Paladar

Restaurantes e Bares

Restaurantes e Bares

Chá da vovó cultivado no interior de SP, Obaatian abre loja na capital

Chá Obaatian, com produção em Registro, no interior de São Paulo, abre loja na Aclimação; marca foi criada em 2015, mas a história de Ume Shimada, de 91 anos, com o cultivo de chá remonta a sua infância, quando plantou seu primeiro pé

09 maio 2018 | 18:29 por Ana Paula Boni

Um espaço de tempo de 86 anos separa a primeira vez que Ume Shimada plantou chá, aos 5 anos, e a abertura da loja de sua marca na Aclimação, na semana passada. A loja Obaatian (fala-se obaátian, que significa avó em japonês) está mais para uma vitrine do chá cultivado por ela em Registro (SP) do que para uma casa de chás para se passar o tempo entre xícaras.

Chá preto e xícaras, ambos vendidos na loja

Chá preto e xícaras, ambos vendidos na loja Foto: Gabriela Biló|Estadão

É que o imóvel é pequeno, ao lado da ótica da família. Ali, as estantes amparam as embalagens em papel craft do chá preto Obaatian (R$ 25; 50g), chás de parceiros do Japão (edições especiais), kombucha Viva (feito com chá Obaatian, R$ 13,50), alguns quitutes da confeiteira Viviane Wakuda, além de xícaras, bules e apetrechos.

A ideia ali é ter, além de uma porta de divulgação no varejo, também um ponto de apoio para vendas online e participações da marca em feirinhas gastronômicas, que representam hoje dois terços das vendas da marca, diz Swan Yuki Hamasaki, neto da senhora Shimada.

+Conheça As Cias do Chá, a fantástica fábrica de biscoitinhos de Perdizes​

+Pequeno manual para quem quer entrar no mundo dos chás

Apesar de tantos anos dedicados ao cultivo da Camellia sinensis, ela só criou a marca em 2015. Antes disso, sua família vendia a planta para fábricas de chá da região de Registro – em tempos de abundância, eram cerca de mil produtores e 40 fábricas. Com a crise que se arrastou por anos e fez a última fábrica fechar em 2011, Shimada se voltou apenas à produção de lichia.

Só em 2014, quando foi procurada por um morador da região interessado em recuperar equipamentos das fábricas, ela comprou duas máquinas por R$ 500 no ferro-velho e decidiu que, a partir de então, voltaria a cultivar a planta e a fazer o próprio chá. De acordo com a oxidação, a Camellia sinensis dá origem ao chá branco, ao verde ou ao preto. A Obaatian só elabora chá preto, que é feito em três dias, depois maturado dentro da embalagem por seis meses. 

Fotos da produção do chá, expostas na casa

Fotos da produção do chá, expostas na casa Foto: Gabriela Biló|Estadão

É aí que entram Yuki, um dos 19 netos, mas que é publicitário e criou as embalagens, e sua mulher, Alice, espécie de relações públicas da marca. São eles que monitoram as vendas do site, fazem as entregas e vão às feirinhas, desde 2015.

Nos últimos dois anos, para aprimorar o conhecimento, Yuki viajou três vezes ao Japão, onde fechou parcerias com produtores, que depois vieram visitar o sítio Obaatian.

Para as goladas na xícara, ele sugere fazer a infusão a frio por duas horas com o bule ao sol, para um resultado mais aromático. De acompanhamento, dá para levar os biscoitinhos de gengibre com gergelim (R$ 12). “Minha avó criou essa receita para se emancipar aos 15 anos. Mas não deu certo. A receita acabou ficando na família.”

SERVIÇO

Obaatian

Av. da Aclimação, 112.

Telefone: 97487-0112

Horário de funcionamento: 12h/19h (sáb., 8h30/13h; fecha dom.) 

Site: obaatian.com.br

Ficou com água na boca?