Paladar

Comida

Comida

Três brasileiros estão entre os finalistas de prêmio espanhol para chefs que querem mudar o mundo

Basque Culinary World Prize homenageia chefs cujos projetos melhoram a sociedade por meio da gastronomia

08 junho 2016 | 15:35 por Redação Paladar

Vinte chefs estão concorrendo ao Basque Culinary World Prize, que irá condecorar chefs criadores de projetos que melhoram a sociedade por meio da gastronomia. Criado pelo Centro Culinário Basco em parceria com governo do País Basco, o prêmio visa recompensar o impacto positivo de restaurantes no mundo. O anúncio dos vencedores será no dia 11 de julho em San Sebastián, na Espanha. 

Três brasileiros estão entre os finalistas desta primeira edição: David Hertz, criador da rede Gastromotiva; Teresa Corção, chef e fundadora do Instituto Maniva; e a chef Manu Buffara, do restaurante Manu, em Curitiba.

O fundador da Gastromotiva, David Hertz

O fundador da Gastromotiva, David Hertz Foto: Heloísa Mello

David Hertz fundou a Gastromotiva há mais de dez anos. O projeto capacita jovens de baixa renda em diferentes áreas da gastronomia e já cresceu para além das fronteiras brasileiras: está presente em comunidades de São Paulo, do Rio de Janeiro, de Salvador e da Cidade do México.

Teresa Corção é chef do restaurante O Navegador, no Rio, e fundadora do Instituto Maniva, criado para estimular a agricultura orgânica familiar e incentivar uma nutrição melhor para a sociedade como um todo. A rede Ecochefs da Maniva foi criada em 2009 para promover a ética na cozinha e encorajar a comunicação em toda a cadeia alimentar, dos produtores aos consumidores.

Teresa Corção presidente e fundadora do Instituto Maniva

Teresa Corção presidente e fundadora do Instituto Maniva Foto: Wilton Junior

Manu Buffara foi nomeada pelo seu trabalho na Ilha Rasa, em Curitiba, onde luta, ao lado de cerca de 20 produtores, pela preservação de ingredientes e métodos de cultivo tradicionais e da biodiversidade. Ela também encoraja os habitantes locais a explorar o potencial da sua agricultura.

A chef Manu Buffara que trabalha muito próxima dos seus produtores e ajuda comunidades próximas de Curitiba, onde fica seu restaurante.

A chef Manu Buffara que trabalha muito próxima dos seus produtores e ajuda comunidades próximas de Curitiba, onde fica seu restaurante. Foto: Roberto Seba|Estadão

Entre os finalistas também está o chef francês Daniel Boulud, indicado pela sua participação em instituições beneficientes como a nova-iorquina CityMeals on Wheels, que fornece refeições saudáveis a pessoas idosas que não podem comprar alimentos ou cozinhar por si mesmas. Ele também é responsável pela Chefs Deliver, uma iniciativa na qual chefs de renome cozinham para idosos confinados às suas casas. A lista completa dos finalistas está aqui. 

Para serem elegíveis para o prêmio, os chefs tinham de ser nomeados por outro profissional que atualmente trabalha no mundo da gastronomia – por exemplo, outro chef, crítico gastronômico, produtor de produtos alimentares –, ou por uma instituição. Dos 110 nomeados, 20 estão concorrendo à fase final. 

O vencedor, que será anunciado no dia 11 de julho, será escolhido por um júri composto por alguns dos chefs mais influentes do mundo, incluindo Joan Roca (Espanha), Gastón Acurio (Peru), Ferran Adrià (Espanha), Alex Atala (Brasil), Dan Barber (EUA), Massimo Bottura (Itália), Enrique Olvera (México), René Redzepi (Dinamarca), entre outros. 

O ganhador vai receber 100 mil euros, que deverão ser investidos em um projeto que mostre o comprometimento da gastronomia com a sociedade.

Ficou com água na boca?