Paladar

Comida

Comida

O lado mais saboroso do jornalismo

Patrícia Ferraz

26 dezembro 2012 | 22:09 por patriciaferraz

Editora do Paladar

1. Chocolate

Autor: Mort Rosenblum

Editora: Rocco

Ficou com água na boca?

(382 págs., R$ 50)

É um livro delicioso, resultado de uma investigação do universo do chocolate, feita pelo jornalista americano Mort Rosenblum. Ex-correspondente de guerra, Mort não sabia diferenciar um chocolate bom do comum, mas saiu a investigar, se apaixonou pelo assunto e conta tudo numa narrativa envolvente.

2. O Rei da Vodca

Autora: Linda Himelstein

Editora: Zahar

(364 págs., R$ 52)

Abri o livro desconfiada: a história do fundador da Smirnoff… Mas em pouco tempo já estava envolvida com a saga de Pyotr Smirnov. Filho de servos, nascido numa aldeia russa em 1831, ele morreu aos 67 anos como o maior produtor de vodca da Rússia, fornecedor do Czar, dono de um império e patriarca de uma família cheia de intrigas.

3. Deve ter Sido Alguma Coisa que eu Comi

Autor: Jeffrey Steingarten

Editora: Companhia das Letras

(512 págs., R$ 63)

Não sei se prefiro Deve Ter Sido Alguma Coisa que Eu Comi ou O Homem que Comeu de Tudo. Os dois livros são indispensáveis para quem se diverte comendo e lendo sobre comida. E confesso: tenho inveja do homem que pode comer de tudo, viajar para todos os lugares, testar todos os equipamentos – por todos esses privilégios, mas, especialmente pela capacidade de se aprofundar exaustivamente sobre um tema e contar o que sabe com o humor e a informação precisa que caracterizam suas histórias.

4. A Miscelânea da Boa Mesa de Schott

Autor: Ben Schott

Editora: Intrínseca

(160 págs., R$ 34,90)

Este todo mundo tem de comprar. E deixar na cabeceira para ir lendo aos poucos. É um manual de curiosidades. Está lá na página 103 a hierarquia do amante de comida: goingre (esganado), goulu (glutão), gourmand (aquele cujo maior prazer é comer), friand (epicuro), gourmet (conhecedor de comida e vinhos) e gastrônomo. Na página 25 tem a fórmula do curry, na 143 a terminologia do parmigiano…

+ Veja todas as estantes da equipe do Paladar

5. Alho e Safiras – A vida secreta de uma crítica gastronômica

Autora: Ruth Reichl

Editora: Objetiva

(360 págs., Esgotado)

É meu preferido dos três livros autobiográficos da ex-crítica de restaurantes do The New York Times e ex-editora da extinta revista Gourmet. Ruth conta suas peripécias para visitar os restaurantes sem ser reconhecida, os disfarces, os personagens que criou.

6. Caviar

Autora: Inga Saffron

Editora: Intrínseca

(317 págs., Esgotado)

É uma grande reportagem sobre o caviar, escrita por uma jornalista americana que começou a pesquisar o assunto quando foi correspondente em Moscou. Das qualidades gastronômicas às ações que levaram à extinção do esturjão, e os bastidores do crime organizado que tomou conta do negócio com o fim da União Soviética, é um relato que se lê como se fosse uma história de gângsteres.

7. Comer é um sentimento

Autor: François Simon

Editora: Senac

(250 págs., R$ 67)

Reflexões com humor refinado do crítico do Le Figaro. São cinquenta lições de mesa para manter o corpo, o espírito, a alma e o coração, como ele logo ensina.

8. Lições de francês – Aventuras de garfo e faca

Autor: Peter Mayle

Editora: Rocco

(223 págs., Esgotado)

Adoro o jeito de escrever de Peter Mayle, o estilo de seu texto, as observações, o humor sofisticado, o quanto ele se diverte escrevendo. Em Lições de Francês ele se aventura pela França em busca de boa comida e boas histórias como a da missa das trufas ou a festa da rã. Depois deste, vale a pena ler Gostos Adquiridos, em que ele conta os quatro anos que passou vivendo como rico (milionário mesmo), pago pela revista GQ, só para poder escrever. Ótimos.

9. Vinho e Guerra

Autores: Don e Petie Kladstrup

Editora: Zahar

(256 págs., R$ 46)

A história fascinante de como os produtores de vinhos franceses resistiram aos nazistas e tudo o que fizeram para esconder suas melhores garrafas. Interessante, comovente.

>> Veja todos os textos publicados na edição de 27/12/12 do ‘Paladar’

Ficou com água na boca?