Paladar

Restaurantes e Bares

Restaurantes e Bares

50 Best América Latina: Brasil pode estar perdendo visibilidade

De Lima

04 setembro 2014 | 22:00 por patriciaferraz

Pelo saldo, daria para dizer que o Brasil saiu empatado no ranking dos 50 melhores restaurantes da América Latina, anunciado ontem, aqui em Lima: quatro restaurantes subiram – Maní, Mocotó, Epice e Remanso do Bosque. Quatro perderam posição – D.O.M., Fasano, Roberta Sudbrack e Attimo. E o Olympe manteve seu 35º lugar. Dois brasileiros continuam entre os cinco primeiros. Ninguém saiu do bloco dos 20 mais. Porém há um dado preocupante: dos países com presença forte na lista, o Brasil foi o único que não emplacou um novo restaurante no ranking (Argentina emplacou 1, México, 3, e Peru, 1). E isso é um sintoma importante de que depois de um boom, a gastronomia brasileira está perdendo visibilidade.

Os chefs dos 50 melhores restaurantes da América Latina. FOTO: Divulgação

Deixando de lado as hipóteses conspiratórias e as insinuações de que os jurados brasileiros deveriam fazer como os argentinos — votar em bloco ou apostar em casas de uma única cidade–, o fato é que outros países da região são melhores destinos gastronômicos. Isso não tem nada a ver com a qualidade, o que acontece é que os restaurantes brasileiros são menos visitados em decorrência de altos preços (o Brasil é um país caro para o turismo), das grandes distâncias internas e —  o que causa maior impacto neste ranking de restaurantes — da falta de apoio de órgãos governamentais para a promoção da gastronomia brasileira no exterior.

+ Veja a lista completa dos 50 melhores restaurantes da América Latina 

+ Veja como foi a cerimônia de premiação

Não é papo furado. Como se sabe, a mecânica do prêmio exige que o jurado eleja 7 restaurantes, sendo obrigatoriamente 3 de fora de seu país. Jurados só votam em restaurantes que visitaram, é claro, e é aí que os esforços de órgãos de promoção de turismo como a TourSpain (no caso da Europa) e o PromPerú aparecem: formadores de opinião e jornalistas entre outros jurados são frequentemente convidados a viajar para conhecer os restaurantes provar os cardápios. Os restaurantes são bons, sem dúvida. E quem vota neles? Nós, brasileiros, argentinos, peruanos, mexicanos, colombianos…os que foram, provaram e gostaram.

Desonesto?  Longe disso. É estratégia de jogo e o Brasil precisa fazer como eles, se articular. Ou vamos ver cada menos restaurantes brasileiros na lista dos melhores do mundo e da América Latina.

Ficou com água na boca?