Paladar

Receitas

Receita

Tudo com cachaça: crie versões brasileiras de drinques clássicos da coquetelaria

No Dia da Cachaça, coloque a bebida nacional em coquetéis já consagrados, como negroni, mojito, gim tônica e uísque sour

13 de setembro de 2019 | 14:16 por Carla Peralva, O Estado de S.Paulo

Em vez de mojito, bujito. Nada de negroni, neguin. Uísque sour? Não, azedinho.

Grandes clássicos da coquetelaria mundial podem ganhar versões bem brasileiras quando feitos com a aguardente nacional.  

Aproveite este 13 de setembro, Dia da Cachaça, para experimentar novas possibilidades de coquetéis como gim tônica, negroni, mojito e uísque sour. 

Abaixo, confira as receitas dos drinques com cachaça e dos originais que os inspiraram. 

 

1. Cachaça tônica

Drinque original: gim tônica

Sai o gim, entra a cachaça. Fácil de fazer, refrescante e com sabor ainda mais complexo que o drinque original - veja como fazer. Na verdade, aqui, as possibilidades são tantas que você pode escolher como combinar cachaças (envelhecidas em diferentes tipos de madeira) e ingredientes (limão, gengibre, laranja...) para criar coquetéis de diferentes personalidades. Saiba mais.  

Cachaça tônica.

Cachaça tônica. Foto: Fernando Sciarra|Estadão

 

2. Bujito

Drinque original: mojito

Mojito de cachaça vira o que? Bujito! Com limão-taiti e folhinhas de hortelã. Veja a receita. 

Bujito.

Bujito. Foto: Fernando Sciarra|Estadão

 

3. Azedinho

Drinque original: uísque sour

Refrescância de limão, doçura de rapadura, textura de clara de ovo: uma versão bem brasileira do uísque sour. Confira a receita.  

Azedinho.

Azedinho. Foto: Fernando Sciarra|Estadão

 

4. Neguin

Drinque original: negroni

Quem gosta de negroni, também pode beber neguin. Com cachaça envelhecida, Fernet Branca, Punt e Mes e laranja, criação do bartender Laércio Zulu, que também batizou este drinque. Veja a receita. 

Neguin.

Neguin. Foto: Fernando Sciarra|Estadão

 

5. Medeiros Connection

Drinque original: Manhattan

Sai o uísque, entra a cachaça. Mas ficam o vermute tinto e os bitters. O nome foi dado em homenagem à Vila Medeiros, bairro do restaurante Mocotó, onde o bartender Aharon Rosa trabalhava quando criou este drinque. Confira a receita. 

Medeiros Connection.

Medeiros Connection. Foto: Roberto Seba/Estadão

 

6. Leviana

Drinque original: daiquiri

O clássico cubano, feito com rum, suco de limão e açúcar, ganha cara brasileira ao ser preparado com cachaça, suco de caju e rapadura. O nome é em homenagem à música do Rei do Brega, Reginaldo Rossi. Veja a receita. 

  

7. Meu Side Car

Drinque original: sidecar

Um coquetel clássico, das antigas, feito com conhaque e licor de laranja, ganha ares mais tropicais e mais frescor. Essa versão leva cachaça, suco de laranja e cubos de abacaxi. Confira a receita. 

Meu Side Car.

Meu Side Car. Foto: Fernando Sciarra/Estadão

 

8. Aviador

Drinque original: aviation

Simples e elegante, o aviation é feito com gim, suco de limão e licor maraschino. Não menos sofisticada é a versão com cachaça, suco de limão-galego e licor maraschino. Em qualquer um dos casos, por favor, decore o coquetel com uma bela cereja. Veja a receita. 

Aviador.

Aviador. Foto: Fernando Sciarra|Estadão

 

9. Amazônia Fizz

Drinque original: gim fizz

Os drinques da "família fizz", feitos com um destilado, suco de limão e água com gás, são super refrescantes e super fáceis de fazer. Aqui, substitua o gim pela cachaça branca e o limão-taiti pelo galego. Confira a receita.

Amazônia Fizz.

Amazônia Fizz. Foto: Fernando Sciarra|Estadão

 

10. Le vieux jamaru

Drinque original: Vieux Carré

O Vieux Carré foi criado na década de 1930 em um dos grandes berços da coquetelaria: o bar Carousel, em New Orleans. O drinque foi batizado com nome francês (significa, literalmente, "praça velha") para o famoso French Quarter da cidade, onde se acumulam bares de drinques e de jazz. É feito com bourbon, conhaque, vermute tinto, licor Bénédictine e dois tipos de bitter. Na versão do bartender Fábio La Pietra, do SubAstor, a cachaça entra no lugar do conhaque e vinho do Porto substitui o vermute, enquanto os outros ingredientes são mantidos. E para abrasileirar o nome... jamaru é o nome da planta que dá a cabaça, muito comum na região central do País. Confira a receita.  

Le vieux jamaru.

Le vieux jamaru. Foto: Roberto Seba/Estadão

 

11. Cachaça sour

Drinque original: pisco sour 

Enquanto Chile e Peru disputam a paternidade do pisco, a cachaça é indiscutivelmente brasileira. E a nossa bebida combina perfeitamente com drinques de perfil mais azedo. Veja a receita. 

Foto: Codo Meletti|Estadão

 

12. Tiki made in Brasil

Drinque original: tiki com rum

Ok, tiki não é um coquetel específico. É uma família de drinques originária do Havaí e da Polinésia. De maneira geral, são feitos com rum e têm perfil frutado e tropical, com apresentações coloridas cheias de elementos que beiram o cafona. Aqui, mantemos a profusão de frutas, cores, aromas e sabores. Mas usamos cachaça e frutas frescas como caju, manga e abacaxi. Veja a receita. 

Tiki Made in Brasil.

Tiki Made in Brasil. Foto: Fernando Sciarra|Estadão

 

Mais cachaça

Não curtiu nada disso e quer fazer a boa e confiável caipirinha? Aqui está a receita. 

Quer saber mais sobre cachaça?

● Aprenda a identificar, no copo, uma boa bebida.

● Confira nosso dicionário de termos, para entender a produção e os rótulos. 

● Leve a aguardente para a cozinha com 13 receitas, entre doces e salgados. 

● Confira a programação especial do Dia da Cachaça 2019 de bares e restarantes nos blogs Balcão do Giba e O Cachacier

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências