Paladar

Comida

Comida

Colheita na mata a uma hora do caos da cidade

Em uma hora de carro, saindo do bairro do Limão, chega-se a Mogi das Cruzes. Poucos minutos mais, pela Estrada do Beija-Flor, e chega-se ao que parece outro mundo. Descortinam-se os mares de morros da Serra do Mar e da Serra do Itapeti. É ali que Alexandre Sousa Franco cuida de 350 pés de cambuci. “Tinha uma árvore velha aqui perto. Aí resolvi fazer muda”, diz ele, que começou a colher os frutos do que plantou há nove anos. Hoje, vive da venda do cambuci.

22 julho 2015 | 19:10 por joseorenstein

Bem perto de sua casa, em meio à Mata Atlântica, Alexandre mantém pomares com árvores que passam dos três metros. O técnico agropecuário do Instituto Auá Hamilton Trajano, que ajuda produtores em diversos municípios paulistas, conta que o cultivo de cambuci funciona como uma transição para a mata. “O cambuci, aqui, está disputando com pasto e eucalipto. O que estamos mostrando é que ele pode ser mais rentável – sendo sustentável”, diz. O cambucizeiro é nativo da Mata Atlântica e pode dar 200 quilos de fruta por safra.

O produtor Alexandre Sousa Franco cuida sozinho de 350 pés de cambuci. FOTOS: Tiago Queiroz/Estadão

Na propriedade de Alexandre, a safra está no finzinho, estendida: geralmente, o cambuci dá de fevereiro a junho. Ele avista um graúdo disco voador verde, na ponta de um ramo, e colhe o fruto carnudo e aromático. “O certo mesmo é pegar do chão, logo que cai – e de manhã, antes que esquente. Senão preteja demais, muito rápido.” Quando o cambuci está no ponto ele ainda é verde, mas fica levemente amarelado e com a carne mais macia.

LEIA MAIS

+ Parece disco voador. Mas é fruta nativa

Alguns produtores atuam também como beneficiadores. Alexandre já produziu licor e cachaça, mas hoje se concentra na venda do fruto e de mudas. Ainda guarda, contudo, um belo pote com aguardente de cambuci, que ele tira, orgulhoso, de uma pequena sala.

Transparência

No arranjo produtivo estabelecido pelo Instituto Auá, os beneficiadores (que lavam, congelam e embalam) pagam até R$ 3 por quilo junto aos produtores. O Empório Mata Atlântica, braço do Instituto Auá que faz a distribuição, compra por R$ 5 o quilo e vende a R$ 10 para a indústria e supermercados, a R$ 12 para estabelecimentos gastronômicos e de R$ 15 a R$ 18 para o consumidor final. “Por ser um negócio social, todo o lucro é revertido na cadeia produtiva”, diz o gestor do Instituto Auá, Gabriel Menezes.

Neste ano, foram colhidas 20 toneladas de cambuci. Nem tudo foi vendido, mas a fruta é bem conservada congelada. Para o ano que vem, espera-se colher e processar de 50 a 60 toneladas de cambuci.

>>Veja a íntegra da edição do Paladar de 23/7/2015

Ficou com água na boca?