Paladar

Comida

Comida

Prato-cabeça

Roberto Smeraldi

Comida é problema ou solução em tempos de isolamento doméstico?

Cozinhar se revela uma grande saída criativa para enfrentar a angústia do isolamento

21 de março de 2020 | 08:00 por Roberto Smeraldi, O Estado de S.Paulo

Cozinhar em casa é a maneira mais sustentável e segura para enfrentar a pandemia. Sim, receber entrega de comida pode ajudar, mas não resolve o problema, pois para as cozinhas funcionarem precisa de pessoas, trabalhando juntas.

Lembremos: o principal objetivo não é apenas aquele de se safar da infecção individualmente, mas sim o de controlar o fenômeno socialmente. Só assim poderemos voltar a uma vida normal e limitar o prejuízo econômico, que atinge também os que não se infectam.

Cozinhar é mais do que uma opção de lazer: contribui para o equilíbrio psíquico

Cozinhar é mais do que uma opção de lazer: contribui para o equilíbrio psíquico Foto: Tony Cenicola

Cozinhando em casa se reduz o risco social, pois mesmo nos países que já atingiram o pico da crise, o único comércio que segue liberado é o de alimentos. E uma compra semanal é suficiente para qualquer contexto familiar, se bem aproveitada, o que reduz expressivamente o volume de contatos em relação a qualquer outra opção.

Ao mesmo tempo, nos países que se anteciparam nas medidas mais restritivas, cozinhar se revela uma grande saída criativa para enfrentar a angústia do isolamento, quando não da solidão. A Administração de Saúde federal dos EUA alertou semana passada – e o New York Times deu destaque ao tema – que os impactos da inação na solidão são equivalentes aos de 15 cigarros/dia, em termos de morbidade e mortalidade induzidas: inclusive baixando a imunidade que limita os impactos da doença.

A última coluna do Fernando Reinach dá um um bom retrato dos riscos. Permitir-se o luxo de cozinhar - em tempos em que não se pode viajar, sair na balada, ir a um cinema ou sequer passear no parque - é mais do que uma opção de lazer: contribui para o equilíbrio psíquico essencial na condição vindoura, de vulnerabilidade emocional por reclusão.

E como cozinhar, nesse quadro? Sabemos que o tempo é um dos principais ingredientes da boa comida, cuja escassez muitas vezes vira a principal razão para as pessoas deixarem de cozinhar. De repente, torna-se abundante: mesmo que possamos trabalhar ou estudar de casa, passaremos bom tempo em proximidade de nosso forno e fogão. Além disso, temos de alongar a vida útil dos ingredientes frescos, transformando os mesmos em preparos de média duração.

Mundo afora volta assim de moda o chamado pantry cooking, algo como "cozinha de despensa", que valoriza o pré-preparo de molhos, caldos, conservas, bases... tudo aquilo que pode dar opções de diversidade e que requer presença perto do preparo ao longo do tempo.

É o momento daquela costela de cozimento no bafo, do porco confitado em baixa temperatura, daquela carne de panela de que se perdeu a memória desde a infância, das quiches de vegetais e queijo, das batatas coradas com a crostinha pra lá de dourada. Deixar borbulhar por 5 horas um caldo de ossos ou vegetais vira tarefa simples para quem fica em casa.

Que tal preparar pestos de ervas e deixá-los num vidro cobertos de azeite para uso ao longo da semana? Ou uma base de feijoada a ser porcionada e congelada, para se resgatar depois com um arroz e couve feitos na hora? Aliás, sabem de que me deu vontade agora? Daquele saboroso arroz cateto integral que demora uma hora pra cozinhar...

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?