Paladar

Restaurantes e Bares

Restaurantes e Bares

Os dez melhores restaurantes de Nova York em 2018, segundo o 'NYT'

Confira os endereços indicados por Pete Wells, crítico de restaurantes do 'New York Times'. Culinárias asiáticas e africanas são o destaque do ano

11 de janeiro de 2019 | 07:00 por Pete Wells

The New York Times

Manter o foco em sopas e tortas não foi muito fácil neste ano. 

Para começar, dois grandes nomes da culinária partiram prematuramente: Anthony Bourdain, que tirou a própria vida em junho, aos 61 anos, e Jonathan Gold, que morreu um mês depois, de câncer do pâncreas, aos 57 anos. Ambos, Bourdain com seus livros e programas de televisão e Gold com suas críticas de restaurantes de Los Angeles e outras cidades, ampliaram nossos horizontes sobre a comida e as pessoas que nos mantêm alimentados.

Ao mesmo tempo, todos os que escrevem sobre restaurantes tentaram metabolizar as tristes revelações a respeito de como alguns grandes chefs e proprietários tratam as mulheres em seus estabelecimentos. E notícias sobre racismo, sexismo e xenofobia tornaram urgente encarar esses problemas em restaurantes, onde eles estão tão profundamente enraizados que passaram a fazer parte da rotina.  

O balcão de degustações do Atomix.

O balcão de degustações do Atomix. Foto: Daniel Krieger/NYT

Às vezes, sinto como se uma revolução estivesse batendo em minha porta. Mas aí eu saio para jantar e me lembro de que restaurantes exigem muito tempo e dinheiro para entrar nos eixos, e que esse grande setor da economia de Nova York não vai mudar de uma hora para outra. Enfim, como disse alguém, Roma não foi feita em um dia.

1. Atomix

O Atomix nos transporta à Coreia do Sul com um menu degustação de dez pratos, que custa US$ 175. Sua arquitetura, os uniformes, a louça, os copos e jarras, a mobília e a culinária combinam tradição e inovação para apresentar uma nova visão da estética coreana. Junghyun Park, o chef, cria pratos inesperados e deslumbrantes de ingredientes como soja branca e um empolgante vinagre de tangerina da ilha Jeju. Os pratos são requintados, alguns com mais de 20 ingredientes, mas nunca perdem de vista o país de origem – assim como todo o restaurante. (3 estrelas*) 

Atomix: pato é servido com um molho inspirado no mole mexicano com gochujang, pasta fermentada de pimenta.

Atomix: pato é servido com um molho inspirado no mole mexicano com gochujang, pasta fermentada de pimenta. Foto: Daniel Krieger/NYT

104 East 30th St. (Park Avenue South), Murray Hill; não tem telefone; atomixnyc.com

 

2. Franchette

Os chefs Lee Hanson e Riad Nasr são dois veteranos da cena pseudo-brasserie que finalmente abriram o próprio restaurante, após 20 anos cozinhando em casas alheias. Seu cardápio é uma competente e refinada homenagem a uma impactante culinária de poucos e antigos endereços de Les Halles, Paris. O cardápio inclui ingredientes como caracóis, miolos, tripa, língua e outras coisas não exatamente favoritas do público americano. Isso poderia criar problemas entre os chefs e o patrão, caso eles tivessem um. Mas não têm, e sabem exatamente o que estão fazendo. Os pratos à base de miúdos são maravilhosamente trabalhados. O mesmo acontece com pratos menos polêmicos, como peito de pato com fritas e frango assado servido sobre baguete e temperado com respingos da rotisseria. O Frenchette tem também uma das melhores cartas de vinhos naturais da cidade. (3 estrelas*)

O chef Riad Nasr supervisiona a cozinha do Frenchette. 

O chef Riad Nasr supervisiona a cozinha do Frenchette.  Foto: Cole Wilson/NYT

241 West Brooadway (North Moore Street). Tribeca; 212-334-3883; frenchettenyc.com

 

3. Shoji at 69 Leonard Street

Nova York está ficando saturada de menus degustação de sushi,  mas o Shoji at 69 Leonard St. é um endereço para se escrever na mão. A primeira metade do menu (são três formatos, de US$ 190, US$ 252 e US$ 295) combina ingredientes locais, dando oportunidade ao chef, Derek Wilcox, de experimentar um pouco dentro dos limites da tradição (no formato kaiseki, uma espécie de menu-degustação típico da alta cozinha de Kyoto) – o que resulta em híbridos memoráveis como um chawanmushi (ensopado à base de ovo) feito com lagosta da Costa Leste. A segunda parte é uma sequência de sushis excepcionais, fatiados e temperados à moda Edo. Há na cidade outros restaurantes, entre os melhores, tão bons quanto o Shoji em sushis ou em pratos do menu-degustação kaiseki individualmente. Mas só Shoji faz bem as duas coisas. (3 estrelas*)

No Shoji at 69 Leonard Street, Derek Wilcox faz sushis tradicionais e pratos kaiseki. 

No Shoji at 69 Leonard Street, Derek Wilcox faz sushis tradicionais e pratos kaiseki.  Foto: Christina Holmes/NYT

69 Leonard St. (Church Street), TriBeCa; 212-404-4600; 69leonardstreet.com

 

4. Misi

Missy Robbins é a principal representante em Nova York de um ramo energético da culinária italiana centrada no produto. Mesmo no inverno, sua comida lembra o sol de verão batendo num canteiro de tomates. No Misi, Missy mostra o que faz de melhor: massas e vegetais. Os noodles, feitos na casa, são um catálogo de formatos, dos longos strangozzi com ragu de porco aos achatados corzetti com tomate-cereja cozido apenas ao ponto de rebentar a pele. Para sobremesa, há seis opções de sorvete, todas com a mesma intensidade e frescor dos outros pratos da refeição. (3 estrelas*)

Prato do Misi: corzetti com tomate-cereja (no topo esquerdo), strangozzi com ragu de porco (no centro), cogumelos em conserva (na direita) e berinjela assada (no canto inferior esquerdo).

Prato do Misi: corzetti com tomate-cereja (no topo esquerdo), strangozzi com ragu de porco (no centro), cogumelos em conserva (na direita) e berinjela assada (no canto inferior esquerdo). Foto: An Rong Xu/NYT

329 Kent Ave. (South Fourt Street), Williamsburg, Brooklyn; 347-566-3262; misinewyork.com

 

5. O Bar do Momofuku Ko

Oficialmente, é apenas o bar do Ko, a tentativa de David Chang de invadir o palácio dos jantares sofisticados. É também a coisa mais experimental que ele já criou, um laboratório no qual o chef do Ko, Sean Gray, dá a cozinheiros a oportunidade de aprender a fazer coisas como a massa estufada da formidável torta de porco, ou de pôr em prática ideias excêntricas. “Linguiça animal”, por exemplo, é um pescoço de frango recheado de carne moída que traz ainda a própria cabeça do frango numa extremidade. O bar pode não ser o lugar mais seguro para um primeiro encontro, mas é ideal para noites em que você está querendo testar a sorte. (2 estrelas*)

O bar é um laboratório onde os comensais podem assistir os cozinheiros criando pratos. 

O bar é um laboratório onde os comensais podem assistir os cozinheiros criando pratos.  Foto: Cole Wilson/NYT

8 Extra Place (First Street), East Village; 212-203-8095; ko.momofuku.com

 

6. La Mercerie

O único senão neste café que serve do desjejum ao jantar ocorre quando você chega e é informado pelo garçom de que todos os pratos, talheres e guarnições de mesa podem ser comprados na loja anexa. Depois disso, tudo é corre tão macio quanto a manteiga que derrete nas frigideiras em que chiam os saborosos e crocantes crepes de trigo sarraceno. A chef Marie-Aude Rose prepara com precisão clássica ovos, saladas, caldos, boeuf bourguignon e outros hits dos cafés franceses – o que é mais do que se pode dizer de alguns estabelecimentos do gênero da França. (2 estrelas*)

La Mercerie fica aberto do café da manhã até o jantar, passando pela happy hour regada a drinques.

La Mercerie fica aberto do café da manhã até o jantar, passando pela happy hour regada a drinques. Foto: Daniel Krieger/NYT

53 Howard St. (Mercer Street), SoHo; 212-852-9097; lamerceriecafe.com

 

7. Shabu Shabu Macoron

Mako Okano, a chef deste cantinho japonês na Delancey Street, gosta tanto de shabu-shabu (é uma espécie de fondue oriental com carnes e legumes, preparado numa panela à mesa) que decidiu abrir um restaurante só para fazer o prato. O evidente prazer de Okano em cuidar das pessoas dá um toque íntimo ao processo banal de mergulhar carnes e vegetais em caldo quente. As carnes do shabu-shabu são soberbas, dos cortes de wagyu estriados de gordura às deliciosas bolinhas de frango. Ela também prepara uma omelete areada antes mesmo que você perceba que virou as costas, ou retira yuba (uma espécie de nata endurecida) da superfície do leite de soja aquecido para servir de base para bocados de ouriço-do-mar. (2 estrelas*) 

Mako Okano serve shabu-shabu seguindo o ritual: os legumes e as finas fatias de carne são mergulhadas em caldo fumegante feito à base de alga kombu e depois, um por vez, no molho ponzu. 

