Paladar

Comida

Comida

Produtos de origem controlada

Cada vez mais preocupados com a qualidade dos ingredientes e a seleção de fornecedores, chefs de São Paulo descobrem produtos e investem em empórios anexos aos restaurantes para poder vendê-los aos clientes

02 janeiro 2013 | 21:08 por Marianne Piemonte

Especial para o Estado

Nada de carrinhos, fila no caixa ou estresse para estacionar. Fazer compras nos pequenos armazéns anexos aos restaurantes da cidade é poder passar saborosos minutos lendo um rótulo para saber a procedência daquela goiabada molinha, aproveitar a presença do chef português para perguntar a melhor maneira de usar o arroz carolino ou pedir a receita do miniarroz ao chef mais estrelado do Brasil.

As tímidas prateleiras com produtos expostos estão dando lugar a lojas anexas em alguns restaurantes de São Paulo. E quase sempre circulando em suas lojinhas, os chefs se orgulham de apresentar os produtos de origem controlada – por eles. A oferta não para de crescer.

Há desde pimentas especiais, doces da serra gaúcha, aventais, louças, pães e azeites diferenciados, muitas vezes produzidos em edições limitadas, por encomenda do chef ou até na cozinha do próprio restaurante.

Ficou com água na boca?

Visitamos algumas das melhores lojas de restaurante da cidade e destacamos os principais produtos oferecidos em cada uma delas. Confira.

Visualizar Paladar em um mapa maior

Las Chicas

No pequeno café e deli comandado pelas chefs e sócias da casa Carla Pernambuco e Carol Brandão a vitrine de doces é a estrela maior. No entanto, ninguém resiste a pelo menos uma olhada nos produtos que estão à venda na lojinha: jogo de louças coloridas e aventais para adultos e crianças (custam de R$ 100 a R$ 150), criados por Carla Pernambuco e confeccionados com exclusividade para o restaurante – alguns dos modelos são usados no programa de televisão Brasil no Prato apresentado pela própria chef no canal a cabo Bem Simples.

R. Oscar Freire, 1607, Pinheiros, 3063-0533

Speranza

Pastiera di grano (R$ 86, 10 porções), struffoli (custam R$ 27), antepastos (R$ 34 a porção), azeites, vinhos e geleias artesanais especialmente preparadas, em parceria com a Senhora das Especiarias, na Serra da Mantiqueira, como a que combina limão-siciliano, manjericão, maracujá e cachaça (R$ 15 o pote), estão à venda na tradicional pizzaria Speranza. Os produtos podem ser encontrados tanto na matriz, na Bela Vista, como na filial em Moema

R. Treze de Maio, 1004, Bela Vista, 3288-8502 e 3288-3512

Av. Sabiá, 788, Moema, 5051-2161

Mangiare

O destaque ali são os vinagres balsâmicos brancos envelhecidos, como o da marca italiana Leonardi (R$ 140), de dez anos.Nas prateleiras da loja há também chocolate orgânico Amma (R$ 19,50, a barra), com até 85% de cacau, e geleias mineiras da marca Engenho da Terra (R$ 19,90). Cookies artesanais e farinha orgânica são encontrados esporadicamente. E os pães artesanais, como o 100% de farinha integral feitos e servidos na casa, devem compor a vitrine a partir de março. No futuro, a loja deve funcionar também como rotisseria.

Av. Imperatriz Leopoldina, 681 ,V. Leopoldina, 3034-5074

Dalva e Dito

A loja de Alex Atala tem paçoca Amor, doces de abóbora em formato de coração, manteiga e doce de leite Aviação. E também bolo de rolo (R$ 29) da Casa dos Frios, do Recife, geleia de mangaba (R$ 16), do Ceará, e manteiga de garrafa (R$ 18). Da marca Retratos do Gosto há miniarroz do Vale do Paraíba (R$ 20, 500g) e as granolas salgadas feitas em parceria com Heloísa Bacellar. Nos fins de semana, pode-se comprar também frango de TV e bolinhos caseiros, como o de maçã com canela (R$ 9) e o de cenoura (R$ 15).

R. Padre João Manuel, 1115, Cerqueira César, 3068-4444

Giardino

Dos mesmos donos do Jardim de Napoli, a loja fica quase em frente ao restaurante. O que mais sai é o polpetone (R$ 50, serve duas pessoas). Latas de biscoito e chocolates italianos, panetones de Verona, como os da marca Borsari, e diversos tipos de massas secas e frescas são alguns dos itens também disponíveis. Na vitrine há embutidos e antepastos. Para quem quiser um lanche rápido, a loja oferece sanduíches preparados na hora como o de carne louca na ciabatta ou de brie, presunto cru italiano e rúcula (R$ 22).

R. Dr. Martinico Prado, 436, Santa Cecília, 3666-0343

Templo da Carne

Antes de chegar às mesas, o cliente passa por um corredor de vitrines refrigeradas repletas de cortes de carne. Entre diversos produtos, figuram como destaques as morcelas espanholas (R$ 48, kg), largos bifes de chorizo (R$ 65, kg), picanhas de cordeiro (R$ 58, kg). Também podem ser compradas ali facas artesanais, especiais para churrasco, que levam a assinatura Bassi – o modelo simples custa R$ 198, e as facas da marca Zakharov, também com a assinatura do churrasqueiro e com cabo em marchetaria, saem por R$ 228.

R. Treze de Maio, 668, Bela Vista, 3251-1488

Tasca da Esquina

Há apenas três itens na cristaleira-loja do restaurante comandado pelo chef português Vitor Sobral. Um azeite Andorinha orgânico, um pó de café Astro 100% arábico feito para a casa (R$ 23, 500g) e o arroz lusitano do tipo carolino da marca Bom Sucesso (R$ 15, quilo), o mais indicado para fazer arrozes de tipo mais “molhados”, que são bastante populares em Portugal. “Ele tem o bago largo, mas é um pouco mais longo que o arbóreo. Seu sabor é bastante delicado o que o torna indicado também para fazer arroz-doce”, diz Vitor Sobral.

Alameda Itu, 225, Jd. Paulista, 3262-0033

Jacarandá

No novo restaurante da dona do Martin Fierro e La Fronteira, Ana Masochi, há um pequeno espaço no melhor estilo armazém antigo. Nas altas prateleiras de madeira da Regional, nome da lojinha, a proposta é trazer produtos de pequenos produtores. Além dos doces da serra gaúcha, como passas de pêssego (R$ 18), há cajuína orgânica (R$ 7, a garrafa) e farinha de grão-de-bico (R$ 9, o quilo), queijos da Serra da Canastra (R$ 35, 600g) e pimenta baniwa (R$ 20) – forte, salgada e rica em especiarias, feita pelos índios baniwas.

R. Alves Guimarães, 153, Pinheiros, 3083-3003

>> Veja todos os textos publicados na edição de 3/1/13 do ‘Paladar’

Ficou com água na boca?