Paladar

Comida

Comida

A nova crítica gastronômica

24 setembro 2014 | 19:13 por redacaopaladar

Não muitos anos atrás, a função de crítico de restaurantes estava circunscrita aos grandes veículos de comunicação. O especialista dava suas opiniões, a audiência acolhia. Hoje, com os meios digitais, com a auto-publicação, com as redes sociais, todos podem dar seus palpites, narrar suas experiências, divulgar suas escolhas.

FOTO: Felipe Rau/Estadão

Diante desse novo quadro, como fica o papel da crítica gastronômica? Foi com esta pergunta que a editora do Paladar, Patricia Ferraz, abriu o debate que marcou o encerramento do 8º Paladar Cozinha do Brasil, na noite de domingo. Para uma plateia curiosa e atenta, Luiz Américo Camargo (Paladar), Josimar Melo (Folha de S. Paulo), Arnaldo Lorençato (Veja SP), Ailin Aleixo (Gastrolândia), Ana Carolina Lembo e José Luiz Soares (Do Pão ao Caviar) e Rebeca de Moraes (SP Honesta) discorreram sobre o sentido de atuar como crítico num panorama em que praticamente todo mundo pode se comportar como crítico. Entre concordâncias e discordâncias, algumas impressões parecem ser consenso.

Entre elas, o fato de que, com tanto conteúdo disponível, diante do apelo sedutor do Instagram e de outras ferramentas tão ao gosto do público foodie, caberá ao consumidor separar o que é informação confiável, o que é mera crônica mundana. Josimar Melo, por exemplo, vê com ceticismo o uso da internet (“um veículo sensacional, mas capaz de potencializar o pior do ser humano”) na construção de uma nova consciência crítica. Ele defende que a avaliação cabe sempre ao expert, que se preparou para analisar pratos e restaurantes.

Arnaldo Lorençato, por sua vez, acredita que as redes sociais favorecem a criação de uma cultura de opiniões extremadas, sempre em busca “do melhor” e “do pior”, embora considere importante saber os gostos e opiniões da audiência, em canais de expressão como os prêmios do júri popular da Veja. “Mas é importante duvidar dos extremos”.

Ailin Aleixo ressaltou outro aspecto das opiniões mais radicais: “Criou-se um mito de que quem fala mal das coisas é corajoso; quem fala bem, é vendido”. Já para Luiz Américo Camargo, a função contemporânea do crítico tem a ver, antes de tudo, com curadoria: em meio a um turbilhão de fontes, de textos e imagens publicadas nas mais variadas plataformas, cabe ao especialista apontar o que realmente vale a pena. O crítico, assim, assume a tarefa de zelar pelas papilas e pelo estômago do público apontando o que realmente vale a pena.

Outra constatação compartilhada pelo grupo foi sobre o método de trabalho: a boa crítica paga suas contas, é criteriosa, estudiosa, nunca se expressa com uma única visita e se preocupa com a checagem de informações e com a prestação de serviços ao leitor. Se, apesar disso, perfis no Instagram, blogs e afins tendem mesmo a ocupar os espaços do colunismo especializado, é algo ainda difícil de afirmar. Tal qual no jornalismo em geral e em outros âmbitos da comunicação, a cobertura de gastronomia parece ainda em busca de uma nova ordem. Caberá ao leitor determinar o que realmente será relevante.

>>Veja a cobertura completa do Paladar Cozinha do Brasil 2014

Ficou com água na boca?