Mãe e filha colombianas ganham prêmio de melhor livro de receitas do mundo

Zoraida 'Chori' Agamez e Heidy Pinto são cozinheiras em Barrancabermeja investigaram as diferentes formas de cozinhar tamales em 'Envueltos'

29 de novembro de 2021 | 19:31 por Jordi Zamora, AFP

Duas cozinheiras colombianas, mãe e filha, e um editor apaixonado por gastronomia recebem nesta segunda-feira(29) o prêmio de melhor livro de receitas do mundo em Paris. 

Zoraida "Chori" Agamez e Heidy Pinto são cozinheiras em Barrancabermeja (norte da Colômbia). Dois anos antes do início da pandemia, elas investigaram as origens e as diferentes formas de cozinhar um prato típico não só da Colômbia, mas de boa parte da América Latina: os 'envueltos' (embrulhados) ou 'tamales' em países como México e Guatemala. A massa de farinha é cozida com vários tipos de temperos e envolta em folhas de uma infinidade de variedades. 

Tamales levam uma massa cozida com vários temperos e envolta em folhas de muitas variedades

Tamales levam uma massa cozida com vários temperos e envolta em folhas de muitas variedades Foto: Instagram @el_toque_colombiano

A massa pode ser de milho, mandioca, banana, arroz ... pode levar carne de porco, boi, vegetais ou mesmo insetos, segundo escritos de conquistadores espanhóis do século 17.

“Começamos então a viajar pela Colômbia para saber sua origem ... Coletamos mais de 300 receitas”, disse Heidi Pinto à AFP. 

“De repente a compilação ficou muito grande, então decidimos fazer um livro, mas só sobre os envueltos com banana madura, mandioca e milho, que são os que se encontram em toda a Colômbia”, acrescentou.

Mais de 100 'envueltos'

Chori e Heidy cozinharam mais de 100 envueltos, para ajustar as receitas. “Começamos a experimentar até não poder mais”, explica Heidy com uma risada. 

Elas escreveram o livro sem ajuda e, em seguida, postaram nas redes sociais. Em seu blog, "El toque colombiano", postaram um "mapa dos envueltos" com as receitas e os locais onde encontrar as variedades selecionadas. 

“Apareceu Daniel, que queria comprar o livro. E falamos para ele: 'não temos, estamos procurando editora ...”, lembra Heidy. 

Daniel Guerrero, apaixonado por literatura gastronômica, comprou imediatamente os direitos de Envueltos e fundou a editora Hammbre de cultura. Em seguida, levou um fotógrafo à casa das cozinheiras. 

“Elas moram em uma área muito humilde, nós tiramos as fotos em casa”, explicou.“E aí chegou a pandemia. Com 80% do investimento realizado”, ainda suspira Daniel Guerrero. 

“Eu me arrisquei”, lembra o editor. Curiosamente, o confinamento ajudou o negócio. “Em um ano e meio vendemos 2.000 exemplares”, em três edições. 

Daniel Guerrero enviou o livro para Edouard Cointreau, organizador do Gourmand Awards. O evento mais importante do setor reúne uma rede internacional de críticos, chefs e entusiastas que escolhem as melhores publicações todos os anos. 

Envueltos ganhou o prêmio principal. Suas autoras o recebem nesta segunda-feira durante a Semana das Cozinhas do Mundo, em Paris.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?