Paladar

Comida

Comida

Chefs fazem petição contra proibição do foie gras em São Paulo

A Associação dos Profissionais de Cozinha fez uma petição em defesa do foie gras e está colhendo assinaturas para pressionar o prefeito de São Paulo a vetar o projeto de lei que proíbe a produção e a comercialização de fígado gordo de pato e ganso na cidade de São Paulo. O projeto passou na Câmara e depende da sanção de Fernando Haddad.

27 maio 2015 | 18:00 por redacaopaladar

Interdição. Projeto de lei proíbe a venda do produto. FOTO: Fernando Sciarra/Estadão

Se a proibição passar, não é só o foie gras que vai sumir dos cardápios e empórios especializados. Desaparecerão também o magret (o peito de pato gordo) e o confit (método de conservação da coxa de pato na gordura da ave), pois ambos dependem do pato gordo. São Paulo tem dois produtores de foie gras, Agrivert e Chez Pierre, ambos no interior. E, curiosamente, quem mais consome foie gras na capital não são restaurantes franceses. São os japoneses.

LEIA MAIS:

+ Em defesa do foie gras

+ Autor de projeto de lei que proíbe foie gras fala na TV Estadão

+ Proibição da venda de foie gras é suspensa na Califórnia

O que os produtores, chefs e simpatizantes do movimento defendem, além do foie gras, é o direito de decidir o que comer. Segundo o manifesto, a crueldade contra as aves pode ser impedida com a regulamentação da produção do foie gras, como ocorre na França e nos outros países criadores, onde os métodos são estabelecidos por lei.

As estrelas da gastronomia paulistana assinaram a petição que já conta com quase 100 assinaturas.

A decisão do prefeito ainda não foi publicada no Diário Oficial, mas o Paladar apurou que a proibição não deve passar: o prefeito Fernando Haddad deve vetar a lei. A justificativa é simples: não é papel do poder municipal legislar sobre gêneros alimentícios. Isso é papel do governo federal.

>>Veja a íntegra da edição do Paladar de 28/5/2015

Ficou com água na boca?