Restaurantes e Bares

Restaurantes e Bares

Make Hommus Not War: cardápio oferece homus e vários acompanhamentos

Homuseria do chef Fred Caffarena fez tanto sucesso no delivery que acaba de ganhar casa própria, em Pinheiros

26 de maio de 2022 | 03:00 por Patrícia Ferraz, O Estado de S.Paulo

Homus fresco da casa com Linguiça merguez de cordeiro.

Homus fresco da casa com Linguiça merguez de cordeiro. Foto: Anderson Freire

Sabe quando uma receita dá tão certo que justifica a inauguração de um restaurante só para ela? Pois o homus do chef Fred Caffarena fez tanto sucesso na pandemia – só para delivery – que ele acaba de abrir uma casa especializada, uma homuseria, como diz. O restaurante foi batizado com um ditado popular no Oriente Médio: Make hommus not war.

É um lugar apertadinho e bem simples, em Pinheiros. No andar térreo tem um balcão com cinco bancos e a cozinha à vista. Na sobreloja, mesas para acomodar 18 pessoas e uma padaria especializada em pães do Oriente Médio, muito além do pita, que serão  vendidos em um carrinho, na calçada.

O homus ali é realmente especial: incrivelmente sedoso e com sabor muito suave, graças a dois detalhes: a pasta de grãode-bico leva alho assado, em vez de alho cru (como a maioria das receitas) e a pasta de gergelim, tahine, é artesanal, feita na cozinha antes do almoço e do jantar. Mais fresca impossível. Para finalizar, apenas sal, azeite e limão tahiti. Não por acaso, o homus está entre os melhores da cidade. Mas esse é só o começo da história.

Pão da padaria instalada no andar de cima para limpar o prato de homus.

Pão da padaria instalada no andar de cima para limpar o prato de homus. Foto: Anderson Freire

Pesquisador entusiasmado da culinária árabe, o chef Fred Caffarena, dono também do Firin Salonu (que reabre em breve) fez um amplo levantamento da pasta de grão de bico e seus acompanhamentos em todo o Grande Oriente Médio, a região entre o Marrocos e o Paquistão. E foi testando as receitas até compor o cardápio, que tem legumes orgânicos assados e manteiga de amêndoa (R$ 34), temperados com ras al hanout, uma mistura de especiarias do Magreb.

O homus pode vir também com mini capeletti de carne, meio quibe e molho de iogurte (R$ 39). Um dos melhores é o “do seu Jacó”, que vem com kibe levantino recheado com as nozes cultivadas pelo sr. Jacó e molho de tomate à moda turca, com ovo (R$ 37). Tem ainda o de couve-flor assada, de falafel, de linguiça merguez (picante, feita de carne de cordeiro); shakshuka, aquele molho de tomate, picante, com ovos de gema mole que está em alta...

A melhor pedida, na minha opinião, é o banquete. Vêm todos eles – um pote de homus e todos os acompanhamentos em potinhos separados. É para duas pessoas, mas serve três fácil. Custa R$ 75.

Se preferir pedir em casa, não hesite, o homus da Make Hommus Not War tem viajado bem, em embalagens biodegradáveis, desde maio de 2020, quando a marca foi criada, na cozinha do Firin Salonu.

Serviço

Make Hommus Not War

Onde: R. Oscar Freire, 2.270, Pinheiros

Funcionamento: 11h30/15h e 18h/22h45 (sáb. 12h/16h e 18h/22h; dom. 12h/16h; fecha 2.ª).

Delivery pelo Goomer.com 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?