Paladar

Comida

Comida

Se ela for inevitável, tente um riesling

Tubérculo ingrato para vinhos, a beterraba. Com seu gosto terroso e adocicado (para mim, ela tem sabor de veneno e de milho, ao mesmo tempo, apesar de nunca ter bebido veneno). Gruda na língua, deixa aquela coloração que age como uma capa de sabor e atrapalha bastante o paladar para a bebida.

07 novembro 2012 | 22:54 por luizhorta

Pensando no assunto, lembrei-me da história que me contou Pacalet, o famoso produtor da Borgonha, sobre seu tio, o igualmente famoso Marcel Lapierre, de Morgon. Foram os dois almoçar no Noma, o melhor restaurante do mundo segundo a lista dos 50 da revista Restaurant.

O restaurante dinamarquês tem (ou tinha) o Morgon Lapierre na carta de vinhos. Veio o segundo prato, uma beterraba assada. Lapierre, famoso pelo temperamento atômico, nem piscou, pegou aquela coisa, jogou no chão e disse: “isto estraga meu vinho!”. Foram convidados, com educação nórdica, a ficarem quietos.

Se for inevitável ter beterraba na comida, o que parece cada vez mais frequente, eu optaria por um Riesling Auslese, rezando para sua mistura de doce e acidez, enfrentar a beterraba.

Ficou com água na boca?

LEIA MAIS: O gosto púrpura

>> Veja todos os textos publicados na edição de 8/11/12 do Paladar

Ficou com água na boca?