Paladar

Comida

Comida

Lugar de criança é na cozinha

Com supervisão e as receitas certas, a cozinha pode ser um lugar de diversão e aprendizado para os pequenos durante a quarentena

13 de abril de 2020 | 05:00 por Redação Paladar, O Estado de S.Paulo

O segredo para distrair as crianças confinadas dentro de casa durante a quarentena pode estar entre potes e panelas. Ir para a cozinha com os pequenos é não só é uma boa distração durante os longos dias de confinamento, como também uma forma de aprendizado, de aproximá-los da comida e sua origem. 

Mão na massa. Receitas interativas, como nhoque e panquecas, são boas formas de começar 

Mão na massa. Receitas interativas, como nhoque e panquecas, são boas formas de começar  Foto: Andrew Scriviani

“Apresentar a criança desde cedo à culinária só tem benefícios. Elas são naturalmente curiosas e a cozinha é um lugar lúdico”, revela Betty Kövesi, professora das turmas de pequenos da escola de cozinha fundada por sua mãe Wilma Kövesi. “Quando a criança participa do processo, ela tende a experimentar e isso vai aumentando o repertório gustativo delas.” 

Para Betty não há idade para começar, a questão é adaptar tarefas para cada faixa etária: com os menorzinhos, entre 1 e 2 anos de idade, coloque a massa pronta nas mãos deles; se forem um pouco maiores, distribua os ingredientes em potes e peça para eles misturarem, e assim vai… Mais velhos já podem eles mesmos porcionar os ingredientes”, explica.

Betty sugere o nhoque de batata como um bom ponto de partida “dá para mostrar desde a transformação da batata e fazer do processo um momento de brincadeira”. Fazer as “cobrinhas”, moldar os nhoques, vê-los subir na água... 

Betty Kövesi, professora das turmas de pequenos da escola de cozinha fundada por sua mãe Wilma Kövesi: não há idade para começar 

Betty Kövesi, professora das turmas de pequenos da escola de cozinha fundada por sua mãe Wilma Kövesi: não há idade para começar  Foto: Escola Wilma Kovësi

Ingrediente certo

“Farinha e chocolate são infalíveis com as crianças”. Para o chef francês Alain Uzan, professor da filial paulistana da Le Cordon Bleu – e pai de dois filhos–, os dois ingredientes são os mais indicados para começar a experiência na cozinha. Biscoitos, pães e pizza caseira são preparos envolventes, que fazem as crianças colocarem a mão na massa, literalmente.

“No caso da pizza, além de fazer a massa, dá para lançar o desafio de cada um inventar o próprio recheio. Já com ravióli, cada um faz um formato diferente e, na hora de comer, consegue identificar quais os que fez”, sugere. O segredo, para ele, é investir em receitas fáceis, sem complicação, para não frustrar as crianças no final.

João, de um ano meio, já acompanha a mãe, a chef Marina Hernandez, na cozinha  

João, de um ano meio, já acompanha a mãe, a chef Marina Hernandez, na cozinha   Foto: Arquivo Pessoal

Outra dica de Alain é estimular a experiência com adereços: colocar avental, fazer um chapéu de chef com folha sulfite e escrever o nome da criança. “Ainda dá para tirar foto, postar, mandar para família toda. Assim a criança fica bem orgulhosa”. Do seu receituário com os filhos, ele indica as panquecas como um bom ponto de partida, “feita a massa (receita abaixo), cada um enrola e recheia com o que quiser”. 

Já a confeiteira Lia Quinderé, da Sucré, mãe de duas meninas, sugere fazer cookies, pois uma vez “quentinhos, saindo do forno, aquecem a alma e o coração nesses tempos de quarentena. Cozinhar com as meninas, além de ensiná-las a ter disciplina, ainda as divertem”. 

Nhoque, garantia de bagunça e diversão na cozinha 

Nhoque, garantia de bagunça e diversão na cozinha  Foto: Francesco Sapienza

E há também o lado terapêutico da cozinha. Os dois filhos da psicanalista Mariana David, Gabriel, de 10 anos, e Joana de 8, vão para a cozinha com a mãe desde bem cedo, ainda no sling. Fundadora do Cozinha como Experiência, projeto que une psicanálise e culinária, Mariana enxerga a intimidade com a cozinha e o saber o que se come como um dos primeiros grandes passos para autonomia.

“A cozinha acaba sendo vista como um lugar ameaçador, de distância. Pelo contrário, é superimportante estar próximo dela. É lugar um que resgata tradições e história”. 

Encontro na cozinha. A filha da psicanalista Mariana David, Joana (com a colher), gosta de ir para cozinha fazer bolos e doces  

Encontro na cozinha. A filha da psicanalista Mariana David, Joana (com a colher), gosta de ir para cozinha fazer bolos e doces   Foto: Arquivo Pessoal

Vale lembrar: nunca deixe as crianças sozinhas na cozinha, é importante sempre ter com supervisão dos adultos. E para continuar a brincadeira, confira aqui outras receitas para fazer ao lado dos pequenos. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?