Paladar

Restaurantes e Bares

Restaurantes e Bares

Ao ponto

José Orenstein

Na Casa de Grelhados Marcos Bassi, a carne é forte

Em tempos de evitar carne vermelha, o dia da carne deve ser de qualidade

18 novembro 2015 | 17:34 por José Orenstein

Confesso sentir culpa. Porque intuo que, daqui a um século, se ainda existir vida sobre este globo cego solto no espaço indiferente, não vamos comer carne. Pelo menos não da forma como comemos hoje. Olharemos para fotos das criações de animais e abatedouros industriais como hoje olhamos para a escravidão do passado: como eles achavam isso normal?

Mas, enquanto esse dia não chega, vou cultivando a culpa judaico-cristã. E trato de me alinhar ao que, provavelmente, será o lado certo da história: tento comer menos carne. É o que todo mundo deveria fazer, dizem os ambientalistas. O problema é frear o Neandertal que há dentro de nós e que, às vezes, aflora nosso ímpeto carnívoro. Aí, então, o negócio é comer carne de qualidade.

A nova Casa de Grelhados Marcos Bassi nos socorre nesses momentos.

Clássico. A fraldinha, marca de Marcos Bassi, é ponto alto do cardápio e serve muito bem quatro pessoas. FOTOS: Alex Silva/Estadão

Ficou com água na boca?

O primeiro grande mérito da churrascaria é a regularidade. Tudo o que passa pela brasa e sai da cozinha tem o justo tratamento: ao ponto é ao ponto, mal-passado é mal-passado; o sal não é exagerado, apenas suficiente. Algo óbvio, mas difícil em São Paulo.

É boa a variedade de cortes do cardápio (que está na íntegra no site da casa, com preços! Coisa rara): t-bone, assado de tira, costela, alcatra, etc. E a boa notícia é que, com a mesma qualidade, são mais baratos que na matriz de Bassi, no Bexiga. Também à diferença de lá, há no novo endereço mais opções individuais; mais cortes, bem servidos, para comer sozinho. A fraldinha, peça cuja invenção era reivindicada por Marcos Bassi, está no cardápio, claro. Custa R$ 238, mas alimenta quatro pessoas.

Palmito pupunha assado é bom par para carne

Os acompanhamentos também funcionam bem: a farofa especial, com ovo bacon, mandioca, salsinha e alho lembra as superiores farofas cariocas, mais molhadas, substanciosas. A batata frita é ótima, assim como a pupunha assada na brasa, aberta e temperada à mesa. O serviço é atencioso sem ser servil demais. No ponto.

A única sobremesa servida por enquanto (o cardápio será ampliado) é um sorvete crocante com calda de chocolate, que adoça a carnificina.

O único problema é o ambiente, ruidoso, frio. A Casa de Grelhados fica numa rua apinhada de almoçódromos sem alma, que saciam o pessoal dos escritórios da região. O espírito anódino dos vizinhos contamina um pouco o lugar. Se na qualidade e padrão da cozinha e do serviço o nome de Bassi é honrado, falta calor no salão. Talvez com o tempo a casa ganhe personalidade.

Balcão serve para a espera da mesa

LEGADO

Aberta há pouco mais de um mês na Vila Olímpia, a churrascaria é uma versão reduzida da casa de Bassi, no Bexiga, que tem 36 anos. É fruto de parceria entre as filhas de Marcos Bassi (morto em 2013) e Karina Távora, dona do ponto.

O MELHOR E O PIOR

Prove

A fraldinha. É o clássico do Marcos Guardabassi, o Bassi. O corte não tem erro ali: o pedação de carne chega em proporções suficientes para ser devorado por quatro pessoas.

O assado de tira. Perto do osso, a carne é sempre melhor. A regra se confirma aqui, neste corte impecável.

A pupunha assada inteira e aberta na mesa. Boa para refrescar a inevitável sanguinolenta refeição. É ótimo acompanhamento.

Evite

O bife de tira, a nossa célebre picanha. Está entre os cortes mais caros e menos saborosos.

Lombo de salmão. O negócio da casa é a carne. Se você for de peixe, peça, ao menos, bacalhau.

Sem graça. O ambiente frio e ruidoso não é o forte da casa. Mas vá pelas carnes

Estilo de cozinha: É uma churrascaria – tudo é feito na grelha.

Bom para: Almoço farto em família ou para quando bater a fissura de carne.

Acústica: Falta isolamento no salão. É muito barulhento.

Vinho: A carta é boa, bem ampla, capaz de atender bolsos diversos. Há quase uma centena de rótulos, de R$ 59 a R$ 658. Poucas opções em taça, a R$ 22 e R$ 24. Taxa de rolha: R$ 40.

Cerveja: Carta inteligente, 12 rótulos (dois brasileiros, Paulistânia e Coruja), entre convencionais e artesanais, de R$ 8,60 a R$ 28.

Água e café: Garrafa de 300 ml (R$ 4). Café só o Nespresso (R$ 4).

Preços: Couvert R$ 12; entradas de R$ 14 a R$ 38; acompanhamentos de R$ 14 a R$ 22; principais, de R$ 28 a R$ 238; sobremesas de R$ 6 a R$ 14.

Vou voltar? Sim, pela comida. O ambiente não é o mais atraente.

SERVIÇO – Casa de Grelhados Marcos Bassi

R. Min. Jesuíno Cardoso, 501, Vl. Olímpia

Tel.: 4301-7277.12h/0h (dom. 12h/18h)

Ciclovia: Faria Lima (quase pronta, a 100 m)

Não tem bicicletário

>> Veja a íntegra da edição de 19/11/2015

Ficou com água na boca?