Paladar

Bebida

Bebida

Só de birra

Heloisa Lupinacci

Uma cerveja machadiana

A cerveja Capitu é fruto da parceria de Frederico Ming e Marcelo Holl Cury

05 novembro 2014 | 17:06 por Redação Paladar

Por Raphael Rodrigues

Especial para o Estado

Com o nome inspirado em um ícone da literatura brasileira, a célebre personagem dos olhos de ressaca de Dom Casmurro, de Machado de Assis, a cerveja Capitu é fruto da parceria de dois amigos antigos: Frederico Ming e Marcelo Holl Cury, que se conheceram na faculdade de arquitetura.

A história começou em 2009 na Alemanha, num trem. Foi quando Ming descobriu as possibilidades do lúpulo e a arte de fazer cerveja em casa com o alemão Heinz Bier. Depois de alguns anos e muitas receitas e litros gastos em testes, a Capitu chega, enfim, aos pontos de venda de São Paulo.

Capitu. Com desenho feito sob medida, a taça recebe a tilted barn e amber ale, novas cervejas que chegam agora ao mercado. FOTO: Divulgação

 A estreia da marca no mercado vem em dois estilos, ambos vendidos em garrafas de 600 ml: a Capitu Amber Ale (6,2% de teor alcoólico; IBU – indíce de amargor – 28) e a Capitu Tilted Barn (5,1% de teor alcoólico; IBU 20).

“Tivemos um longo caminho, em que começamos a absorver e pesquisar a arte de fazer cerveja, desenvolver nossas receitas e entender como funciona cada etapa. Fazer cerveja até que é fácil. Dominar o processo, controlar o resultado dentro do esperado, do projetado, com certa frequência é outra coisa”, diz Frederico Ming.

A gastronomia é um dos principais motores para as criações da dupla de cervejeiros. “Adoramos cozinhar, misturar ingredientes de maneiras específicas para chegar em sabores, aromas, texturas e cores de um prato imaginado. E a cerveja é um dos ‘pratos’ mais refinados, trabalhosos e antigos que a humanidade já criou.”

Percurso. A trajetória da Capitu é considerável, tendo merecido atenção no universo cervejeiro.

Uma cerveja com pimenta muito elogiada e uma english oatmeal stout, vencedora de um tradicional concurso para cervejeiros caseiros, os chamados home brewers, fazem parte dessa história, que tem agora um novo capítulo com seu aguardado lançamento oficial.

A Capitu entra no mercado no modo cigano de produção: sem uma planta fabril própria, as duas primeiras receitas agora lançadas foram preparadas na cervejaria Dádiva, na Serra dos Cristais, perto de Jundiaí, no interior de São Paulo.

Ming e Cury, arquitetos de formação, resolveram ainda criar a própria taça, da forma mais artesanal possível, utilizando a técnica de vidraria de sopro. “Desenhar uma taça específica para a cerveja a ser degustada é um projeto que valoriza o produto e dá destaque aos aromas e sabores que a boa bebida tem para revelar”, diz Ming.

O lançamento será no dia 15, no Festival de Comidinhas, com a venda das cervejas em copos de chope. Depois, as garrafas serão distribuídas em São Paulo – na capital e no interior.

SERVIÇO – FESTIVAL DE COMIDINHAS

Onde: R. Estados Unidos, 1.626, Jardins

Quando: 15/11, a partir das 13h

Quanto: Entrada gratuita

Chope Capitu será vendido por R$ 12

Ficou com água na boca?