Mako Okano serve shabu-shabu seguindo o ritual: os legumes e as finas fatias de carne são mergulhadas em caldo fumegante feito à base de alga kombu e depois, um por vez, no molho ponzu.  Foto: Cole Wilson/NYT

61 Delancey St. (Allen Street), Lower East Side; 212-925-5220; shabushabumacoron.com

 

8. Adda Indian Canteen

A cozinha de Chintan Pandya é nada menos que energética. No Rahi, em Greenwich Village, seus pratos são um turbilhão de produtos locais, especiarias indianas e toques de loucura. No Adda, as receitas são tradicionais e toda a exuberância de Pandya vai para o tempero. Mas é uma comida vigorosamente temperada, embora a pimenta chili não se destaque sempre no mix (quando se destaca, prepare-se...). O kaliji masala, ou fígado de frango ensopado, usa um garam masala (mistura de especiarias moídas) quase sinfônico em sua complexidade. Cominho e sementes de coentro quebradas formam a crosta do crocante e duplamente marinado bhatti da murgh (receita picante de frango). O Adda pode ter sido pensado como uma parada de estudantes do LaGuardia Community College, do outro lado da rua, mas seus temperos falam tão alto que quase dá para se ouvir em Manhattan. (2 estrelas*)

A cozinha indiana do Adda não economiza nos temperos e especiarias. Na foto, biryani (prato de arroz, legumes e carnes) picante servido sob uma "tampa" de massa. 

A cozinha indiana do Adda não economiza nos temperos e especiarias. Na foto, biryani (prato de arroz, legumes e carnes) picante servido sob uma "tampa" de massa.  Foto: An Rong Xu/NYT

31-31 Thomson Ave. (Van Dam Street), Long Island City, Queens; 718-433-3888; addanyc.com

 

9. Henry, no Life Hotel

O tema do cardápio de Joseph Johnson é a África – não apenas as muitas cozinhas do continente, mas também aquelas da diáspora africana no mundo. Os noodles de salmão são inspirados nos imigrantes vietnamitas que chegaram ao Senegal. E Johnson criou seu “Harlem curry” após ler a história de Vivek Bald sobre os bengalis que se estabeleceram no bairro do mesmo nome um século atrás. O tema África é tão rico e inexplorado que o Henry é hoje um dos mais fascinantes restaurantes de Nova York. A casa também marca um notável revival de um ponto que fechou dois meses antes da chegada de Johnson. (1 estrela*)  

Uma troca de chefs mudou a sorte do Henry, no Life Hotel.

Uma troca de chefs mudou a sorte do Henry, no Life Hotel. Foto: Daniel Krieger/NYT

19 W. 31 st St. (Fifth Avenue), Midtown; 212-615-9910; henrynomad.com

 

10. Claro

A culinária de Oaxaca do Claro não é aquela ortodoxa que você vai encontrar no México. Para começar, tem couve-de-folha e alcachofra-girassol. Mas o chef T. J. Steele leva a sério seus moles (molhos mexicanos), que ressaltam em profundidade as diferentes características de seus vários chilis. A bochecha de porco, por exemplo, é cozida num mole vermelho com uma sedutora pegada de chocolate. A farinha masa (feita de milho nixtamalizado), que pode ser decepcionante em Nova York, é moída no restaurante e constitui uma saborosa base para metade dos pratos do cardápio. Steele, que vive parte do tempo em Oaxaca, traz muita coisa de lá, incluindo ingredientes e um mezcal. (2 estrelas*)

Muitos pratos do Claro são feitos com a ótima masa (farinha de milho nixtamalizado) feita na casa.

Muitos pratos do Claro são feitos com a ótima masa (farinha de milho nixtamalizado) feita na casa. Foto: Gabriela Herman/NYT

284 Third Ave. (President Street). Gowanus, Brooklyn; 347-721-3126; clarobk.com

 

* Estrelas da pontuação do New York Times, dadas pelo próprio crítico Pete Wells em cada uma de suas críticas. 

/ TRADUÇÃO DE ROBERTO MUNIZ

 

Ficou com água na boca?