Paladar

Comida

Comida

Os cinco traços dela...

 Vieira (Demian Takahashi/Divulgação)

28 junho 2012 | 08:00 por lucineianunes

Rápida. A vieira é o único molusco bivalve que consegue nadar. Para realizar tal proeza, ela abre e fecha rapidamente sua concha, movimentando a água e, também, a si mesma. Assim, escapa de predadores.

Musculosa. O esforço de natação da vieira vira prêmio para nós, que a comemos. Por ela se mexer na água, o músculo adutor fica mais carnudo que o dos outros bivalves. É a parte branca sempre usada nas receitas.

Doce. Além de impulsionar a vieira nas suas fugas mares afora, o músculo que abre e fecha a concha também serve como reserva energética e está cheio de açúcares. Daí seu sabor adocicado.

Histórica. Comum na costa da Galícia, a concha de vieira é, desde a Idade Média, símbolo dos peregrinos de Santiago de Compostela. O nome do molusco em francês, coquille saint-jacques, homenageia o santo.

Amorosa. Vieiras são hermafroditas. A parte avermelhada, chamada comumente de coral, é seu sistema reprodutor – muito apreciado na Europa, mas desprezado nos Estados Unidos.

 

Ficou com água na boca?