Paladar

Restaurantes e Bares

Restaurantes e Bares

Não mexe com o meu cuscuz: onde provar o clássico nordestino

Roteiro de restaurantes que entregam esse clássico da culinária sertaneja, que foi motivo de discussão no Big Brother Brasil

05 de março de 2021 | 05:00 por Cintia Oliveira, Especial para o Estado

Na última semana, o cuscuz nordestino causou discórdia na casa do Big Brother Brasil (Rede Globo). Tudo começou quando a paraibana Juliette viu o cantor Fiuk preparar uma farofa utilizando farinha de milho flocada, ou flocão, que é utilizada no preparo da tradicional receita nordestina. Diante da teimosia do cantor, que não quis dar o braço a torcer, a sister preparou a receita. Depois foi às lágrimas, ao contar o episódio para alguns de seus colegas de confinamento.

“Eu entendo completamente o sentimento da Juliette. O nordestino tem um laço de afetividade com o cuscuz”, explica o chef paraibano Carlos Ribeiro, que recentemente assumiu a cozinha do restaurante nordestino Panelão do Norte, localizado na Penha.

 Cuscuz com ovo do chef paraibano Carlos Ribeiro

 Cuscuz com ovo do chef paraibano Carlos Ribeiro Foto: Carlos Ribeiro

  

Presença constante na alimentação do sertanejo, o cuscuz entra em cena no lugar do pão do café da manhã - a receita à base do flocão sustenta e é muito mais acessível -, mas também marca presença nas mais diversas refeições. Pode ser servido com ovo frito, manteiga de garrafa, charque, linguiça, queijo coalho, frango e o que mais a criatividade permitir. Também tem a versão doce. “A minha mãe costumava preparar o cuscuz com leite de coco, extraído do fruto que tínhamos no quintal, coco ralado e canela”, lembra Ribeiro. 

Sobrou cuscuz? Faça uma farofa usando-o como base. Porém, Ribeiro não recomenda a técnica de Fiuk. “Quando preparada diretamente na panela, o flocão fica com sabor de milho cru”, explica o chef paraibano.

Na capital paulista, diversos estabelecimentos utilizam o clássico da culinária sertaneja no preparo de receitas, que estarão disponíveis pelo delivery a partir deste sábado (6), quando o Estado retorna à fase vermelha do Plano São Paulo. Confira: 

A Baianeira 

As duas unidades do restaurante, comandado pela chef Manuelle Ferraz, promovem o encontro entre as cozinhas mineira e baiana. Entre as pedidas, disponíveis pelo delivery do iFood, está o cuscuz, que é servido aos sábados de manhã na sede do restaurante, na Barra Funda. Elaborado com flocão de milho orgânico, pode ser pedido com ovo caipira (R$ 12) ou embebido em leite de coco natural (R$ 9).

Onde: R. Dona Elisa, 117, Barra Funda. 2538-0844. 9h/16h (fecha dom. e seg).  

A Baianeira. Com flocão de milho orgânico e ovo caipira

A Baianeira. Com flocão de milho orgânico e ovo caipira Foto: Estudio Coma

 

Casa Tucupi 

A chef acreana Amanda Vasconcelos apresenta no seu restaurante clássicos da cozinha de sua terra natal. O carro-chefe é a baixaria, prato que leva cuscuz de milho, carne moída, salada de tomate com cebolinha e ovo frito com gema mole (R$ 30). A partir do original, a chef criou o bolovo de baixaria (à base de massa de cuscuz de milho, carne moída, ovo e vinagrete, R$ 14). Delivery pelas plataformas Goomer e Rappi.

Onde: R. Maj. Maragliano, 74, Vila Mariana. 94241-2232. 12h/16h e 19h/ 22h (sáb. 12h/ 22h. dom. 12h/ 18h. fecha seg., ter. e qua.) 

Mocotó

Como não poderia deixar de ser, o cuscuz marca presença no cardápio do premiado restaurante de comida sertaneja do chef Rodrigo Oliveira. À base de flocão de milho não-transgênico do sertão da Bahia, o cuscuz é feito com manteiga de garrafa, cebola, abóbora, pimenta dedo-de-moça, tomate e couve. No delivery, disponível no iFood, pode ser tanto acompanhamento do clássico baião de dois (a partir de R$ 45,90) quanto servido à parte (R$ 13,90).

Onde: Av. Nossa Sra do Loreto, 1100, Vila Medeiros. 2951-3056. 11h/ 22h (sex. 11h/ 22h30. sáb. 11h30/ 22h30. dom. 11h30/ 16h30) 

Mocotó. Cuscuz de milho e folhas

Mocotó. Cuscuz de milho e folhas Foto: Mocotó

 

Jesuíno Brilhante 

Sob o comando do potiguar Rodrigo Levino, o restaurante tem como protagonista a carne de sol feita lá mesmo, uma herança de seu Batista - pai de Levino falecido no ano passado. Na cozinha, sob o comando da chef Jeanine Vieira, o cuscuz nordestino marca presença na forma de uma farofa bem soltinha, com tomate, cebolinha e coentro. Pode ser pedida pelos deliveries do iFood e Rappi, tanto à parte (R$ 7) quanto como acompanhamento da carne de sol na nata (R$ 39).

Onde: R. Arruda Alvim, 187, Pinheiros. 2649-3612. 11h30/ 15h (sáb. 11h30/ 15h30. fecha dom.)

Jesuino Brilhante. Cuscuz nordestino marca presença na forma de uma farofa bem soltinha

Jesuino Brilhante. Cuscuz nordestino marca presença na forma de uma farofa bem soltinha Foto: Jeanine Vierira

Fitó

A chef Cafira Foz combina as influências das cozinhas do Ceará e do Piauí e apresenta sugestões como o cuscuz nordestino com gergelim e rabanete. Em vez da farinha flocada de milho, Cafira utiliza o flocão de arroz - um clássico da cozinha piauiense - e a receita serve de guarnição para as coxas de frango orgânico confitadas com temperos sertanejos, favas brancas no caldo de tucupi e couve chamuscada (R$ 49). O prato, servido aos domingos, pode ser pedido pelo iFood.

Onde: R. Cardeal Arcoverde, 2773, Pinheiros. 3032-0963. 11h/22h30 

Cuia Café

Instalado na livraria Megafauna, o endereço comandado pela chef Bel Coelho oferece um menu repleto de brasilidade, com pratos elaborados a partir de ingredientes locais. O flocão de milho Copirecê, produzido na Bahia, serve como base do cuscuz de milho, que é servido com ovo em baixa temperatura, espuma de queijo Mandala e chip de batata doce (R$ 34). Delivery pelo Rappi ou WhatsApp 93100-7700.

Onde: Av. Ipiranga, 200, loja 48, República. 12h/19h (fecha dom.)

Cuia Café. Servido com ovo em baixa temperatura, espuma de queijo Mandala e chip de batata doce

Cuia Café. Servido com ovo em baixa temperatura, espuma de queijo Mandala e chip de batata doce Foto: Cuia

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?