Paladar

Comida

Comida

O Leste Europeu não cabe num borscht

Ucrânia, Polônia, Rússia, Lituânia, as família judaicas pelo mundo: cada um reivindica a autoria do borscht. Existem mais receitas de borscht espalhadas no planeta hoje do que falantes de iídiche. Para não falar nas diferentes formas de grafia do prato: barszcz, boršc, baršciai… A tarefa borgiana de listar todos os nomes do borscht só perde em grau de dificuldade para tarefa de compilar os modos de fazer o borscht.

07 novembro 2012 | 22:54 por joseorenstein

Certo, talvez cruzar as florestas de pinheiros, as estepes, os Cárpatos, os Urais e enfrentar o inverno do Leste Europeu, para o qual Hitler e Napoleão não foram páreo, seja mais difícil. Mas percorrer essas paisagens seria absolutamente necessário para listar todas as formas de cozinhar um borscht. Se traçássemos um círculo que tomasse Kiev como centro, seria preciso abrir o compasso generosamente para abraçar os diversos borschts.

FOTO: Alex Silva/Estadão

Quente ou frio, com ou sem caldo de carne, com ou sem batata, com ou sem cebola, com ou sem cogumelos, fermentado ou não, vinagre ou limão, uma pitada ou nada de açúcar, com ou sem alho, mais ralo ou mais grosso, acompanha ou não pão preto…

Melhor parar por aqui. Só há duas certezas (e meia) sobre o borscht. (A meia certeza é que é tomado com creme de leite – há grupos que refutam veementemente o hábito). Uma é que é uma sopa feita de beterraba. A outra é que o melhor é o da minha avó.

LEIA MAIS: O gosto púrpura

>> Veja todos os textos publicados na edição de 8/11/12 do Paladar

Ficou com água na boca?