Paladar

Restaurantes e Bares

Restaurantes e Bares

Receita tem dono e direito autoral?

Associação cria registro de autoria e reacende a discussão: receita tem autor? X-picanha e ‘doidera alemã’ foram listados. Os copiadíssimos dadinhos de tapioca do Mocotó e suflê de goiabada do Carlota dispensam a patente

10 de setembro de 2014 | 21:11 por joseorenstein, Estadão Conteúdo

Quem é o dono da receita de pudim de leite? Ou da coxinha? Da feijoada? Para a Justiça brasileira, receitas clássicas não têm propriedade intelectual. Mas a Abrasel, Associação Brasileira de Bares e Restaurantes de São Paulo, quer garantir a cozinheiros a autoria de suas criações.

No mês passado, a entidade lançou o Regga, serviço de registro de receitas e produtos gastronômicos. Percival Maricato, presidente da Abrasel-SP, advogado e empresário do setor, foi quem criou o serviço.

“Existem vários órgãos que registram livros, marcas, remédios. Mas nenhum que registre receitas. Isso se deve a uma questão cultural: cozinha nunca foi considerado algo de prestígio, uma arte”, diz Percival. “(A receita) é, no mínimo, uma obra autoral, envolve criação, talento e esforço.”

Imitados. Estes são originais: dadinho de tapioca do Mocotó e suflê de goiabada do Carlota, mas há cópias em toda parte. FOTOS: Divulgação

A Abrasel-SP diz que já recebeu os primeiros pedidos de registro de receitas. O x-picanha, da rede Big X-Picanha, é uma delas. “Já enviei os documentos e dados. Fui o primeiro louco a moer picanha, na década de 1980, e fazer hambúrguer.

Depois todo mundo copiou”, afirma Ezupério Silva, o Zupa, dono da rede de restaurantes fast food e conselheiro da Abrasel-SP. Ele garante que não pediu o registro para contestar na Justiça quem copie a receita. “Não compensa. É mais para o ego mesmo. Ao menos quando falarem dessa receita vai constar meu nome”, diz Zupa.

O petisco doidera alemã, do bar Amigo Leal, em São Paulo (joelho de porco com repolho e maçã verde sobre Doritos), foi o primeiro a ser registrado. “Entreguei papéis, fotos. Mas não paguei, sou associado há muitos anos da Abrasel”, diz Leonardo Ramos, dono do bar.

O registro de receita para reivindicação de direitos autorais em disputas comerciais é um dos pilares da ideia da Abrasel-SP. Mas também o registro histórico é um dos argumentos para convencer cozinheiros a patentear criações. “Além de ser uma segurança jurídica, funciona como arquivo”, diz Percival.

Para ter uma receita cadastrado no Regga, é preciso pagar R$ 480 e depois R$ 220 para a manutenção do registro por cinco anos. Deve-se enviar também documento com ficha técnica da receita, currículo do autor, fotos, modo de preparo – assinado e datado em quatro vias.

Uma vez recebida a documentação a Abrasel avalia o pedido, consultando seus membros e associações setoriais, e o torna público para contestação de autoria. Se ninguém se manifestar em 30 dias, o registro é feito. “Quando criei o regulamento, até pensei se não estaria burocratizando um processo criativo comum. Mas acho que não, o serviço é simples e atende a um interesse que percebia entre quem trabalha com gastronomia”, diz Percival.

Registrado. O petisco doidera alemã, do bar Amigo Leal: primeira receita com regristro da Abrasel-SP

O caso mais recente e barulhento envolvendo a disputa pela autoria de receitas opôs os restaurantes portugueses Antiquarius e A Bela Sintra. O primeiro acusava o segundo, mais novo e de propriedade de ex-gerente da casa, de plagiar pratos tradicionais. O caso chegou a segunda instância no Tribunal de Justiça de São Paulo, que, em 2009, decidiu que a acusação de plágio não era procedente: as receitas eram de domínio público.

Da mesma forma, órgãos como Inpi (Instituto Nacional de Propriedade Intelectual), responsável pelo registro de marcas, ou a Biblioteca Nacional, que registra obras intelectuais, não fazem patente de receitas.

O registro de marcas vale para a gastronomia também – a Amor aos Pedaços, por exemplo, não deixa docerias venderem o bicho de pé, nome que patenteou. Mas a receita do doce é de uso livre.

“Acho que receita tem autoria, sim. Mas depois de um certo tempo, vai virando domínio público”, diz Carla Pernambuco, chef do restaurante Carlota, que lançou nos anos 1990 o suflê de goiabada com calda de catupiry. A receita foi replicada por diversos restaurantes. “Não vejo necessidade de registrar. Meus livros de receita já fizeram isso. Além do que, custaria muito caro brecar a utilização comercial da receita. Não vale a pena”, diz Carla.

Rodrigo Oliveira, chef do Mocotó, segue mais ou menos a mesma linha. Criador do dadinho de tapioca, ele conta já ter encontrado a receita em Porto Alegre, Belém, Maceió e incontáveis bufês de casamento. “Para mim, não soa como plágio. Soa como homenagem. Não tenho interesse em patentear a receita do dadinho. Acho um desserviço à evolução da gastronomia”, diz Rodrigo.

Ele conta que recentemente foi ao shopping ver um filme, numa dessas salas que servem comida, e lá estava seu dadinho. “Custava R$ 29,90, eram minúsculos e malfeitos, torrados”, diz o chef, que vende o petisco no Mocotó em porção mais farta, por R$ 19,90. E ri: “Vou me oferecer para ensinar a fazer o dadinho direito em troca de um ingresso de cinema”.

“Mas depois me peguei pensando: e se o McDonald’s resolve começar a vender dadinho de tapioca? Será que me sentiria homenageado ou lesado? Realmente, não sei”, diz Rodrigo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?

Tendências