Paladar

Restaurantes e Bares

Restaurantes e Bares

Produtores e cucas se completam em BH

por Rafael Tonon

29 de outubro de 2014 | 19:26 por redacaopaladar, Estadão Conteúdo

Especial para o Estado

A evolução da cozinha mineira passa necessariamente pela valorização dos produtos – e dos produtores.

De Lá, que comercializa queijos, doces, compotas e cachaças. FOTOS: Nidin Sanchez/Estadão

A designer Laura Cota também tem nos produtores seu maior trunfo. Em janeiro, ela abriu as portas de uma venda no bairro Savassi para comercializar queijos, doces, compotas, cachaças e outros ingredientes de pequenos produtores de cidades do interior. A De Lá nasceu com o intuito de ligar esses produtores aos consumidores. Há os queijos da Serra do Salitre, a pasta de berinjela de São Gonçalo do Rio Baixo, a rapadura batida da Serra do Cipó, entre outros.

LEIA MAIS

+ Tutu à mineira de Thermomix

+ Ateliê de pão artesanal faz tour-degustação

+ Cerveja de doce de leite e goiabada? Em Minas tem

+ Para conhecer e beber café, vá à Academia

+ Belzonte tem até restaurante ‘de praia’

Laura visita pessoalmente muitos dos produtores. “A logística não é nada trivial. Os produtos chegam pelo correio e até de carona. Se tem alguém vindo desses lugares para BH, possivelmente vai trazer queijo ou outras coisas na bagagem”, diz.

O brilho do Alma Chef está nos vegetais cultivados a 60km da capital.

Já no Alma Chef, um misto de empório e restaurante, brilha a produtora Ilma Corrêa, de Capim Branco, a 60 km da capital. Lá, ela cultiva pequenas preciosidades como o tomate beluga (frutos tão pequenos que se assemelham a um caviar, por isso o nome), minirrabanete e miniquiabo, além de outros vegetais, que entrega duas ou três vezes por semana.

SERVIÇO – Alma Chef

R. Curitiba, 2.081, Lourdes, Belo Horizonte

Tel.: (31) 2551-5950

SERVIÇO – De Lá

Avenida do Contorno, 6000, loja 208, Savassi, Belo Horizonte

Tel.: (31) 3225-6347

Veja a íntegra da edição do Paladar de 30/10/2014

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?