Paladar

Bebida

Bebida

Drinques em jarra são o segredo para dar uma ótima festa

Vai servir coquetéis para um batalhão de convidados? Confira receitas para preparar na véspera e em grandes quantidades

14 de dezembro de 2019 | 06:00 por Rebekah Peppler, The New York Times

Nas festas de fim de ano de repente você se vê às voltas com a preparação de drinques para um batalhão. Mas, em vez de passar a noite fazendo malabarismos com coqueteleiras e em conversas intermináveis, receba seus convidados com um martini bem gelado ou um forte boulevardier, sem nenhuma coqueteleira ou agitador à vista.

Na jarra: a praticidade dos drinques que podem ser feitos na véspera, em grande quantidade.

Na jarra: a praticidade dos drinques que podem ser feitos na véspera, em grande quantidade. Foto: Christopher Testani/NYT

Criados para serem preparados em grande volume bem antes da campainha soar, esses coquetéis são a chave para fazer drinques em massa, de modo mais divertido e menos estressante. “Preparar um coquetel em grande quantidade relaxa”, diz Maggie Hoffman, autora do livro Batch Cocktails: Make Ahead Pitcher Drinks for Every Occasion (em livre tradução, Coquetéis em lotes: faça antecipadamente, drinques de jarra para cada ocasião), sem edição em português.

Os puristas podem - e devem - desprezar coquetéis clássicos preparados antecipadamente, mas o argumento vale somente no caso de você estar pagando pelo drinque, o serviço e o show. Em casa, a vibe é diferente, diz Hoffman: “Você dá uma festa para passar um tempo com pessoas e não mostrar como são boas suas habilidades na preparação de um coquetel”.

Os coquetéis preparados em grande quantidade podem ser congelados durante dias, e até semanas. São portáteis e podem até fazer as vezes de presente de boas-vindas - experimente levar um à próxima festa a que for convidado.

Embora muitos drinques possam ser feitos em lote, as misturas que não precisam ser preparadas no último minuto funcionam melhor. Se decidir servir drinques com frutas cítricas ou outros ingredientes frescos, deixe-os de fora e os adicione uma hora mais ou menos antes de servir.

Outro detalhe crucial é a quantidade de água do coquetel.  “Quando um bartender está preparando um drinque, ele mistura o gelo até chegar à temperatura adequada e ao ponto ideal de diluição. Acrescentando água, você equilibra a força do álcool e a suavidade da bebida.”

Drinques e paladares implicam tempos diferentes de diluição no momento da mistura, mas a regra geral é adicionar entre 15 ml e 22 ml de água por drinque para coquetéis servidos sem gelo. E entre 7 ml e 14 ml de água por drinque para coquetéis servidos com gelo. Use água filtrada ou em garrafa (de preferência de vidro, por razões ambientais).

Guarde os coquetéis em garrafas ou jarras bem fechadas no refrigerador. Se preparar as bebidas mais de duas semanas antes, só coloque água na hora de servir.

Certifique-se de ter bebida suficiente para todos e preste atenção na temperatura. Mantenha garrafas ou jarras de drinques em baldes de gelo ou deixe as garrafas no refrigerador para usar durante a festa. Não se esqueça de deixar gelo para os convidados que preferem a bebida mais diluída. Coloque um lembrete perto das garrafas de maneira que as pessoas saibam o que estão bebendo.

Finalmente, respire fundo, ofereça uma variedade de guarnições e deixe que seus convidados tenham o prazer de finalizar seu próprio drinque - ou no caso dos martinis, sua mistura - por conta própria.

Confira a seguir receitas de drinques em jarra.

 

Boulevardier de garrafa

Fácil de fazer, esse clássico combina bourbon, Campari e vermute e pode ser guardado em geladeira por até duas semanas. Na hora de servir, use gelo e casca de laranja para aromatizar a bebida. Confira aqui o passo a passo.

Boulevardier, com bourbon, Campari e vermute, em jarra.

Boulevardier, com bourbon, Campari e vermute, em jarra. Foto: Christopher Testani/NYT

 

 

Martini meio a meio

Misture partes iguais de gim, vermute e um tanto de água e guarde em geladeira por até 15 dias. Ofereça limão, azeitonas verdes, salmoura do limão, cebolinhas de coquetel e bitter de laranja para que cada convidado finalize seu próprio drinque, de acordo com suas preferências. Veja a receita.

Martini meio a meio, com doses iguais de gim e vermute.

Martini meio a meio, com doses iguais de gim e vermute. Foto: Christopher Testani/NYT

 

Clericot

Vinho branco, licor, frutas em cubinhos e muito gelo - misture tudo numa bela jarra e firva em seguida. Aqui temos versões desse drinque clássico: uma com Cointreau e Martini bianco e a do Le Jazz Petit, temperada com licor de pêssego. Experimente também usar espumante, licor de flor de sabugueiro e club soda - as borbulhas tornam o drinque ainda mais refrescante.     

Coloque a jarra sobre um guardanapo de tecido, para evitar molhar a mesa

Coloque a jarra sobre um guardanapo de tecido, para evitar molhar a mesa Foto: Felipe Rau|Estadão

 

Ponche natalino

Com gim, água tônica, frutas cortadas em cubos e xarope de hibisco, esse ponche pode ser considerado uma versão incrementada de gim tônica, que é o drinque da moda. Para fazer em quantidade e tomar no mesmo dia, por conta das frutas. Aprenda a fazer aqui.  

Nesse drinque, que é uma versão da gim tônica, o hibisco dá a cor

Nesse drinque, que é uma versão da gim tônica, o hibisco dá a cor Foto: Felipe Rau|Estadão

 

Quer mais receitas?

O Balcão do Giba dá mais três sugestões de receitas de ponche: com vodca, suco de maçã, de limão e água com gás; de vodca, espumante e frutas frescas; e de rum (ou bourbon) e abacaxi. Confira aqui. 

 

/Tradução de Terezinha Martinho

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Ficou com água na boca?