Paladar

Comida

Comida

Feira Sirha anuncia fim no Brasil e cancela 4ª edição em São Paulo

Feira de negócios abrigava a competição Bocuse d'Or, que não deixa de existir; Academia Brasil d'Or quer treinar cozinheiros também para outros concursos

02 novembro 2018 | 15:04 por Ana Paula Boni

Depois de ter desembarcado com barulho no Brasil, em 2015, a feira de negócios Sirha, do ramo de alimentos e bebidas, não será mais realizada no País. Após duas edições no Rio e uma em São Paulo, a quarta edição, que seria em março de 2019 no São Paulo Expo, foi cancelada.

É dentro do Sirha que acontecia o renomado concurso Bocuse d’Or, considerado a Copa da gastronomia, criado em 1987 por Paul Bocuse, um dos fundadores da nouvelle cuisine e morto neste ano.

Isso não quer dizer, no entanto, que a competição deixa de existir por aqui. Assim como fazia o francês Laurent Suaudeau quando o Sirha não era realizado no Brasil, o comitê brasileiro vai continuar fazendo a competição (em local ainda não definido) com jovens talentos da cozinha para enviar seu representante a Lyon.

Coincidentemente, pouco mais de um mês atrás a equipe por trás do Bocuse d’Or no Brasil formalizou a criação de um instituto sem fins lucrativos para cuidar do concurso, a Academia Brasil d’Or.

Giovanna Grossi, quando competiu no Bocuse d'Or de Lyon, em 2017

Giovanna Grossi, quando competiu no Bocuse d'Or de Lyon, em 2017 Foto: Marcela Terra

"Quando a GL chegou ao Brasil, ela já ajudava a gente nos treinos, mas pedia para a gente criar a academia para dar continuidade ao trabalho. Nunca foi uma obrigação da GL para criarmos uma academia, mas eles sabiam que era importante para a feira (Sirha) o concurso (Bocuse d’Or) estar bem”, conta Giovanna Grossi, atual presidente da Academia. Foi ela quem venceu o Bocuse d’Or em sua primeira edição no Brasil, em 2015, no Rio, e representou o País em Lyon em 2017. No rol de competidores que o Brasil já enviou estão também nomes como o chef Jefferson Rueda (A Casa do Porco).

Em janeiro de 2019 em Lyon quem defenderá a bandeira brasileira será o chef Luiz Filipe Souza (do Evvai), que venceu as etapas nacional e latina neste ano e está desde setembro treinando numa sala da universidade Anhembi Morumbi.

Segundo Giovanna, o Bocuse d’Or e sua etapa nacional são o principal foco da Academia Brasil d’Or, mas a ideia é estender treinamento para jovens cozinheiros disputarem outras competições, como acontece em institutos em outros países, como a Bélgica.

“Temos a intenção de pegar outros concursos, como o S.Pellegrino (Young Chef), que também é bom. Queremos treinar candidatos e ajudar o Brasil. Nossa ideia é realmente fomentar a gastronomia e representar bem o Brasil lá fora”, completa Giovanna, que já vem tendo conversas com órgãos como Embratur, Apex e Sebrae para futuros apoios.

O vencedor da etapa nacional do Bocuse d'Or deste ano, Luiz Filipe Souza, ao lado do francês Daniel Boulud, jurado da competição.

O vencedor da etapa nacional do Bocuse d'Or deste ano, Luiz Filipe Souza, ao lado do francês Daniel Boulud, jurado da competição. Foto: Ana Paula Boni|Estadão

Feira de negócios

Em nota, a multinacional francesa GL Events, responsável pela feira Sirha, afirmou que, “diante das atuais condições econômicas do mercado brasileiro, tomou a difícil decisão de descontinuar o Sirha São Paulo”. Além do Bocuse d’Or, sai da alçada da feira também a competição de confeitaria Coupe du Monde de la Pâtisserie.

A decisão da GL não afeta outras feiras de seu portfólio, como o Mondial de la Bière, que neste ano chegou à 6ª edição no Rio e à 1ª em São Paulo. A descontinuação do Sirha no Brasil também não afeta a realização do Sirha em outros países, como a própria feira de Lyon, na França.

“A GL events permanece atuante na indústria de alimentos e bebidas e no mercado gastronômico e hoteleiro, (...) atenta e com a expectativa de que, em um futuro próximo, possamos encontrar novas oportunidades nesses segmentos”, diz a nota.

 

Ficou com água na boca?