Uísque sour do Frank Bar

Clássico batido preparado por Spencer Jr., barman à frente do Frank Bar

Redação Paladar - O Estado de S.Paulo

Porções: 1 porção

Tempo: Rápida

Dificuldade: Fácil

Ingredientes

60 ml de bourbon
30 ml de suco de limão-siciliano
15 ml xarope de açúcar
15 ml de clara de ovo pasteurizada ou lecitina de soja (opcional)
Casca de laranja bahia e cereja amarena encharcada em licores para decorar

Para o xarope de açúcar:
30g açúcar refinado
15 ml de água potável

Um grande clássico da coquetelaria norte-americana, o uísque sour original leva suco de limão e clara de ovo. Para aprender a fazer o drinque batido com perfeição, Spencer Jr., do Frank Bar, dá sua receita. 

Preparo

1Numa coqueteleira, adicione todos ingredientes e bata vigorosamente com gelo em cubos, durante 4 segundos.
2Coe (se estiver usando uma coqueteleira tipo Boston, passe o líquido para a tampa), descarte o gelo e bata vigorosamente durante mais 4 segundos. 
3Transfira com coagem fina para um copo com gelo em cubos.

Xarope de açúcar:

1Ferva a água e, em fogo médio, adicione o açíucar. Mexa constantemente por 5 minutos. Abaixe o fogo e deixe cozinhar por mais 10 minutos.
2Desligue e deixe a mistura em repouso até esfriar.
3Coe com peneira para um recipiente de vidro.

 

Batido ou mexido? Veja sete receitas de drinques para ambos os gostos

1 | 7 Aprenda de uma vez por todas como acabar com a polêmica clássica da coqueteleira versus a bailarina. O Dry martini esta no centro desta discussão, mas saiba faz sim diferença – e muita – , mexer ou estragar, quer dizer, bater o dry martini. Se for chacoalhado vigorosamente na coqueteleira com gelo, vai ficar turvo e arenoso e não límpido como deve ser, além de perder a textura aveludada. A receita original do clássico, você encontra aqui. Foto: Codo Meletti/Estadão
2 | 7 Um grande clássico da coquetelaria norte-americana, o uísque sour original leva suco de limão e clara de ovo. Para aprender a fazer o drinque batido com perfeição, Spencer Jr., do Frank Bar, dá sua receita.  Foto: Codo Meletti/Estadão
3 | 7 A combinação de gim envelhecido em barril de amburana, Campari e vermute tinto, mexidos no copo, dá origem ao Zica. Essa versão do negroni, que deve ser servida em copo baixo e gelo, é assinada por Rafael Pizanti, do Barê.    Foto: Codo Meletti/Estadão
4 | 7 O barman Felipe Leite, do bar do Jiquitaia, faz na coqueteleira uma releitura do clássico com a cachaça no lugar do pisco peruano. Veja a receita.  Foto: Codo Meletti/Estadão
5 | 7 A combinação de cachaça, gelo e limão originou um dos drinques mais famosos do Brasil, a capirinha. O sabor é unanimidade, já o preparo nem sempre: o correto é preparar a caipirinha no copo de servir, com o macerador e uma bailarina. É assim que a receita figura na lista da Associação Internacional de Bartender. Mas muita gente prefere pôr na coqueteleira, para fazer maior quantidade.  O barmen Spencer Jr., do Frank Bar, ensina a receita da preciosidade nacional. Veja aqui.  Foto: Codo Meletti/Estadão
6 | 7 Criação de Rafael Pizanti, do Barê, esse drinque leva purê de pitanga e deve ser feito em uma coqueteleira com bastante gelo e servido em um copo alto. Confira a receita aqui.   Foto: Codo Meletti/Estadão
7 | 7 Vermute tinto, gim e bitter de gengibre: esta é a cambinação do drinque mexido do barman Felipe Leite. Confira como fazer em casa. Foto: Codo Meletti/Estadão

 

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato