Paladar

Restaurantes e Bares

Restaurantes e Bares

Camélia Òdòdó, o novo restaurante da Bela Gil, é uma bela surpresa

Recém-inaugurado em São Paulo, restaurante da chef e apresentadora serve pedidas veganas, sem glúten, sem lactose e sem açúcar - mas que valem experimentar

19 de maio de 2021 | 05:00 por Patricia Ferraz, O Estado de S.Paulo

Comida vegana, sem glúten, sem lactose e sem açúcar nunca foi a minha favorita. Portanto, não estranhe a confissão: provei os pratos do recém-inaugurado Camélia Òdòdó, o restaurante da Bela Gil, por dever profissional, mas sem entusiasmo. A bela Bela, que é filha do Gil, estudou culinária natural, nutrição e ciência do alimento em uma universidade nos Estados Unidos e se empenha em divulgar a alimentação saudável e consciente em seus best-sellers e no programa Bela Cozinha, no GNT. 

 O nome do restaurante tem uma inspiração bacana. A camélia era o símbolo dos abolicionistas, história cantada por Gil e Caetano em As camélias do Quilombo do Leblon. E o  restaurante tem mais um predicado: é fruto do primeiro trabalho de consultoria do Instituto Capim Santo, da chef Morena Leite. 

Tostada de carne de jaca

Tostada de carne de jaca Foto: Divulgação

Já que o negócio era experimentar, não economizei nos cliques na página do iFood. Comecei com a tostada de carne de jaca: duas fatias altas de pão de fermentação natural com lascas de jaca, picles de cebola roxa e brotos de folha de beterraba (R$ 38). Vem temperada com maionese de castanhas. O veredito? Deliciosa. Uma beleza de sabor delicado (sem cheiro ou gosto de jaca). A segunda clicada, os patacones, são mais grossos que os tradicionais, feitos com banana e casca de banana e acompanhados de vinagrete (R$ 33). Mais uma boa pedida. 

Também experimentei e recomendo o Bela tigela oriental. É um PF com macarrão sobá, tempeh grelhado e vegetais salteados, bem crocantes, com dois molhos saborosos enviados à parte, tahini, e molho de cenoura com gengibre (R$ 59).

 Se tivesse que escolher só um dos pratos provados, não tenho dúvidas, seria o Bela tigela ocidental. Arroz integral da terra, feijão carioquinha, vegetais salteados, salada e uma farofa de castanhas brasileiras espetacular (R$ 45). Basiquinho, saboroso, perfeito para o dia a dia, mas nem adianta querer todo dia, o restaurante só abre de quarta a domingo. Vem em uma embalagem biodegradável com divisórias. 

Bela tigela oriental

Bela tigela oriental Foto: Divulgação

Ah, as embalagens são uma questão à parte ali  – biodegradáveis, compostáveis e mais caras que as comuns. O restaurante sugere (é opcional!) que, quem quiser e puder, pague R$3 por cada uma delas. Na mesma linha “quem quiser e puder”, contribui-se com R$5 em caixinha para a equipe.

Para completar, o bolo de chocolate Amma sem lactose, sem glúten e sem açúcar, que não tem nada de sem graça. É bem saboroso e macio, embora um docinho a mais não fizesse mal…Custa R$ 28.

Na próxima (sim, vai ter próxima), vou provar as massas com e sem glúten e uma panc beer, feita com plantas alimentícias não convencionais da Mata Atlântica e um toque de caruru (R$ 25). E também o Gil tônica (R$ 38), com alecrim e perfume de clitória.  

Mas vou dispensar os sucos e vitaminas, com preços quase iguais aos de alguns pratos. Quem quer pagar R$ 16 por um copo de mate com capim santo ou um chá de hibisco com especiarias e lascas de laranja?

Delivery pelo iFood - só abre de quarta a domingo (R. Girassol, 451 B, Vila Madalena). 

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?