Paladar

Rua Cônego Eugênio Leite é novo corredor gastronômico de Pinheiros

A falta de espaço para novos empreendimentos na Rua dos Pinheiros tem dado nova vida às suas travessas

24 de janeiro de 2020 | 05:00 por Danielle Nagase e Renata Mesquita, O Estado de S.Paulo

Não bastasse concentrar boa parte dos estabelecimentos do bairro, a Rua dos Pinheiros ainda impulsiona o surgimento de outros corredores gastronômicos em suas travessas. É o caso da Rua Cônego Eugênio Leite, que até pouco tempo atrás não atinava para a restauração – era habitada apenas pela Vinheria Percussi, desde 1985, e pelo Consulado Mineiro, de 1991. Hoje são mais de oito endereços.

Na rua. Os sócio Leeward Wang e Roberto Meirelles na nova loja 

Na rua. Os sócio Leeward Wang e Roberto Meirelles na nova loja  Foto: Tiago Queiroz/Estadão

+ Conheça outros corredores gastronômicos na cidade. 

 

Vinheria Percussi (nº 523) 

Um imóvel discreto abriga o restaurante dos irmãos Percussi. Dos pratos com sotaque italiano, destaque para o ravióli de ossobuco e burrata, servidos com molho aveludado de carne. 12h/15h e 19h/23h (sáb., 12h/16h30 e 19h/0h; dom., 12h/16h30; fecha 2ª) 

 

Teva (nº 539)

Luz baixa, música alta, bons drinques. Essa é a atmosfera desse “restaurante de vegetais”, como ele se define. No cardápio vegano, destaque para o tofu grelhado com molho gochujang e creme de edamame. 12h/16h e 18h/0h (sáb., 12h/0h; dom., 12h/22h; fecha 2ª) 

 

Nos’Otros (nº 727) 

O novo bar de cozinha ibérica tem ambiente moderninho e drinques como o Badajoz (gim, tônica, xarope de ameixa e hortelã). Para beliscar, o montadito de polvo com aïoli de páprica abre alas para a bifana, sanduíche de rua português, com lombo suíno e molho secreto. 19h/0h (sáb., 17h/0h; fecha dom.) 

Fachada. Novo bar com inspiração ibérica

Fachada. Novo bar com inspiração ibérica Foto: Nos'Otros

 

Futuro Refeitório (nº 808) 

“Deve ser aqui”, diz o letreiro na entrada do café-restaurante, que preservou as característica do antigo ocupante do imóvel, um estacionamento. Tem opções para qualquer hora: bom café (torrado e moído ali), croissant, sanduíches e combos para almoço, com foco nos vegetais8h/22h30 (6ª, 8h/23h; sáb., 9h/23h; dom., 9h/16h) 

 

Banca do Kiro (nº 825) 

Cor-de-rosa, a antiga banca de jornal, que agora é a "banca do Kiro" oferece o switchel da marca (que combina água, vinagre de maçã, mel e gengibre) num copão com bastante gelo ou no garrafão retornável (R$ 35 já cheio) para levar. 11h/15h e 16h/20h (dom., 10h/16h; fecha 2ª) 

 

Eugênia (nº 953) 

O bar foca no protagonismo feminino, com drinques autorais da bartender Paola Menezes. O Joana Profana combina vodca, redução de cerveja witbier, limão-siciliano e xarope. 19h/1h (fecha dom. e 2ª) 

Na rua. Os sócio Leeward Wang e Roberto Meirelles na nova loja 

Na rua. Os sócio Leeward Wang e Roberto Meirelles na nova loja  Foto: Tiago Queiroz/Estadão

 

Boca de Ouro (nº 1.121) 

O bar está "de férias", como informou um dos sócios, mas promete voltar a ativa depois do carnaval. Quando for o caso, passe lá para tomar um Macunaíma (cachaça, Fernet, limão e açúcar) e petiscar um bolovo, o campeão de pedidos. 

 

Boto (nº 1.152)

O casarão dos anos 1940 abriga o novo restaurante do chef Léo Botto. A grelha é ponto central da cozinha, de onde sai a costela moqueada e incrementada com molho roti. 19h/23h (sáb., 13h/22h; dom., 13h/16h) 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?