Paladar

Comida

Comida

Não é à pururuca, é da bairrada

Não é só de pastéis de belém que vive a Quinta do Marquês. Mas para provar mais dos sabores de Portugal é preciso driblar o bufê de comida a quilo que fica logo na entrada e procurar uma mesa para sentar no salão de tijolos aparentes ao fundo. A pedida, então, é o leitão da bairrada.

21 junho 2012 | 08:00 por joseorenstein

 

O prato é feito com porco jovem, assado inteiro no rolete. No espeto vai o tempero, feito com sal, pimenta e um pouco de páprica. O leitão é costurado para ir ao fogo fechado. O calorzão do forno a lenha faz a pele do bicho esticar, depois de o leitão ficar girando lá dentro. O resultado é algo parecido com pururuca. A pele fica, então, crocante e dourada, como se tivesse sido envernizada. A carne suculenta que fica embaixo vem à mesa já destrinchada, acompanhada por fatias de laranja, arroz com brócolis e batata frita em lâminas. Acompanha, também, o molho que cozinha dentro do próprio leitão.

 

O forno, aliás, é um capítulo à parte: enorme, foi importado de Portugal, assim como o maquinário para a parte de confeitaria. Se desligado, demora dez dias para esfriar completamente.

 

O leitão da bairrada é difícil de se achar no Brasil. É típico da região que o batiza, no centro do país lusitano. E, ao lado do pastel de belém, da alheira de mirandela, da sardinha assada, do queijo serra da estrela, do caldo verde e do arroz de marisco, é uma das sete “maravilhas gastronômicas de Portugal”, eleitas em 2011. Para figurar nessa lista concorrida, o leitão da bairrada desbancou nada menos que o bacalhau à gomes de sá, entre outros 70 pratos tradicionais.

 

Leitão no rolete, saindo do forno (Felipe Araújo/AE)

Ficou com água na boca?