Paladar

Comida

Comida

Há quem prefina hanaume

Por Cintia Bertolino

12 junho 2013 | 23:07 por redacaopaladar

Quando as primeiras levas de imigrantes japoneses aportaram no Brasil, há mais de cem anos, era preciso lidar com a estranheza da língua, do clima, dos costumes tropicais e da comida. Por aqui não havia, entre tantos outros ingredientes japoneses, o umê – uma pequena ameixa, que, quando conservada em sal se transforma no umeboshi.

O umeboshi é um daqueles sabores que precisam ser assimilados: muito ácido, muito salgado, pode causar estranheza à primeira mordida, mas é delicioso com uma simples tigela de gohan (arroz). Também faz toda a diferença no onigiri, bolinho de arroz envolto em uma folha de nori (alga) e recheado com umeboshi.

Embrulho. As sépalas, ou cálice, é o que se usa. As sépalas recobrem uma massa firme e cheia de sementes. FOTO: André Dusek/Estadão

Para suprir a falta do umê, os descendentes de japoneses usaram o hibisco, cuja acidez, não devia muito ao umê. Assim, da necessidade e da saudade, nasceu o hanaume, uma conserva de hibisco, salgada e ácida, para substituir o umeboshi. No Pará, a colônia japonesa batizou a conserva de paráume. “O que não existia por aqui, foi adaptado. Uma das adaptações que considero genial é o hanaume”, disse Marisa Ono, do blog Delícia. Fazer hanaume é simples: basta pesar as sépalas de hibisco e adicionar 10% do peso em sal. Deixe curtir por alguns dias e estará pronto.

Leia mais:

+ Isto é vinagreira

Telma Shiraishi, do Aizomê, costuma preparar sua conserva nesta época, em que o hibisco é abundante. “Quando vou à feira costumo levar quase toda a banca ”, contou. Hoje é muito mais fácil encontrar umeboshi, mas entre os japoneses ainda há quem prefira o hanaume.

FOTOS: Daniel Teixeira/Estadão

Para fazer a conversa basta lavar bem as sépalas de hibisco, pesar e acrescentar 10% do peso em sal. Espere alguns dias e a conserva estará pronta para consumo. A receita é do restaurante Aizomê, em São Paulo.

>> Veja todas as notícias da edição do Paladar de 13/6/2013

Ficou com água na boca?