Paladar

Bebida

Bebida

A Copa do copo: confira a degustação de doze vodcas do mundo

Formamos uma seleção com rótulos de diferentes países, convocamos um time de degustadores e marcamos o jogo para um campo neutro. O embate foi às cegas e o placar você confere aqui

13 junho 2018 | 18:34 por Matheus Prado

Degustar vodca é como uma brincadeira de esconde-esconde: tentar encontrar aquilo que quer se esconder. A busca por aromas num destilado que é produzido e comercializado como neutro não é uma tarefa exatamente fácil. O alto nível alcoólico e o fato de a bebida ser servida gelada dificultam ainda mais a análise, pois ajudam a ocultar sabores e aromas. 

 

  Foto: Felipe Rau|Estadão

Os russos, seus criadores e maiores consumidores, tomam na refeição, em pequenos goles, geralmente acompanhando pratos e petiscos gordurosos. 

Ficou com água na boca?

Mas, apesar de produtores pelo mundo todo tentarem fazer a bebida da forma mais neutra possível, quando o destilado está em temperatura ambiente é possível mapear aromas e principalmente analisar texturas na boca, captando a personalidade de cada rótulo. Como a bebida pode ser destilada com diversas matérias-primas, o resultado final pode ser bem heterogêneo. 

LEIA MAIS:

+ Com a Copa da Rússia, vodca entra em alta temporada

Reunimos 12 rótulos disponíveis no mercado nacional, provenientes de sete países: Brasil, França, Suécia, Finlândia, Rússia, Polônia e Holanda. Formamos o grupo com a participação da bartender e consultora Adriana Pino; do sócio da Cia. Tradicional de Comércio Ricardo Garrido; do coordenador de bar do Astor, Lucivaldo Pereira; do repórter do Estado Gilberto Amendola; do designer do Estado Adriano Araújo; e dos repórteres do Paladar Carla Peralva e Matheus Prado. Reservamos uma mesa no Astor do shopping JK e começamos os trabalhos, às cegas. Ou seja, provamos e comparamos as vodcas sem saber quais eram.

Confira os resultados na galeria abaixo.

 

 

No freezer, na geladeira ou no armário ?

Tanto faz. Se for guardada na geladeira ou no freezer, fica mais fácil de beber, porque a temperatura baixa atenua seu teor alcoólico e seus sabores. Apesar disso, esse tipo de conservação nada agrega ao perfil do destilado. Quer dizer, pode deixar no armário, mesmo. O único cuidado é que a garrafa fique longe da exposição de luz.

 

Qual é o copo ideal?

Especialista em cachaça e destilados, Isadora Bello Fornari explica que a bebida vai bem num copo shot – especialmente se a ideia é neutralizar a força da vodca, como é tradicional com o destilado. Para degustar e identificar o perfil da vodca, o copo indicado é a taça ISO, que permite uma maior valorização dos sabores. 

 

O que procurar numa vodca?

Apesar de ser vendida como neutra e andar escondida em diversos coquetéis, a vodca possui diferentes personalidades. Existem rótulos secos, picantes, amanteigados, florais. Para encontrar os sabores, é necessário que a bebida não esteja gelada e que o copo seja abaulado entre o bojo e a boca, como a taça ISO, para promover os aromas.

Ficou com água na boca?