, na Estrelas do Brasil) e o Macerao, um vinho laranja, elaborado com a uva moscatel de Alexandria pela chilena Luis Felipe Edwards (R$ 59,90, no Obá Hortifruti).

Monteiro, por sua vez, pensa no Cabernet Sauvignon Reserva, da brasileira Casa Marques Pereira (R$ 69, na Casa Marques Pereira), e no Esprit Rose, da Domaine du Tour Campanets (R$ 159, na Belle Cave). “São vinhos para pais que aceitam o desafio de provar vinhos de pequena produção, como este brasileiro, e que desfruta os bons rosés da Provence”, afirma o especialista.  

Pai sofisticado 

Keli pensa em um cru de Beaujolais, os vinhedos mais nobres desta região francesa, ainda não contaminados pela inflação dos preços dos vinhos e, também em um clássico vinho do Porto. “Gosto de Porto em todos os momentos, inclusive para o final de uma refeição festiva”, afirma ela. Suas escolhas são o Château de Nervers Brouilly (R$ 119,20, na World Wine) e o Taylor's Fine Tawny (R$ 109, na Qualimpor).

“Espumantes e bons Pinot Noir são sinônimos de sofisticação”, afirma Monteiro. Sua relação traz o espumante Brut Rosé Villaggio Grando, elaborado pelo método tradicional em Santa Catarina (R$ 69, na Villaggio Grando) e o Halstead Pinot Noir Monterey (R$ 141,55, na Winelovers). 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?

Tendências